menu
Topo

Violência contra a mulher

37% das mulheres foram assediadas no trabalho após #MeToo, diz pesquisa

Getty Images
Imagem: Getty Images

Da Universa

27/09/2018 10h45

Um ano após a revelação das acusações de abuso e estupro contra o produtor Harvey Weinstein e do surgimento do #MeToo, o assédio sexual em ambientes de trabalho não recuou. É o que indica a pesquisa do escritório de advocacia Slater  and  Gordon, da Austrália.

Segundo a entrevista com 2 mil mulheres, nos últimos 12 meses, 37% das entrevistadas disseram ter passado por episódios de assédio e 39% relataram ter testemunhado abusos contra colegas, que se sentiram desconfortáveis, amedrontadas, violadas, degradadas, intimidadas, envergonhadas ou deprimidas após o assédio.

Veja também

A pesquisa afirma que a maioria dos abusos são cometidos por homens e 28% declaram ainda terem um "Weinstein" em seus ambientes de trabalho.

Entre os casos mais comuns estão os comentários e/ou comportamento abusivo (16%), seguido de condutas explícitas de abuso e sexismo (11%). Somente 21% denunciaram seus abusadores.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!