menu
Topo

Fofuras


Mais de 70 gatos: influencers de pets são sucesso e preocupam especialistas

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Marcos Candido

Da Universa

2019-02-20T04:02:00

20/02/2019 04h02

No início, eram três gatinhos. Logo eram 20, 30. Hoje, a faxineira P., 43, convive com 75 gatos em um sobrado localizado na zona oeste de São Paulo. "A casa não é minha. É deles", diz à Universa.

O número de gatos domésticos dela cresceu nos últimos 13 anos. Começou por volta de 2005, quando ela pediu divórcio do ex-marido, um "homem mau", segundo ela, com quem foi casada por 14 anos. "Ele maltratava e me proibia de ter meus bichinhos. Chegou a jogar um deles no rio Tietê", recorda-se. 

Assim que o ex saiu da casa, alguns gatos procriaram, outros foram resgatados da rua e foram doados a ela até que se alcançasse o número atual. Para alimentá-los, é preciso de 10 kg de ração ao dia (R$ 100 a saca), água sanitária para higienizar os cômodos e grana para castrar os machos e aplicar o vermífugo. 

P. e a filha de 24 anos, que moram juntas, criaram um perfil no Instagram para mostrar a mais de 18 mil seguidores como é a vida ao lado dos gatos. Elas não estão sozinhas. Uma outra influenciadora no Instagram é dona de 24 gatos e tem quase 60 mil seguidores -- ela não respondeu a um pedido de entrevista da Universa. 

Só pega bem na internet

Enquanto essa influência dos "gateiros" aumenta, órgãos de controle de animais tentam meios para acompanhar a saúde dos gatinhos sem penalizar os donos com apreensões mais drásticas. 

Reprodução/Instagram
'Hora do almoço' com mais de 70 gatos foi publicada no Instagram Imagem: Reprodução/Instagram

P. não diz ser acumuladora, mas que já recebeu visitas e é acompanhada pelo centro de controle de zoonoses após denúncias feitas por vizinhos. Ela não pretende criar uma ONG ou um abrigo para os próprios gatos para evitar a burocracia -- e, também, por falta de dinheiro.

"Sou uma protetora de gatos raiz'", diz. A casa é alugada, mas ela diz que chegou a um acordo com o locatário, que não estipulou um número máximo de pets, que foram crescendo e crescendo e andam livremente por alguns dos cômodos da residência. 

"Já doei mais de 300 gatos", defende. "Para mim, cuidar deles não é um trabalho, é um prazer". 

Lei municipal cria limite para pets em casa

A lei do município de São Paulo limita a dez o número de animais domésticos, sob pena de multa.

Apesar disso, vigilantes sanitários sugerem castração e doação para diminuir aos poucos a quantidade de bichinhos. Isso porque donos de dezenas de gatos, que costumam fazer dezenas de 'resgastes', costumam ser lidos como acumuladores por agentes sanitários.

"Acumuladores costumam preencher o vazio com o acúmulo de animais ou objetos; se isolam e se aproximam de outros acumuladores. Verificamos também se há experiências traumáticas que fizeram a pessoa começar a acumular", explica Sueli Candida Maciel, psicóloga do centro de zoonoses de São Paulo. Feito isso, Sueli afirma que, nesses casos, um agente de posto de saúde acompanha o dono e a saúde dos gatos, com auxílio veterinário e social. 

"Observamos como um problema sanitário e psicossocial. As denúncias representam só uma partezinha de um trabalho complexo a se fazer", explica Verônica de Sá Rolim, veterinária da prefeitura paulistana. Ela explica que é preciso oferecer vacinas contra raiva, por exemplo, para cuidar dessa população de pets.

Representante de ONG afirma que "quanto menos pets, melhor"

A representante da ONG "Adote Um Gatinho", Suzan Yamamoto, defende que gatos não gostam de viver em grandes grupos e uni-los em casa pode trazer danos à saúde deles.

"Um gato com micose, por exemplo, precisa ficar isolado ou pode passar micose a todos os outros", exemplifica.

"A gente ama animais, mas precisamos pensar neles. E quanto menos, melhor", conclui.