menu
Topo

Violência contra a mulher

É fetiche ou abuso? Entenda quando a fantasia sexual pode virar violência

iStock
Mulheres relatam abuso sob pretexto da fantasia sexual Imagem: iStock

Camila Brandalise

Da Universa

09/09/2018 04h00

Fazer sexo a três, mandar nudes ou realizar alguma outra fantasia pode ser saudável para a vida sexual do casal. O problema é quando um dos dois não concorda em entrar nessa e mesmo assim há insistência. Aí vira outra coisa: abuso. A coação, nesse caso, é feita em forma de chantagem emocional. O parceiro coloca a realização do fetiche como essencial para continuar a relação. Ou então duvida do amor da companheira caso ela não concorde com a proposta.

“Esse jogo emocional é característico de uma relação abusiva”, afirma a neuropsicóloga Carla Salcedo. “Por isso, a mulher precisa estar muito segura e confiante para saber quando não concorda e, se for o caso, não ceder.” Mas se dar conta do abuso não é fácil, principalmente em relações que duram mais tempo.

Veja também:

Veja, abaixo, histórias de três mulheres que se viram em uma situação de abuso sob o pretexto da fantasia sexual:

“Meu ex pedia vídeos íntimos e me ameaçava dizendo que, se não fizesse, encontraria outra que faria”

Arquivo Pessoal
"Levei tempo para perceber o abuso", diz Ana Paula Imagem: Arquivo Pessoal

A coordenadora de recursos humanos Ana Paula Nogueira, 37 anos, namorou por dois anos um homem que pedia a ele que enviasse vídeos dela usando vibradores. “A questão é que, caso ele não gostasse do vídeo ou achasse que eu não tinha colocado o vibrador inteiro na boca, na vagina ou no ânus, fazia eu gravar novamente”, afirma.

Mesmo com a negativa de Ana Paula em seguir o pedido, ele a ameaçava dizendo que, se não aceitasse, encontraria outra que faria. Ela conta que o argumento do fetiche vinha junto com a ideia de ser obrigada a satisfazê-lo por ser sua namorada. Reconhecer o abuso foi importante para ela terminar o namoro. "Mas demorou para eu perceber. Até então estava só realizando um pedido dele", diz. "Quem está em uma situação como essa fica envolvida, cega.”

“Meu namorado transa comigo dormindo dizendo que é uma fantasia. Reclamo e ele ri”

O namorado da recepcionista B., 23 anos, disse que tinha a fantasia de transar com ela dormindo. “Falei que era um absurdo, não topei e achei que ele não faria.” Um dia, acordou com ele a penetrando. “Agora ele faz sempre. Eu xingo, reclamo, e ele ri”, diz. O namorado responde que ela é louca por reclamar, já que o corpo dela é dele. E B. chega a acreditar que está exagerando. “Mas a verdade é que me sinto um lixo. É uma relação abusiva da qual não consigo sair.” Os dois estão juntos há seis anos.

“Ele insistia para fazermos ménage, mesmo que eu negasse por me sentir insegura”

Arquivo Pessoal
A estudante Leticia Floresta Imagem: Arquivo Pessoal

A estudante Leticia Floresta, 24 anos teve um relacionamento de quase três anos, cheio de idas e vindas, com um ex-namorado. No começo, a relação não engrenava porque ele dizia não querer compromisso. Na mesma época, fez o convite para sexo a três. “Neguei porque sabia que sentiria ciúme, ficaria insegura.” Ela o questionou sobre a possibilidade de fazer com outro homem, mas ele negou. “Estávamos ficando, ele disse que nos aproximaríamos e eu aceitei”, diz.

O apego emocional com o ex a fez topar fazer mais de uma vez. “Ele ficava mais presente e carinhoso”, diz. A situação se tornou comum a ponto de o ex dizer que só encontraria Leticia caso houvesse outra garota junto. O relacionamento durou quatro anos. “Foi difícil terminar também porque não tinha ninguém com quem contar. Me abria com os amigos e eles duvidavam da minha história", relembra.

O recado de Leticia é para que as mulheres estejam atentas a situações como essa e não se culpem. “Mesmo que você ouça julgamentos, ninguém nunca vai saber o que é passar pelo que passa e o quanto é difícil sair.”

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!