menu
Topo

Pausa

Pare, respire e olhe o mundo ao redor

Artista pinta retrato da princesa Diana com sangue com HIV; entenda por quê

Reprodução/Twitter
O retrato da princesa Diana feito com sangue com HIV e diamantes em pó Imagem: Reprodução/Twitter

da Universa, em São Paulo

19/07/2018 16h01

O artista britânico Conor Collins, conhecido na terra da rainha por suas obras de arte politizadas que apontam padrões homofóbicos na sociedade, decidiu fazer uma homenagem polêmica à princesa Diana.

Para pintar um retrato da mãe de William e Harry, Conor adotou dois materiais pouco convencionais e muito simbólicos: sangue com HIV e diamantes em pó.

Veja também

O resultado da peça foi compartilhado por Conor no Twitter nesta terça (17), onde ele também explicou sua criação.

"O mundo ficou chocado quando Diana segurou as mãos de um paciente com HIV. Décadas depois, o estigma em relação ao HIV ainda prevalece. Nós deveríamos saber os fatos: você não contrai HIV ao beijar. Indetectável significa não-transmissível. Profilaxia pré-exposição e pós-exposição funcionam", esclareceu.

"Não importa o quão disseminado esteja o estigma em torno do HIV, homofobia, racismo e transfobia só servem para fazer novas infecções pelo HIV mais prováveis. Os últimos dados no Reino Unido, reportados no ano passado, mas referentes a 2016, apontam que 93% daqueles que já foram diagnosticados são agora "indetectáveis" e não oferecem risco de transmissão para seus parceiros sexuais", continuou.

"Apesar disso, pessoas com HIV são duas vezes mais propensas a comer suicídio, particularmente em seu primeiro ano de diagnóstico. O estigma tem que acabar. A vergonha tem que acabar. Ninguém deveria ser levado a isso. O HIV é um vírus, ele não tem consciência, cor, credo, gênero ou sexualidade. É incapaz de julgamento. O estigma, no entanto, é uma escolha".

A escolha do rosto de Diana, uma ativista pelo combate à Aids, para a pintura de Conor foi então significativa. "A epidemia de HIV é alimentada pelo estigma, pela vergonha e pela ignorância. A ciência pode tratar a doença, mas é o amor, o respeito e o entendimento que finalmente irá parar a epidemia".

Conor, que é abertamente gay, já havia pintado uma imagem do cientista Alan Turing, outro nome LGBT da história, com sangue de médicos gays, além de ter feito um retrato de Donald Trump a partir de seus comentários machistas e homofóbicos.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Mais Pausa