menu
Topo

Mulheres inspiradoras

Conheça a queniana que dedicou sua vida a salvar bebês de elefante órfãos

Reprodução/Twitter
Daphne Sheldrick, a "mãe dos elefantes" Imagem: Reprodução/Twitter

da Universa, em São Paulo

14/04/2018 13h50

A queniana Daphne Sheldrick, conhecida pelo seu trabalho de resgate e proteção dos animais selvagens, especialmente os elefantes, morreu nesta quinta, 12, aos 83 anos em decorrência de um câncer de mama. 

Impressionante, no entanto, foi a vida que Daphne levou. Ela se tornou uma inspiração para ativistas de direitos animais no mundo todo por "adotar" — e salvar a vida — de mais de 230 bebês de elefantes com uma fórmula de leite que desenvolveu ao longo de 28 anos.

Daphne foi a responsável por recuperar a saúde de filhotes que perderam suas mães, muitas vezes, pela seca que atingia os territórios do país ou através da caça predatória.

Veja também

Nascida e criada no Quênia, Daphne trabalhou lado a lado com o marido, o britânico David Sheldrick, também para fundar a maior reserva do país, Tsayo East.

Depois da sua morte, em 1977, ela fundou o "David Sheldrick  Wildlife  Trust", uma instituição conhecida pelo seu trabalho de resgate de elefantes órfãos, que recebem cuidados até que possam ser reincorporados à vida silvestre.

Em 2006, a rainha Elizabeth II reconheceu a importância do trabalho de preservação de Daphne ao torná-la Dama do Império Britânico.

Daphne pesquisou, durante toda a sua vida, o impacto da ação humana na natureza, publicando diversos livros. Em 2016, uma entrevista sua repercutiu um dado catastrófico: caso o ritmo de caça predatória de elefantes continue o mesmo nos próximos anos, o elefante-africano será extinto em 2025.

"Ela fará falta, mas nunca será esquecida; e isso é o que mais lhe confortava em suas últimas semanas de vida", escreveu a filha, Angela, após a morte de Daphne.

"Saber que sua memória e seu trabalho continuariam com os passinhos de bebês-elefante por gerações e que o projeto em que foi pioneira já fez tanto pela vida silvestre, saber que ela fez a diferença, [isso lhe confortava], afirmou.