Política

Como grupos de mulheres estão se organizando para eleger candidatas em 2018

Alan Marques/Folhapress
27-04-2016: Bancada feminina da Câmara faz protesto contra o então presidente Eduardo Cunha devido ao projeto que cria comissão das Mulheres. As deputadas eram contra Imagem: Alan Marques/Folhapress

Natacha Cortêz

Da Universa

13/06/2018 04h00

Alzira Soriano de Souza foi a primeira mulher a vencer uma eleição no Brasil. De 1929 a 1930, ela assumiu a prefeitura de Lajes, no Rio Grande do Norte --o que também a fez ser a primeira prefeita eleita na América Latina.

87 anos depois, mais precisamente nas últimas eleições municipais de 2016, apenas 11,8% das prefeituras do país eram comandadas por mulheres. O número é do Tribunal Superior Eleitoral.

Mas a sub-representação feminina na política nacional não é sintoma típico das prefeituras. As mulheres também são minoria no Congresso (nem 10% das cadeiras), no Senado (hoje, são 13 mulheres para 68 homens), nos governos estaduais (em 2014, uma mulher foi eleita), nos ministérios (das 29 pastas, uma é ocupada por mulher) e STF (duas mulheres para nove homens).

Reprodução
Alzira, a primeira política brasileira eleita, em sua posse, em 1929 Imagem: Reprodução

Veja também

O cenário tem chamado a atenção de movimentos de mulheres ditos suprapartidários (acima dos interesses e ideologias dos partidos), que, agora, tentam virar o jogo e fazer da política (também) lugar de mulher.

A brasiliense Bárbara Furiati, 30, cocriadora da plataforma “A Candidata”, é uma delas. “Quando o assunto é a presença de mulheres, a política não tem acompanhado os avanços de outras áreas, como o mercado de trabalho e a educação. O que queremos com nosso projeto é criar uma rede de apoio para mulheres líderes, pensando em candidaturas para 2018 e demais eleições. Para isso, ofereceremos treinamentos e mentorias às futuras políticas.”

Foco nas prefeituras

No Rio de Janeiro, o Instituto Alziras, inspirado na primeira política brasileira aqui citada, pensa parecido, quer encorajar votos em mulheres, mas tem ainda outra estratégia de atuação. São quatro mulheres à frente da organização que quer ampliar a representação das mulheres no Executivo “através do fortalecimento dos mandatos de prefeitas eleitas em 2016”, explica a administradora pública Cintia  Melchiori, 37. Para isso, o grupo promete elaborar pesquisas, oferecer cursos, fóruns, debates e até apoio no planejamento de governo dessas mulheres.

Entre as ações do Alziras está uma pesquisa --agora em fase de coleta de dados-- sobre as prefeitas brasileiras. A ideia é construir retratos das mulheres em pleito entre 2017 e 2020. Esse levantamento recebeu suporte financeiro de dois investidores. O Instituto Clima e Sociedade é um deles.

“O objetivo é entender quem são as Alziras por todo o país, quais as trajetórias delas, que desafios enfrentam em termos de discriminação e violência política contra mulheres e quais são suas propostas e desafios de gestão”, conta Cintia. “O que nos uniu nesse projeto foi uma série de incômodos, como o fato do número de prefeitas eleitas ter caído pela primeira vez nas eleições de 2016 e o Brasil seguir absolutamente atrasado no indicador de representação política da União Interparlamentar, atrás de países como o Afeganistão e Iraque [ocupamos o 154º posição dentre os 193 países]”, completa.

"Meu Voto Será Feminista"

Meu Voto Será Feminista” é outra iniciativa de mulheres para corrigir o que elas chamam de “vergonhoso lugar das cidadãs brasileiras na política institucional”. Quem nos conta da campanha, criada pelo movimento #PartidA Feminista, é a jornalista pernambucana Juliana Romão, 40, uma das membras.

“Só é possível mudar as estruturas de poder através de um projeto de mulheres, para mulheres e com mulheres”, diz ela. “Nossa missão é ocupar os espaços de poder com mais mulheres feministas, comprometidas com a transformação e com uma política do encontro e do afeto”.

Por isso, até a véspera das eleições de 2018, o grupo atuará nas redes sociais e ruas, disseminando a mensagem “Meu voto será feminista” através de conteúdos educativos.

Só é possível mudar as estruturas de poder através de um projeto de mulheres, para mulheres e com mulheres.

“Precisamos sensibilizar a população da importância do voto em mulheres feministas, o que significa não só votar em mulheres, mas naquelas que possam representar a luta pelas pautas que intervenham nas desigualdades de gênero, raça e classe social. Sempre entendendo que os direitos das mulheres sobre seus corpos, suas vidas e em busca de uma existência sem medo e opressão são pautas prioritárias”, afirma Juliana.

A #PartidA Feminista tem como uma de suas idealizadoras a filósofa e escritora Márcia Tiburi, sondada pelo PT para o governo do Estado do Rio de Janeiro.

Em Uberlândia, Minas Gerais, o grupo "Eleja Mulheres de Luta" é outro braço da #PartidA que pede por votos em mulheres. 

"Vote Nelas"

A socióloga paulistana Gisele Agnelli, 40, é uma das integrantes da plataforma “Vote Nelas”. Ao lado de nove companheiras, ela tenta conscientizar a população sobre a escassez de mulheres na política. “Somos um coletivo que nasceu do misto de indignação, cansaço e esperança diante da sub-representação de nós mulheres na política”, ela diz.

Além de produzir conteúdo nas redes sociais para falar do assunto, o “Vote Nelas” tem a intenção de apoiar 150 candidatas nestas eleições. Nomes como Marina Helou (REDE), pré-candidata a deputada estadual, Duda Alcântara (REDE) e Adriana Vasconcellos (PSOL), ambas pré-candidatas a deputada federal, estão na lista.

Mas o que quer dizer “apoiar”, nesse caso? “Vamos escolher duas candidatas a deputada estadual e duas candidatas a deputada federal por estado para dar visibilidade e suporte para as suas campanhas. Seja nas redes sociais ou nas ruas”, responde Gisele.

Para receber a assistência da plataforma, “a candidata precisa estar comprometida com valores feministas e femininos”, conta a integrante. E dinheiro, também será uma forma de apoio? “Não, em nenhum momento. No máximo, vamos ajudá-las a montar seus crowdfundings.”

“Outros movimentos de renovação política falharam miseravelmente em focar nas mulheres. Nosso grande diferencial é justamente esse. Nosso pedido é que pelo menos metade dos votos de um cidadão nas próximas eleições [cada um de nós terá seis] vá para as mulheres”, termina Gisele.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Estadão Conteúdo
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
AFP
EFE
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Política
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog Em Desconstrução
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Política
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Topo