Política

Era politicamente incorreta: racistas e pedófilos disputam eleição nos EUA

Getty Images
Don Blankenship entra na política depois de ser condenado pela morte de 29 trabalhadores de sua empresa Imagem: Getty Images

Rafael Salido

Em Washington

06/06/2018 10h47

Homofóbicos, racistas e até pedófilos. Nestes tempos do "politicamente incorreto", que nos Estados Unidos atingiram seu auge com a vitória de Donald Trump no pleito presidencial de 2016, uma onda de candidatos polêmicos se recusa a morder a língua diante das próximas eleições legislativas no país, em novembro.

Essa tendência está se tornando evidente, inclusive, nas votações primárias, que estão sendo realizadas em todos estados do país e que servem para determinar os candidatos de cada partido e os também os independentes.

Veja também: 

Em entrevista ao jornal americano "The Huffington Post", o candidato independente Nathan Larson explicou sua visão do cenário pré-eleição.

"Muitas pessoas estão cansadas do politicamente correto e de serem constrangidas por isso. As pessoas preferem um intruso que não tem nada a perder e que quer dizer o que está nas mentes de muitos", afirmou.

Aos 37 anos, Larson aspira a uma cadeira no Congresso pelo estado da Virgínia, apesar do enorme fracasso que teve quando se candidatou à Câmara Estadual, há dez anos, e de ter sido condenado em 2009 após ter ameaçado o presidente Barack Obama.

No entanto, é muito provável que suas aspirações políticas sejam mais questionadas por suas perturbadoras intenções para o futuro do que pelo episódio sombrio de seu passado.

Larson, que é pai de uma menina, não teve nenhum problema em admitir para jornalistas que ele era o principal responsável por uma série de fóruns na Internet cujo objetivo era dar conselhos a pedófilos.

Nestes fóruns, o candidato, que considera que o termo pedófilo é apenas "um rótulo", defendia o incesto e o direito de um homem bater na esposa.

Além disso, ele recomendava a todos que se sentissem atraídos por menores de idade para que recorressem a serviços de adoção, para que pudessem escolher o gênero de seus "brinquedos sexuais"

Outro caso que chama a atenção é o do candidato independente Don Blankenship, que acaba de entrar para a política depois de cumprir um ano de prisão pelo envolvimento na morte de 29 trabalhadores, em 2010, após uma explosão em uma mina que pertencia à empresa que ele administrava.

Blakenship, que se define como "mais trumpista" do que Trump, se recusa a manter um perfil sutil em sua corrida ao Senado pela Virgínia Ocidental e busca notoriedade com declarações que foram consideradas desrespeitosas e até mesmo racistas.

De fato, o polêmico candidato, de 68 anos, arruinou suas chances de representar o Partido Republicano ao aparecer em uma propaganda eleitoral acusando o líder da maioria conservadora no Senado, Mitch McConnell, de ser viciado em cocaína e de se beneficiar do dinheiro da "família chinesa" de sua esposa, Elaine Chao.

Nesta mesma linha, o republicano Patrick Little reclamou no início de maio de ter sido expulso da convenção de seu partido em San Diego, na Califórnia, por se recusar a "servir a Israel".

Com candidatura em jogo nas primárias realizadas na Califórnia, Jazmina Saavedra concorre a uma cadeira no Congresso, apesar das punições que vem enfrentando nas redes sociais, que, segundo ela, "estão lhe privando do direito à liberdade de expressão".

Com essas palavras, Saavedra criticou a decisão do Facebook de bloquear sua conta há alguns dias, depois de ela ter publicado um vídeo no qual atacava as leis que obrigavam alguns estados a implementar banheiros públicos unissex – que, segundo ela, não permitem saber "quem pode estar atrás da porta".

Embora as palavras de Larson, Blakenship, Little e Saavedra tenham encontrado respostas em vários movimentos sociais, teremos que esperar para ver qual será o destino destes candidatos nas urnas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Estadão Conteúdo
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
AFP
Bloomberg
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Política
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog Em Desconstrução
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
DW
Da Universa
Da Universa
Política
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
Da Universa
Topo