menu
Topo

Relacionamentos


Relacionamentos

Tuy e Biel: casal fala de sexo e relacionamento liberal no YouTube

Arquivo Pessoal
Tuy e Biel são donos do canal Sensualise Moi, que tem quase 900 mil inscritos Imagem: Arquivo Pessoal

Talyta Vespa

Da Universa

2019-04-08T04:00:00

08/04/2019 04h00

Tuyanne Potasso e Gabriel Vaz se conheceram no finado Inferno Club, principal balada de rock na Rua Augusta, centro de São Paulo, há sete anos. Ele estava no aniversário da ex, ela, tentando se recuperar de um fora. "Eu coloquei na cabeça que, naquela noite, só beijaria homens cabeludos", conta Tuy. "Que bom que eu ainda não tinha cortado o cabelo", brinca Biel.

A dupla é dona do Sensualise Moi, canal de sexo e relacionamentos feito por um casal, e vai ministrar um curso sobre relações abertas e liberais ainda esse mês. O canal, que tem 853 mil inscritos, foi criado para divulgar ensaios sensuais que o casal de fotógrafos fazia. Com o tempo, Tuy e Biel entenderam que poderiam ajudar pessoas contando as próprias experiências -- e ainda ganhar dinheiro com isso.

"Não pensávamos em falar sobre a gente, aconteceu naturalmente. Gravamos o primeiro vídeo falando do nosso relacionamento depois de seis meses de canal. E bombou", diz Tuy.

O casal já fez cursos de saúde e educação sexual. "Quando crianças de dez anos começaram a nos procurar com dúvidas sobre sexo, entendemos que tínhamos um limite. Precisávamos de embasamento, nossa experiência pessoal não era o suficiente. Então procuramos o curso no Instituto Casal Tessarioli", conta a jovem.

Além do dinheiro pago pelo YouTube, Tuy e Biel recebem por parcerias, palestras, cursos, vendas de acessórios e eventos. "Trabalhamos com o canal 24 horas por dia. Não temos folga nem no Natal. Essa é nossa principal fonte de renda, dá para ganhar dinheiro, e a gente ganha. Mas, para isso, precisamos trabalhar muito".

Relacionamento liberal não é putaria

Entre os temas destacados no canal, sexo e relacionamento liberal são os que rendem os vídeos mais assistidos. Eles garantem: "Não temos um relacionamento aberto, mas um relacionamento liberal. Transamos com outras pessoas desde que estejamos juntos. E só rola se a pessoa estiver interessada em nós dois. Se ela quiser ficar só com um de nós e ficar com o outro por obrigação, a gente brocha. Não funciona", conta Biel.

Foi assim que o casal conheceu o ex-namorado, com quem manteve um relacionamento a três por um ano. "Terminamos porque eu tive muita dificuldade de lidar com isso. Ele, incialmente, era gay, então eu tinha ciúme dele com o Biel. No começo, achava que ele gostava mais dele do que de mim. A gente brigava muito. Depois do término, fiz terapia e descobri que, na verdade, esse relacionamento trouxe à tona um trauma de infância: os meninos se aproximavam de mim para conquistar minhas amigas. Inconscientemente, achei que pudesse estar acontecendo o mesmo", diz Tuy, e pede que Universa não divulgue o nome do ex.

"Foi bom para que eu entendesse que esse trauma ainda existe e pudesse tratá-lo. A gente sente muita falta dele. Tivemos que reaprender a ter um relacionamento a dois e não pretendemos incluir mais uma pessoa só para preencher esse buraco", conclui.

Expor para os seguidores a novidade de ser um trisal foi complicado. "Esperamos chegar a sete meses de namoro para contarmos. E fomos bombardeados por haters. Uns diziam que eu era corna, outros, que o Biel era. Todos os xingamentos que nunca havíamos recebido chegaram de uma vez. Foi bem difícil. As pessoas achavam que estávamos nos aproveitando dele, mas que não o amávamos. Que um usava o outro como marketing", diz.

Exposição e família

Agora como um casal de dois e há três meses morando na mesma casa, a dupla dribla a rotina típica do casamento para apimentar a relação. "A gente se respeita e respeita nossas fases. Às vezes a gente não quer transar, às vezes queremos transar muito. Temos muita liberdade para falar sobre vontades e a falta delas. O que a gente faz é não tentar manter o mesmo sexo de sete anos atrás. Aprendemos sobre massagem tântrica, estudamos fetiches, e aplicamos isso dentro do nosso relacionamento", conta Tuy.

A família não questiona (mais). Tuy conta que a mãe ficou reticente quando soube que a filha namorava dois homens. Com o tempo, ela entendeu e respeitou. A família de Biel, ele garante, não fala sobre o conteúdo do canal. "Nem sei se eles assistem, mas ninguém me cobra de nada. Fica cada um na sua".

A interação com os seguidores: festas e pipoca em casa

"Temos um grupo no WhatsApp com os principais seguidores do canal, marcamos festas, cinema e até jantar em casa para papear. Ficamos amigos, valorizamos muito essa troca", diz Biel.

A amizade nem sempre acontece sem querer. Biel afirma que, como a prioridade do casal é transar com amigos, muitas pessoas forçam amizade com o intuito de chegar à cama da dupla. Nem sempre funciona. "A gente sabe quando é forçado. O lance é que seja natural, e nada melhor que estar próximo de quem nos acompanha. Tem youtuber que menospreza os fãs. Eu sempre digo: sem seguidores, um youtuber não seria nada".