menu
Topo

Relacionamentos


Relacionamentos

Casamento vai mal? Veja quando vale a pena levar a relação para o divã

iStock
Terapia de casal pode salvar sua relação Imagem: iStock

Roberta Filgueiras

Colaboração para Universa

04/02/2019 04h00

Terapia de casal é um tema polêmico. Afinal, muita gente encara a procura de um especialista como último recurso. Porém, essa pode ser uma ótima escolha para conquistar um relacionamento mais equilibrado e feliz. "O terapeuta funciona com um facilitador para o diálogo e a negociação. Ajuda o casal a não repetir padrões, os mesmos conflitos, as mesmas acusações e as mesmas soluções ", explica Cristina Villaça, especialista em terapia relacional sistêmica.

Segundo Ailton Amélio da Silva, professor de psicologia da Universidade de São Paulo (USP), é importante lembrar que a existência de conflitos em relacionamentos é natural e que, muitas vezes, casais, especialmente os que estão juntos há muito tempo, passam por crises que conseguem resolver sozinhos. Mas será que o problema está persistindo e o casal está parado no mesmo ponto? 

"A terapia é indicada para quem está com dificuldade de superar desafios que estão gerando insatisfação e sofrimento, mas não quer desistir da relação. Ela também pode ser vista como uma chance de aperfeiçoamento, um meio para que os dois aprendam a usufruir melhor da presença do outro" 

Para a psicóloga Marina Simas de Lima, do Instituto do Casal, quanto antes o casal buscar ajuda de um profissional, maior são as chances de reequilibrar a relação, pois ainda não há acúmulo de mágoa e ressentimento. "A maioria dos casais procura terapia quando já se instaurou o caos, mas o acompanhamento pode ser feito como algo preventivo e cuidadoso, quando uma das partes percebe que o casal não está vivendo uma relação de ganha-ganha", afirma.

Motivações mais comuns

  • brigas frequentes ou intensas
  • críticas excessivas 
  • desrespeito
  • agressões físicas ou verbais
  • questões antigas não resolvidas
  • traição
  • insatisfação sexual
  • dificuldade relacionada à família
  • problemas financeiros
  • diferenças entre objetivos e metas da vida
  • esvaziamento da relação, quando a presença do outro perde sentido, relevância e seu poder de estímulo, quando há o sentimento de indiferença
  •  filhos e as mudanças de dinâmica do casal em relação às crianças

Hora de falar sobre o tema

Sugerir algo novo sempre exige um cuidado. Para Ailton, o melhor caminho para propor a terapia de casal é dizer como se sente, sem culpar o outro, deixar claro que valoriza relação, quer permanecer no relacionamento, mas que os dois não estão conseguindo superar algumas questões e que isso está gerando dor e sofrimento. "Não use o tom de ameaça e procure um bom momento, nunca no meio de uma briga", indica Cristina.

Caso haja resistência por parte do parceiro ou parceira, o ideal é convidar para um teste, uma conversa apenas para conhecer o profissional e ver como funciona. "Explique que é um investimento que deseja fazer e que acredita que vai trazer benefícios para a relação. No começo, uma das partes pode vir meio empurrado, mas, depois, quebramos essa defesa e o processo passa a ser proveitoso e produtivo para os dois", aconselha Marina.  

Segundo Ailton, se uma das partes está chegando a seu limite, é importante buscar ajuda mesmo que o parceiro ou parceira não queira. "Às vezes, a pessoa acaba recorrendo à terapia individual e parte para a de casal depois que o companheiro percebe mudanças. A reflexão proposta pela terapia leva a ação, a transformação, o casal percebe logo diferenças na própria vida", relata Cristina.

A proposta da terapia de casal e individual é diferente, mas elas têm relação entre si. "A terapia de casal busca trabalhar temas pertinentes à relação, que dizem respeito aos dois. Às vezes, não é preciso mexer em assuntos pessoais profundos. Porém, em casos em que há uma questão que diz respeito a uma das partes, a pessoa é encaminhada para um acompanhamento individual para que lide com isso de forma focada e atenciosa", explica Ailton.

A terapia não é necessariamente um processo prolongado, pode ser apenas durante um período de transição ou para trabalhar um assunto especifico. "A proposta é acompanhar o casal por tempo suficiente para que os dois se sintam seguros para administrar suas questões sem um mediador", explica Cristina. 

Todo mundo pode fazer

Hoje em dia existem muitos canais para encontrar um terapeuta, há opções de atendimento online, clínicas sociais e diversos perfis de profissionais. "Não tem porque não procurar ajuda quando o sofrimento é diário e, muitas vezes, gera até sintomas físicos. Os ganhos são muito grandes, a pessoa melhora suas habilidades de diálogo e escuta, consegue resolver questões de uma forma mais eficiente e respeitosa e fica mais feliz", defende Cristina.