A mulher feijão-com-arroz

Máquina de vender livro, sucesso da TV, gata e bem esperta, a chef Rita Lobo vai te convencer que PF é legal

Juliana Linhares
Carine Wallauer/Universa

Sprezzatura é um termo da Renascença italiana que significa o domínio perfeito de uma técnica, de forma que as difíceis tarefas para executá-la pareçam completamente sem esforço, graciosas, leves. Um bom exemplo de sprezzatura é o que a bailarina faz. Seus movimentos são tão encantadores, que esquecemos das dores que a acometem.

Rita Lobo escreveu oito livros, que venderam 600 mil exemplares. No Brasil, um lançamento razoável, vende 3 mil. Pilota o programa culinário do GNT que, de tão assistido, é o escolhido pelo canal para passar, na segunda-feira, na mesma hora da novela da Globo. Nas redes sociais, Rita tem 3 milhões de seguidores. Há 20 anos, escreve cerca de 300 novas receitas, por ano. 

Rita sorri quando fala. Imita o sotaque inglês de Nigella  Lawson e seus "wonderful  ingredients". Diz que não vê a hora de chegar em casa pra tocar piano. E lá, quem cozinha é o marido, porque ela quer é tomar vinho. Fala do amor desbragado por Rod Stewart, gargalha que a filha adolescente não quer saber de sua loucura por louças e conta, numa boa, que fica esperta pra não parecer um "balão" no vídeo.

Nesta conversa, Rita martela seus mantras de que temos todos de ir pra cozinha e que "feijão com arroz é a combinação perfeita". Diz também como trabalhar com o boy e não fritar o casamento, o que serviria para Ciro, Marina, Bolsonaro e Alckmin, como não murchar diante da certeza da morte e que, tchan, tchan, tchan: "a gourmetização é positiva!".

Que bailarina, que nada, Rita é a melhor tradução de sprezzatura.

    

"Fã não julga"

Arquivo Pessoal Arquivo Pessoal

Lugar de homem é na cozinha

Paola Carosella diz que você ?é revolucionária, porque ensina a família toda a cozinhar e sair da estrutura tradicional em que só a mulher cozinha?. Esse não é um cenário possível apenas no circuito Elizabeth Arden? 
É possível, e necessário, em qualquer circuito. Nos últimos 50 anos, a gente tentou o experimento de viver de comida feita e temperada na fábrica. Em vez de arroz com feijão, a gente come lasanha congelada, no lugar de fruta, barra de cereal, e no da água, refrigerante. O resultado foi catastrófico: a obesidade virou o maior problema de saúde pública da atualidade. Está claro que a gente precisa voltar pra cozinha, mas não do jeito que era no tempo dos nossos avós. E o novo jeito é com homens e mulheres no fogão. Sem distinção de classe social. 

Sua equipe fixa de trabalho é 100% feminina, e você se orgulha disso. Não é uma espécie de machismo às avessas?
Pode ser. Não vou mentir pra você. Quem sabe, nos próximos anos, os homens dominem mais esse ambiente, ao ponto de querer contar para os outros como é entrar na cozinha. Hoje, a relação do homem com a comida é a de chef. E isso não tem nada a ver com o que eu faço. Chef faz interpretações de pratos. Eu apresento o jeito mais prático para as pessoas cozinharem o que gostam de comer. Minha equipe só não é 100% feminina porque meu marido é meu sócio (há nove anos, Rita é casada com o jornalista Ilan Kow).

Que artifícios vocês desenvolveram para que o trabalho junto não azede a relação de casal?
O principal é que a gente não trabalha no mesmo imóvel. Temos, assim, uma distância física. E, a menos que a gente combine de falar de trabalho num fim de semana, em casa, os assuntos são outros. Temos personalidades complementares, o que também ajuda. Eu saio fazendo as coisas e ele pensa em estratégias. E, bom, em casa ele cozinha muito mais do que eu. Já fico tempo demais com cheiro de cebola. Prefiro tomar vinho.

Carine Wallauer/Universa Carine Wallauer/Universa

Cozinhar em casa? Prefiro tomar vinho.

