menu
Topo

Sexo


Sexo

Ponto Y: o que você precisa saber sobre esse polêmico ponto erógeno

Getty Images/iStockphoto
O ponto Y é uma zona no fundo da vagina digna de ser explorada para ter mais prazer Imagem: Getty Images/iStockphoto

Heloísa Noronha

Colaboração para Universa

02/02/2019 04h00

Volta e meia são descobertos novos locais de prazer na anatomia feminina. Ainda pouco divulgada, a existência do ponto Y é bastante controversa e, até o momento, não foi comprovada cientificamente. Conforme explica o psicólogo e terapeuta sexual Oswaldo Martins Rodrigues Jr., diretor do InPaSex (Instituto Paulista de Sexualidade Humana), o ponto no interior da vagina mais conhecido e falado é o ponto G, que nem sempre é reconhecido facilmente. O ginecologista alemão Ernst Gräffenberg (1881-1957), autor do estudo original que resultou no nome ponto G, na metade do século 20, descreveu outros 50 pontos no interior da vagina favoráveis ao prazer sexual e facilitadores do orgasmo. "Nos últimos 70 anos, não houve estudos conclusivos sobre outras áreas semelhantes", afirma Oswaldo.

No entanto, a região correspondente ao polêmico ponto Y é, na opinião de especialistas, digna de ser explorada --com os devidos cuidados, vale ressaltar. "Em teoria, trata-se de uma zona no fundo da vagina, entre o colo do útero e a bexiga. Não se trata de uma estrutura palpável ou de um órgão específico, tampouco apresenta alteração da textura. Ao ser estimulada, essa região pode ter sua lubrificação aumentada e levar a orgasmos", fala a ginecologista Nelly Kim Kobayashi, sexóloga e parceira da butique erótica Innuendo, em São Paulo (SP).

De acordo com Johnata Dacal de Paula, ginecologista da clínica Mais Excelência Médica, em São Paulo (SP), é uma área com abundante vascularização e inervação, o que explica sua alta sensibilidade. "A melhor posição para a ativação dessa zona é quando a mulher está em cima do parceiro, preferencialmente fazendo movimentos circulares. Na masturbação é uma região de difícil acesso com as mãos, por ser muito profunda, mas com a ajuda de vibradores e estimuladores pode-se descobrir o potencial da área", informa.

É necessário, como já adiantamos, certos cuidados nessa exploração, pois algumas posições ou técnicas podem incomodar a mulher ao "cutucarem" o colo do útero, uma parte bem vulnerável. "Ao tentar posições específicas que atinjam o fundo da vagina, há o risco de dor. Isso porque o pênis pode mobilizar o útero e algumas mulheres sentirão desconforto quando isso acontecer. Além disso, ao ficar procurando a região insistentemente, a mulher pode deixar de se concentrar em ter prazer e com isso, sua lubrificação diminuir, o que causará incômodo ou lesões", pontua Nelly. O mesmo vale para vibradores ou brinquedos muito robustos e/ou longos.

Entretanto, é importante considerar que existem muitas variações anatômicas entre as pessoas. O que é prazeroso para uma, não necessariamente é para outra. "É muito mais fácil se satisfazer sexualmente se tocando em todas as regiões e descobrindo quais são as que mais agradam, focando apenas no prazer, do que desenvolver uma obsessão com pontos e letras que podem apenas causar ansiedade e frustração", diz Nelly.