menu
Topo

Sexo


Sexo

Lambida no ouvido? 5 preliminares que podem ser controversas na cama

iStock Images
"Liquidificador" no ouvido tem adeptos e "haters"; veja outras preliminares que são polêmicas Imagem: iStock Images

Natália Eiras

Da Universa

11/02/2019 04h00

Todo mundo gosta de uma mordida no pescoço, certo? Não exatamente. Cada pessoa responde a um estímulo de uma maneira diferente. Por isso, seguir um roteiro pré-estabelecido nas preliminares pode ser muito arriscado. Afinal, "brincadeiras" básicas podem desagradar o seu parceiro. "Preliminares sempre têm que ser sutis", fala a sexóloga Vanessa Inhesta, de São Paulo (SP). 

Fazer experimentos pode ser uma boa forma de descobrir o que a pessoa gosta, tateando as zonas erógenas. "É importante ir perguntando. Pode parecer invasivo, mas é o jeito de saber. Além de ir testando aos poucos", complementa a especialista. 

Para você não ir para a cama cheia de certezas que não valem nada, a Universa pontua algumas preliminares que podem ser controversas. Elas exigem uma certa "cautela" na hora de colocar em prática para que seu parceiro ou parceira também curta o momento: 

1. Língua na orelha

Uma lambida no lóbulo da orelha é de arrepiar a nuca, mas é melhor dar uma segurada na língua exploradora. "Língua no ouvido pode nem ser considerada preliminar, é tortura mesmo", brinca a assistente comercial Barbara Lima, 30, de Porto Velho (ES). A jovem acredita que a preliminar é meio "infantil". "O meu ouvido não é uma zona erógena e a sensação que fica é a mesma que rolava quando a gente molhada o dedo e enfiava na orelha do amigo para 'zoar'", explica. Por isso, a sutileza é palavra-chave quando quiser explorar os lóbulos de seu parceiro. E preste atenção na linguagem corporal dele. Recuou? Recue também.

2. Brincadeiras no mamilo

Mamilos são polêmicos inclusive na hora do sexo. Tem gente que ama que sejam estimulados, outras pessoas sentem agonia e há, ainda, quem não tenha sensibilidade nenhuma na região. É o caso da estudante de mestrado Vanielle Vicente, 23, de Guarulhos (SP). "É visualmente prazeroso, mas eu não sinto nada na região, então nem precisa ficar ali muito tempo", ri a paulistana. Por sua vez, a designer Ariane Barbosa, 30, de Porto Alegre (RS), tem os mamilos hipersensíveis, mas não positivamente. "Eu fico com aflição e faço logo o cara mudar de preliminar, porque eu não aguento", diz a gaúcha. 

3. Mordidas e apertões

De acordo com Vanessa Inhesta, muita gente curte uma preliminar com uma pegada mais agressiva, com tapas e mordidas que deixam marcas na pele. "Mas essas pessoas costumam falar que gostam", esclarece a sexóloga. O ideal é ter uma conversa sobre fetiches e prestar atenção nos sinais antes de cair "de boca" ou "no tapa" com o parceiro na cama. Ariane tinha um ficante que deixava hematomas em seus braços. "Na hora até era gostoso, mas não curtia ficar me preocupando em esconder os hematomas da noite anterior", afirma a designer. 

4. Muita sede no clitóris

Filmes pornográficos costumam mostrar atores musculosos sugando o clitóris com força. Este tipo de sexo oral agrada as pessoas que curtem brincadeiras com pegada forte, mas pode deixar muita gente desconfortável. "Eu tinha uma namorada que puxava bastante e eu não falava nada. Mas um dia ela fez com tanta força que eu tive que colocar gelo na região para lidar com a dor no clitóris", narra a jornalista Elisa Soupin, 30, do Rio de Janeiro (RJ). Assim, é preciso usar a mesma abordagem das mordidas e tapas antes de fazer sexo oral mais agressivo. Caso não tenha certeza, é melhor fazer uma espécie de beijo molhado no clitóris, que não tem erro. 

5. Dedinho nervoso

Muitas mulheres reclamam que seus parceiros não sabem estimular corretamente o clitóris com as mãos. "Tem gente que vai esfregando a mão como se fosse um raspadinha da lotérica", brinca Barbara Lima. Ficar penetrando os dedos sem estimular a vulva também pode não dar nenhum prazer. Deixe que a mulher guie a sua mão para descobrir qual é a forma mais eficaz de massagear o clitóris, porque não há apenas uma forma de masturbação.