menu
Topo

Beleza


Parabenos: entenda riscos e controvérsias por trás desses conservantes

iStock
Os parabenos estão presentes nos mais diversos produtos, de shampoos e maquiagens à hidratantes, desodorantes e produtos infantis. Imagem: iStock

Luana Kondrat

Colaboração para Universa

24/12/2018 04h00

No universo da beleza, basta olhar para as embalagens para perceber que os parabenos estão presentes nos mais diversos produtos, entre eles xampus, maquiagens, hidratantes, desodorantes, loções cremosas e itens infantis. Mas, afinal, o que são?

Usados há mais de 50 anos, os parabenos são produtos químicos que inibem o crescimento de microorganismos -- bactérias e fungos -- em cosméticos, alimentos, entre outros produtos, explica a farmacêutica Mika Yamaguchi, diretora científica da Biotec Dermocosméticos. Mas, segundo pesquisas, o uso desse conservante está relacionado a problemas de saúde.

Veja também

Onde estão os parabenos?

"O conservante é fácil de ser incorporado a fórmulas de diversos produtos, além de ter baixo custo. Por isso, os parabenos são usados em larga escala e de forma generalizada pela indústria cosmética e farmacêutica", conta a especialista em estética e cosmetologia Isabel Piatti, embaixadora do CIA (Centro e Instituto Internacional de Aprimoramento e Pesquisas Científicas). 

Eles estão presentes em quase 80% dos cosméticos, principalmente no Brasil, onde seu uso ainda é permitido. "No exterior, o movimento livre de parabenos é bem forte. Na Dinamarca, por exemplo, o uso já é banido em produtos infantis", diz a cosmetóloga Cinthia Samara Ramos.

Por que são controversos?

Pesquisas recentes comprovaram que os parabenos agem como desreguladores endócrinos -- ou seja, quando absorvidos pela pele, interferem nas funções hormonais do corpo, bloqueando ou sintetizando substâncias que não são naturais para o organismo. O que isso significa? "Este conservante causa distúrbios que vão desde obesidade, câncer de mama, câncer de próstata, anomalias na formação de bebês e até diabetes", alerta a engenheira química Sonia Corazza, especializada em Cosmetologia.

Em um estudo feito com norte-americanos pela Vassar College, observou-se que a urina de mulheres adolescentes e adultas apresentava concentração maior de parabenos em relação à de homens da mesma idade -- o que corroboraria a tese de que o uso de cosméticos é uma das maiores vias de exposição, já que, de modo geral, elas consomem mais produtos que eles.

Além disso, segundo estudo da Universidade de Reading, do Reino Unido, publicado em janeiro de 2004 no "Journal of Applied Toxicology", os parabenos têm propriedades estrogênicas, ou seja, se comportam como se fossem esse hormônio feminino. Disfunções no sistema endócrino podem resultar em irregularidades no ciclo menstrual, prejuízos na fertilidade, endometriose e ovários policísticos.

Por outro lado, Mika Yamaguchi garante que o conservante é seguro se usado dentro da dosagem permitida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que é de 0,8%. "O risco de ocasionar algum câncer de pele ou alguma alergia ocorre, mas desde que o uso seja prolongado e uma quantidade muito grande. Não são todas as pessoas, obviamente, existem aquelas que têm predisposição para desenvolver uma alergia ou um câncer. Eles são seguros, desde que nas quantidades certas e em curto espaço de tempo", afirma o dermatologista Alberto Cordeiro, da Horaios Estética, de São Paulo.

Como identificá-los?

O jeito é ficar de olho nas embalagens. Os parabenos mais usados na indústria são metilparabeno e propilparabeno, aponta Cinthia Samara Ramos. Ela ressalta ainda que podem aparecer como Methylparaben e Propylparaben.

Outros nomes também referem-se aos parabenos. São eles: butylparaben, calcium paraben, ethylparaben, hexamidine diparaben, hexamidine paraben, isobutylparaben, isodecyl paraben, butylparaben, calcium paraben, ethylparaben, hexamidine diparaben, hexamidine paraben, isobutylparaben, isodecyl paraben, isopropylparaben, methylparaben, phenoxyethylparaben, phenylparaben, phenoxyethylparaben, phenylparaben, potassium butylparaben, ethylparaben potassium, potassium methylparaben, potassium paraben, potassium propylparaben, propylparaben, butylparaben sodium, ethylparaben sodium, sodium isobutylparaben, sodium isopropylparaben, sodium methylparaben, sodium paraben, sodium propylparaben, undecylenoyl peg-5 paraben, potassium propylparaben.

Sim, os nomes são muitos, mas para quem quer abolir o conservante, vale a pena ficar de olho nos frascos dos produtos usados do dia a dia.

Quais são as alternativas?

Já é possível encontrar diversos produtos livres de parabenos -- essa informação costuma estar presente no rótulo, o que os torna mais fáceis de serem identificados. Há muitos outros conservantes que podem ser usados com segurança toxicológica, como o benzoato de sódio ou o de potássio, conta Sonia Corazza. Os componentes DMDM hidantoina, metilisotiazolidina também são alternativas, segundo Mika Yamaguchi.

"Se for para escolher usar um produto que seja livre de petrolatos, melhor. Usar produtos veganos ou orgânicos é melhor para a pele do que aqueles mais comuns, com composições químicas em sua fórmula", diz Alberto Cordeiro.