Rita Lobo

Que tal nós dois?
Rita vai lançar um livro, em agosto, que promete uma pimentinha. "Esse vai ensinar a cozinhar a quatro mãos", revela. "Muito casal não consegue fazer isso. Especialmente, se um sabe cozinhar muito melhor que o outro. Vira enciclopédia, "faz assim, melhor assado". O foco será especialmente os jovens casais, para que eles "aprendam e gostem de cozinhar juntos".

Pulo da gata
Nas minhas receitas, não tem a expressão "refogue a cebola". E sim, corte a cebola em cubos, ponha um fio de azeite na frigideira e tal. Mesmo com muitos leitores que sabem perfeitamente o que é refogar, não tenho reclamações sobre ser didática. E eu ensino a fazer o que a pessoa gosta de comer. Um grande sucesso é massa de pizza. Já o rabanete gratinado...

Aposta arriscada
Sigo meus impulsos. Quando comecei a escrever, diziam: "no Brasil não se ganha dinheiro com livro; sai dessa". Escrevi, eles são bestsellers e, sem modéstia, ajudei a abrir um mercado que não existia no país. Os livros são uma fatia importante da minha receita financeira - que não digo quanto é porque essa é uma informação de bastidor.

Ela faz mágica
O programa é gravado em 12 horas seguidas, num estúdio sem janela ou ar-condicionado, se não, murcha bolo e resseca carne. São 15 pessoas trabalhando, suando, e a gente ri, canta, dança - o Uber deve nos odiar porque a gente tem um cheirinho...Essas cenas viram bastidores. Na internet, soube de gente que os detesta, e diz: "tem 15 pessoas aí? Achei que era só você, na sua casa". Os bastidores acabam com a magia. Devo tirá-los.

Carine Wallauer/Universa Carine Wallauer/Universa

O programa é gravado por doze horas seguidas, num estúdio de pé direito baixo, sem janela e com o ar-condicionado desligado. Somos umas quinze pessoas cozinhando e suando.

Rita Lobo

Arquivo Pessoal Arquivo Pessoal

Pode: amigos dos quatro filhos em casa. Não pode: celular na mesa

Você é das mães que não gostam que elogiem os filhos pela beleza; uma vez que ser bonito não é algo que exija esforço?
Meus filhos são todos gênios e lindos (Rita é mãe de Dora e Gabriel). Pode elogiar à vontade, hahaha. Meu pai é um sujeito muito divertido e do contra. Toda vez que falo pra minha filha ?coisa liiinda da mamãe?, ele vem por trás e diz ?nem tanto?.

Você tem um casal de filhos jovens e seu marido, duas meninas. Sua casa é um pequeno inferno adolescente?
Tenho o maior prazer de que a minha casa seja a casa em que os amigos dos meus filhos mais gostem de ir. Acho demais a mesa cheia de amigos deles. Lá, a regra é: ninguém precisa pedir pra levar amigo. Só avisar.

Mães que trabalham muito costumam dizer que, para não perder a convivência com os filhos, fazem questão de que ao menos no jantar a família se sente junta. Mentira, não; quem consegue fazer isso?
Muitas vezes essa hora acontece no café-da-manhã. No meu caso, organizei a vida de trabalho toda perto de casa. Tudo é no máximo a cinco quarteirões. Na infância dos meninos, dava pra almoçar com eles todo dia. Agora que são esses adolescentes absolutamente lindos e geniais, ouço: ?ué, que cê tá fazendo aqui??. 

O que não pode na mesa de refeições?
Celular. E, quando esqueço e uso, eles falam ?se você pode eu também posso?.

O que sua mãe fez com você que você faz 100% diferente com sua filha?
Meus pais, por proteção e medo, falavam ?não faz isso, fica aqui mesmo, não vai dar certo?. Com a minha filha, digo ?vai fundo, que vai dar certo?. Agora, se você conversar com ela, vai ouvir ?minha mãe não me deixa fazer nada?. Dia desses, chegou uma caixa de louças em casa, pirei, e falei, ?Dooora, vem ver!?. Ela respondeu ?mãe, você precisa entender que os meus interesses não são os mesmos que os seus?, hahaha

Carine Wallauer/Universa Carine Wallauer/Universa

Dia desses, chegou uma caixa de louças em casa, pirei, e falei, 'Dora, vem ver!!'. Ela me respondeu 'mãe, você precisa entender que os meus interesses não são os mesmos que os seus', hahaha.

