Violência contra a mulher

Negras morrem mais: número de homicídios é 71% maior que entre não-negras

Antonio Scorza / Agência O Globo
10.mai.2018 - Muro com pintura da vereadora Marielle Franco no local onde ela morreu em março Imagem: Antonio Scorza / Agência O Globo

da Universa, em São Paulo

05/06/2018 16h14

O Brasil mata suas mulheres — mas, principalmente, as negras.

A conclusão é do Atlas da Violência 2018, divulgado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) nesta terça (5).

Veja também

Em 2016, último ano analisado pelo estudo, cerca de 4.645 mulheres foram assassinadas no país, o que representa uma taxa de 4,5 homicídios para cada 100 mil brasileiras. Este número cresceu cerca de 6,4% em relação à década anterior.

Roraima é o estado em que mais se mata mulher no Brasil: são 10 homicídios a cada 100 mil mulheres, uma distância razoável dos colocados seguintes da tabela, Pará (7,2) e Goiás (7,1). As menores taxas no período são de São Paulo (2,2), Piauí (3,0) e Santa Catarina (3,1).

O Atlas ainda aponta a necessidade de se examinar melhor o feminicídio reprodutivo, ou seja, aquele em que a morte ocorre de aborto inseguro, nos próximos anos.

Os homicídios de mulheres negras

Ao analisar registros de morte violenta no Brasil entre 2006 e 2016, a pesquisa concluiu que o número de homicídios de mulheres negras no período cresceu 15,4%, enquanto o mesmo crime entre a população não-negra teve queda de 8% em sua incidência.

Somente no último ano de referência do estudo, a taxa de assassinatos de mulheres negras foi 71% maior que a de mulheres não-negras.

O estado de Goiás tem a pior taxa de homicídio de negras do país — cerca de 8,5 mortes a cada 100 mil mulheres — e também a desigualdade mais acentuada, já que a taxa de mortes violentas de mulheres não-negras é menos da metade deste valor, cerca de 4,1 a cada 100 mil.

O top 3 de estados violentos para a mulher negra é completado por Pará, em segundo lugar com 8,3 mortes a cada 100 mil, e Roraima em terceiro, com 6,1 a cada 100 mil.

"O início do ano de 2018 foi marcado pelo assassinato de Marielle Franco. A comoção pública e a transformação de seu nome em símbolo de resistência são sinais de que a violência contra a mulher está deixando de ser naturalizada", conclui, em tom otimista, o relatório da pesquisa.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
ANSA
AFP
RFI
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
EFE
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Topo