menu
Topo

Violência contra a mulher


Mulher com retardo mental grave engravida após estupro em hospital nos EUA

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Da Universa

18/01/2019 19h42

Depois da polêmica sobre o caso envolvendo uma mulher em estado vegetativo dar à luz em um hospital no Arizona, nos Estados Unidos, um acontecimento semelhante, dessa vez na Flórida, aconteceu em um centro de saúde local.

De acordo com o "The Huffington Post", uma mulher, de 23 anos, com retardo mental grave e sem a capacidade de falar ou se mexer, foi estuprada e engravidou após o abuso enquanto estava internada no Pensacola Cluster, onde está há 8 anos.

Em comunicado oficial, o Gabinete do Xerife do Condado de Escambia afirmou na última quinta-feira (17) que o departamento não reuniu pistas o bastante para conseguir identificar o suspeito pela agressão sexual.

As primeiras suspeitas sobre o caso surgiram no final de janeiro de 2018, quando notaram que a mulher estava com hematomas na região do quadril, enquanto trocavam a sua fralda. Após a realização de exames, descobriram que o osso estava quebrado e ela precisou ser levada para uma cirurgia imediata.

Exames posteriores confirmaram que a mulher tinha sido estuprada e estava grávida - sofrendo um aborto espontâneo nos dias seguintes. A ação, movida pela família, afirma que a vítima é "incapaz de causar danos para si mesma e dar consentimento para relações sexuais".

Os réus no caso são o centro de saúde Pensacola Cluster e a controladora, National Mentor Healthcare. Além deles, três cuidadores serão acusados por não terem feito a denúncia após verem os hematomas.

Segundo o advogado da família, Jim Green, eles pedem por indenização pelos custos médicos pelo estupro, gravidez e danos psicológicos. Desde o incidente, a paciente estaria "chorando e tendo pesadelos recorrentes", mesmo sendo transferida para uma instalação diferente.

"A mãe de nosso cliente está indignada e arrasada com o que aconteceu com sua filha e quer proteger sua filha do abuso mantê-la segura. Estamos buscando justiça para nosso cliente. Faremos tudo o que pudermos para garantir que isso nunca aconteça novamente ao nosso cliente ou a qualquer outra pessoa", afirma ele.