Rita Lobo

Balão na televisão
Presto muita atenção no figurino, porque posso virar um balão no vídeo. Meu microfone fica nas costas, então, não uso roupa justa para não parecer uma deformação. E não gosto de roupa decotada e de cozinhar de braço de fora. Prefiro um casaquiiinho, sabe?

O tom a mais
Eu não me acho uma pessoa sexy. No dia a dia, minhas roupas são largas, gigantonas e só bege, cinza, branco, preto e jeans. Mas na TV é diferente; tem uma coisa que é o tom a mais. Você tem que falar num tom mais alto, gesticular mais, usar cores; se não, fica  chato.

Chef de TV é sempre sexy?
Isso é muito específico da Nigella (Lawson, apresentadora inglesa), que é uma mulher que gosta de ser sexy. Martha Stewart, Rachael Ray, as grandes cozinheiras da TV americana, não são assim. Eu adorava o programa "Two Fat Ladies".

"Meus livros são bestsellers"

A gourmetização é positiva!

Durante muito tempo, cozinhar era coisa só de dona de casa ou de empregada. E a goumetização fez o cara querer se exibir; agora ele faz risoto no fim de semana. Ela deu uma enobrecida na coisa e funcionou como uma porta de entrada da cozinha pra muita gente. Cozinhar é como ler e escrever: todo mundo aprende. Minha mãe é antropóloga, e de uma geração em que ir para o fogão era sinal de submissão. Ela então, nunca aprendeu a cozinhar e, claro, não me ensinou. Mas eu aprendi, porque entrei num curso, quando tinha 18 anos, e me apaixonei. 

Quando se tem um amor escondido

Tocando o terror

Qual é o segundo assunto que te dá mais tesão? Hoje, piano. Tocava quando era pequena e, há pouco tempo, comprei um. Todo dia, não vejo a hora de voltar pra casa e tocar. Estou estudando partitura. Pros outros moradores da casa não é algo muito agradável.

Toca Rooood

Se pudesse sentar num sofá com qualquer pessoa do planeta e fazer um monte de perguntas, quem seria ela? O Rod Stewart, claro. Porque fã não julga, hahaha. É um amor profundo. Fui a vários shows e o conheci, pessoalmente, aqui no Brasil. Não tive condições de falar com ele.

Batalha de cozinheiras

Ricardo Borges/Folhapress Ricardo Borges/Folhapress

Bela Gil: mesmo objetivo

Eu e a Bela Gil (apresentadora mais natureba, também do GNT) temos uma coisa igualzinha, que é o objetivo de levar todas as pessoas para a cozinha. Isso é evidente no trabalho dela e é evidente no meu. E nós somos amigas.

 Christian von Ameln/Folhapress Christian von Ameln/Folhapress

Nigella: a voz

Em comum, temos uma voz. Ela tem humor, conta história, e os fãs reconhecem essa voz quando ela manda por "só uma colher de água de rosas na receita, para não parecer a banheira da sua tia-avó". Adora ser essa mulher sexy, que fala "wonderful ingredient". Sou zero sexy.

Keiny Andrade/Folhapress Keiny Andrade/Folhapress

Para Nina Horta, você é 'imaculada, perfeita'. É?

Não sou. Minha qualidade é ouvir e dar solução. Vi que achavam que sem glúten e lactose era sinônimo de saúde. Então ensinei: leia o rótulo e, se tiver ali nome que você não tem na cozinha, não é comida real. "Orgânico, caseiro": é mentira.

