menu
Topo

Violência contra a mulher

Relacionamento abusivo: como ajudar mulheres vítimas de violência

Reprodução/Facebook
A advogada Tatiane Spitzner morreu após sofrer agressão do marido Imagem: Reprodução/Facebook

Luiza Souto

Da Universa

07/08/2018 04h00

Quase todos nós, infelizmente, conhecemos mulheres que sofrem agressão – física e psicológica – do companheiro, e ficamos, por vezes, sem saber como ajudar. Muito questionou-se, por exemplo, onde estavam vizinhos e amigos da advogada Tatiane Spitzner, morta após ser espancada pelo marido, Luís Felipe Manvailer, no Paraná. Por que ninguém apareceu quando ela gritou por socorro? E por que a amiga que sabia do comportamento dele não denunciou?

Até onde, e de que forma, afinal, testemunhas e amigas, podem interferir? No dia em que a lei Maria da Penha completa 12 anos, a professora da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) Ana Flávia d’Oliveira, pesquisadora sobre os temas de violência de gênero, serviços de saúde da mulher e atenção primária, ensina que em briga de marido e mulher, mete-se, sim, a colher.

Principalmente quando a situação já parece estar fora de controle há algum tempo. Aliás, o momento em que a mulher decide sair de uma relação abusiva e dizer "não" ao parceiro costuma ser a hora de maior risco para as mulheres.

Veja também

Pergunte o que ela quer

Falar simplesmente para a vítima sair do relacionamento não ajuda. Então, pergunte o que ela quer e provoque nela a seguinte reflexão: como será sua vida daqui a cinco anos? Isso a fará refletir sobre suas atitudes hoje. Segundo Ana Flávia, pesquisas comprovam que perguntar para a vítima o que ela quer tem mais resultado do que simplesmente falar para ela se separar.

Apoio incondicional

Independentemente da resposta, diga que está no lado dela. Tudo que a vítima precisa, neste momento, é sentir que tem amigos, alguém ao seu lado, e não de julgamentos. Senão ela pode se calar para sempre. A melhor ajuda, apontam pesquisas, é falar “sou contra isso, isso está errado, mas você não é culpada e estou do seu lado".

O que sua amiga realmente sente pelo companheiro?

Talvez pelo instinto materno, a mulher acredita que vai conseguir mudar, melhorar o companheiro, por ser a única que conhece sua intimidade. Pergunte, então, o que faz a vítima pensar que isso vai acontecer. Pode ajudá-la a entender o que de fato sente e enxergar que suas expectativas não serão alcançadas.

Entenda o lado dela

Quem está de fora pode não avaliar corretamente o que a vítima está sentindo: se é amor, medo, se há uma dependência afetiva. E, para quem tem filho, há ainda o temor de perder a guarda da criança. Fora as ameaças que ela deve sofrer. Então, tenha paciência e jamais faça acusações ou a julgue.

Ajude a avaliar os riscos

Em situações de extrema violência, chega a ser arriscado a mulher simplesmente pedir a separação, ir embora. O maior risco do feminicídio é na hora em que a mulher tenta sair, aponta a pesquisadora. Por isso a importância de tentar entender o lado da vítima.

Enfrente e denuncie

Se você presenciou a agressão, pode denunciar. Ou mesmo enfrentar o agressor, o que não significa apenas partir para cima. Se precisar, peça ajuda quando o caso é de agressão física. E quando ouvir, por exemplo, piada de cunho machista, presenciar comportamento inadequado, corrija a pessoa. Seja clara com o agressor de que aquilo não pode ser feito.

Você não é responsável pela vítima

Por mais que sofra com a agonia da sua amiga, você não é responsável por ela, ensina a especialista. Então, não sofra caso ela não faça exatamente o que parece ser óbvio e correto. Tenha paciência.

Nunca pergunte o motivo da agressão

Agredir, verbal ou fisicamente, não pode. Ponto! Então para que perguntar o que a vítima fez para apanhar?

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!