menu
Topo

Diversidade


Megg Rayara, travesti e doutora: "Preconceito expulsa trans das escolas"

Arquivo Pessoal
A professora Megg Rayara na bancada de doutorado, na UFPR (Universidade Federal do Paraná) Imagem: Arquivo Pessoal

Natália Eiras

Da Universa

12/02/2019 04h00

Em 2017, Megg Rayara Gomes de Oliveira se tornou a primeira travesti negra a receber o título de doutora pela UFPR (Universidade Federal do Paraná). Apesar de orgulhosa, a professora sabe que o fato de só agora uma pessoa como ela ter recebido este diploma é um problema. "Eu falo isso em tom de denúncia. Como, em mais de 100 anos de instituição, eu sou a primeira da minha categoria a ser doutora pela UFPR? É uma vergonha", diz à Universa. Ela acredita que a arma para mudar esta realidade seria os livros, mas a transfobia está no meio do caminho. "O preconceito expulsa pessoas trans das escolas", diz. Por isso, ela vai ser uma das professoras de um curso interno que a universidade de Curitiba (PR) vai dar para seu corpo docente a fim de capacitá-los para lidar com alunos LGBT. 

De acordo com levantamento feito em 2017 pela RedeTrans (Rede Nacional de Pessoas Trans do Brasil), 82% das mulheres transgêneros e travestis abandonam o ensino médio entre os 14 e os 18 anos. O ambiente considerado hostil e o bullying são, de acordo com Megg, as principais razões para que estas pessoas se sintam "expulsas" da escola. "Ela precisa sobreviver até a escola e à escola", reflete Megg. Por isso, seria importante que os professores discutam questões de gênero e sexualidade entre si. "A gente percebe que professores podem cometer equívocos por falta de informação. E aqueles que são preconceituosos usam o desconhecimento como desculpa, por isso precisamos fazer essa capacitação", explica a doutora em educação. 

Respeitar o nome social do aluno seria um dos passos mais importantes para tornar a escola mais inclusiva. "Se você vir uma pessoa com aparência feminina, não fique tentando descobrir a biologia dela. Pergunte como ela se chama. O nome que está na lista de chamada é o que tem que ser respeitado", aconselha. O uso do banheiro também deve ser revisto pelo estabelecimento escolar. "Por exemplo, em 2017, foi uma vitória que o ENEM deixasse os candidatos usarem o nome social, mas muitas meninas abandonaram a prova porque não conseguiram usar o banheiro feminino por não estarem com o RG atualizado", diz. 

Além de ajudar a evitar situações como as descritas anteriormente, as aulas do curso de capacitação também devem ajudar o corpo docente a compreender como a homofobia, lesbofobia e transfobia são obstáculos que pessoas LGBT precisam vencer para estar dentro de uma universidade. "Tem professores que usam a minha história como exemplo para dizer que não existe o racismo e a transfobia. Eles esquecem os desafios que tive que ultrapassar", afirma. 

Exilada no pátio da escola

Antes de começar o doutorado, Megg Rayara foi, por sete anos, professora de educação artística no ensino público. Ela lidava principalmente com alunos do ensino fundamental. Há quem ache que o terror para um professor seria uma sala de alunos travessos, mas Megg conta que se sentia mais confortável com as crianças e adolescentes do que com seus colegas de trabalho. "Os estudantes são mais maleáveis, porque a figura do professor já vem vestido de autoridade. A resistência era por parte dos outros professores", narra. 

Os colegas de trabalho de Megg insistiam em chamá-la pelo pelo nome masculino. "A minha identidade de gênero não era respeitada, então eles se referiam a mim no masculino. Era vista como a bicha preta da escola e tive que fazer muitas estratégias de convencimento para mostrar que sou uma pessoa capaz", ela conta. 

Por isso, nos intervalos das aulas, evitava a sala privada do corpo docente e preferia passar o tempo no pátio de escola. "Era onde eu me sentia mais acolhida. Via que os alunos LGBT e negros se viam em um espelho em mim, então eles se sentiam à vontade para trazer suas demandas até mim. Mas também tive alunos evangélicos que sempre me trataram de forma muito respeitosa. Muitos são meus amigos nas redes sociais e acompanham a minha militância em prol de um espaço educacional mais plural", fala. 

A mesma dinâmica se repete na universidade, mas de outra maneira. "Eles se sentem incomodados com a minha presença nos cursos de formação de professores e professoras, porque eu não atendo aos padrões. Tive muitos enfrentamentos, tem professores que não me cumprimentam até hoje pelos corredores. Não estão dispostos ao diálogo, porque parece que estou contaminando esse espaço", desabafa. 

A educação seria um fator transformador tanto para as pessoas transgênero como para a sociedade em geral. "A escola precisa capacitar trans e travestis para exercer as funções que eles quiserem e preparar as pessoas para lidar com a diversidade", diz Megg. "A navalha mais afiada contra a transfobia é o conhecimento".