Reprodução Instagram Reprodução Instagram

Comer, como se não houvesse amanhã

É como todas nós: em viagem, come tudo, engorda e depois faz regime?
Em viagem, fico sem limites. Passei 15 dias em Portugal recentemente e nesse tempo engordei três quilos. Tomei vinho, comi pão, doce, queijo e bacalhau como se não houvesse amanhã. Mas eu não faço regime. Quando voltei, tirei sobremesa e reduzi quantidades. Pra mim, isso já funciona. Tenho uma família magra e genética é fator decisivo. 

Um chef japonês me disse que o que os brasileiros mais erram na hora de comer sushi é (não colocar cream cheese e maionese nos bolinhos, como eu pensava) a quantidade. Ele se assustou com as barcas. O que mais a gente faz de errado com comidas estrangeiras?
Olha, um tomate italiano é criado sob um sol árido e, por isso, fica bem carnudo. Já o brasileiro é plantado numa terra bem fértil e, assim, fica muito mais hidratado. Então, não é o mesmo ingrediente, o que faz com que as receitas fiquem diferentes mesmo. A graça é adaptar. Fala-se muito que a dieta mediterrânea é a melhor pra saúde, porque tem azeite, vinho. Ela tem essa fama porque leva em consideração os alimentos que existem ali. Desse modo, para quem mora no Brasil, a melhor dieta é a do arroz com feijão. 

Sério? Arroz com feijão não é muito...arroz com feijão?

Essa é uma combinação muito poderosa. Dos 20 aminoácidos existentes, o feijão tem 19. E o arroz tem aquele que falta. Faz centenas de anos que comemos essa dupla, e se ela não fosse tão espetacular, não estaríamos aqui. Não aguento essa mania de não comer arroz "porque engorda".

"Não sou uma pessoa sexy"

Políticos? PF neles. Não aquela

Quem é o político brasileiro que mais fez coisas boas na seara da alimentação?
Foi o ministro da Saúde de 2014, Arthur Chioro, que teve a coragem de publicar o Guia Alimentar para a População Brasileira. Esse guia é referência no mundo. Foi o primeiro documento oficial a classificar os alimentos por grau de processamento, a falar de divisão de tarefas e da importância de cozinhar para ter uma alimentação saudável.

Que prato cozinharia para os principais pré-candidatos à presidência, Ciro, Bolsonaro, Marina e Alckmin? 
Além do chuchu refogado? Ai, bicho, eu não cozinharia para nenhum político. Não, mudei de ideia. Serviria o mesmíssimo prato pra todos eles: um PF com farofa de banana, couve bem fininha com bastante alho e um ovo frito.

Concorda com a legislação sobre o aborto, que só prevê legalidade em caso de estupro, risco para a mãe e feto anencéfalo?
Eu, não. Nos países em que foi legalizado, o número de abortos diminuiu. Eu não fiz. E acho que é uma irresponsabilidade do Estado obrigar uma mulher a ter um filho que ela não quer.

Carine Wallauer/Universa Carine Wallauer/Universa

O que serviria para Ciro, Alckmin, Bolsonaro e Marina: "Um PF de arroz, feijão, farofinha com banana, couve bem fininha com bastante alho e um ovo frito"

Rita Lobo

Pensando na vida

Separar dói

A coisa mais sofrida que me aconteceu foi a minha separação (do primeiro marido). Ela foi muito prolongada, dificílima, e tinham as crianças, que eram pequenas.

Gente grande, eu?

Acho meu pai superinteligente, minha mãe, culta, e isso me dá a sensação de que eles são gente grande, e eu, moleca. Daí não penso muito na minha morte.

E de sobremesa...

Pergunta mais importante da entrevista: como perder dois quilos até sábado?
Corta tudo que não é comida de verdade. Tipo, barrinha de cereal, não, come banana. Tempero pronto, não, porque é cheio de sal, açúcar e gordura. Outra coisa: bata um pratão no almoço e outro no jantar; nada dessa onda de comer a cada três horas. Não adianta comer saladinha, porque você não engana seu organismo: pouco tempo depois, você vai estar louca e comendo tudo.

+ Rita

Veja a versão estendida da entrevista com Rita Lobo no YouTube. 

Curtiu? Compartilhe.

Topo