menu
Topo

Relacionamentos


4 situações em que as preliminares podem ser uma tortura

Getty Images
Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

28/10/2017 04h00

As carícias pré-sexo são extremamente necessárias para homens e mulheres entrarem no clima. Dependendo de como e com quem são feitas, porém, acabam mais irritando do que excitando. Descubra por quê e saiba como driblar os incômodos.

SEXO ORAL

Problema: excesso de entusiasmo e falta de perícia.

Consequência: dor intensa no clitóris e dentes arranhando e até arrancando sangue do pênis.

Solução: às vezes não adianta só gemer, porque a pessoa pode confundir os sons de lamúria com murmúrios de prazer. Justamente por serem ricos em terminações nervosas, o clitóris e a glande são muito sensíveis. Melhor do que abrir o jogo e avisar que daquele jeito não está rolando é mostrar como o par deve fazer. Tanto homens quanto mulheres podem usar os dedos e as mãos para mostrar como gostam de ser chupados ou sugados. Um bom lubrificante à base de água ajuda a tornar tudo mais gostoso.

MASSAGEM

Problema: se os toques forem muito lentos, não vão excitar.

Consequência: a pessoa vai ficar sonolenta ou, pior ainda, irritada. O efeito é potencializado se o ar estiver impregnado de algum aroma do tipo relaxante, como lavanda, chá verde ou flor de laranjeira.

Solução: avise para a pessoa que quer uma pegada mais forte. Outra ideia é pedir que o par, em vez das mãos, use o próprio corpo - pernas, bumbum, seios, pênis ou vagina - para massagear cada pedacinho seu. Géis de massagem do tipo hot/ice, que alternam as sensações de quente e frio, são uma boa pedida para manter os envolvidos bem despertos, assim como velas beijáveis com sabor de chocolate. 

ESTIMULAÇÃO NOS MAMILOS

Problema: são três os tipos de contratempo, na verdade. O primeiro é que nem todo mundo curte esse tipo de preliminar. O segundo é que muita gente se empolga e transforma as sugadinhas em mordiscadas assassinas, puxando os bicos com força. E, por fim, há quem faça do momento uma regressão à infância e se dedique a mamar desgovernadamente, sem para.

Consequência: uma agonia sem fim, nos três casos.

Solução: puxe a pessoa para cima com calma, para evitar que os dentes machuquem seus mamilos, e a beije na boca até perderem o fôlego. Ou engate uma carícia ou posição que mantenham a região bem longe dos lábios do par.

LAMBIDAS

Problema: em áreas como solas, parte interna das coxas, costelas e até na região anal, podem provocar cócegas. E, vale lembrar, é sempre bom sondar COM PALAVRAS antes de cair de língua nos dedos dos pés ou no ânus de alguém.

Consequência: um ataque de riso ou de ódio, seguido da necessidade de começar a criar o clima novamente.

Solução: provavelmente o par já vai se mancar que não está agradando quando você puxar o pé ou se revirar na cama. Drible a decepção propondo alguma coisa bem quente ou mostrando onde exatamente quer as lambidas.

FONTESCátia Damasceno, especialista em sexualidade do site Mulheres Bem Resolvidas; Cristiane Moraes Pertusi, doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano pela USP (Universidade de São Paulo), e Samantha Feehily, jornalista e apresentadora do Programa Estressadas, do YouTube