menu
Topo

Retratos

Instantâneos de realidade do Brasil e do mundo

Ele se veste como cachorro e diz não ser humano; o que é um transespécie?

Carine Wallauer/UOL
O performer e designer de acessórios Raio Gama, 30, usa a máscara de cachorro a maior parte do tempo Imagem: Carine Wallauer/UOL

Natália Eiras

Da Universa

30/11/2018 04h00

A primeira vez que o performer e designer de acessórios Raio Gama, 30, colocou o "rosto" de cachorro,foi como se o mundo finalmente fizesse sentido. "Mudou tudo para mim", diz ele, em entrevista à Universa. Ele conta que já se sentia deslocado na sociedade e percebeu, em março de 2017, que ficava muito mais à vontade quando usava o acessório que se assemelha a um cão da raça dobbermann. Foi quando Gama percebeu que é um transespécie. "É uma experiência social constante que fala muito sobre quem sou eu de verdade", diz.

Veja mais: 

Sentir-se desconfortável com a condição humana pode ser algo comum. Mas os transespécies, indivíduos que não se identificam como humanos, levam a sensação além. Uma vez que já se sentem estranhos no mundo, por que não adotar identidades como a de um cachorro, um gato ou um lagarto? Gama, por exemplo, diz que escolheu viver como um cão não só por identificação, mas também por expressão artística e social. "É a vivência de ser um híbrido, um corpo estranho para a sociedade", fala.

Carine Wallauer/UOL
Gama adotou o estilo de vida transespécie após entrar em contato no mundo BDSM Imagem: Carine Wallauer/UOL

Porém, de acordo com o produtor cultural Heitor Werneck, criador da festa fetichista Luxúria e um dos principais porta-vozes do movimento de contracultura de São Paulo (SP), transespécie é apenas um novo termo para um movimento que não é tão recente assim. "É uma identificação de gênero, de estilo, que Ney Matogrosso e Boy George já fizeram. Eles tinham uma estética que não existia, que misturava várias referências não necessariamente humanas", fala o organizador. "É ter um outro tipo de orientação ou identidade. Vai além de qualquer dualidade que temos hoje".

Gama conta, enquanto toma um café no centro de São Paulo (SP), que teve contato com o mundo transespécie em janeiro do ano passado, quando descobriu o dog play, um dos formatos das relações do BDSM (Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo) em que uma pessoa é o cachorro de outra. Porém, no caso de Gama, ser um animal se tornou, dois meses depois, um estilo de vida. "Eu comecei a ver o quão cachorro eu gostaria de ser na minha vida, quanto disso fazia parte da minha personalidade", afirma.

O artista fala que usa rosto de cachorro, feito por ele mesmo, a maior parte do tempo. "Eu durmo, como, passo o dia inteiro com a máscara. Só tiro para tomar banho", fala. Gama vai ao mercado e faz parte de seus afazeres com a cara de pelúcia. E fica bastante chateado com quem tenta arrancar a máscara à força. Uma vez, teve que discutir com a tripulação de uma companhia área que não queria deixá-lo voar usando o acessório. "Eu já tinha mostrado o meu rosto para todos os seguranças, mas, no avião, tive que falar que eles deveriam respeitar a minha máscara assim como respeitam uma mulher muçulmana com a burca", narra.

Com jaqueta de couro, camiseta de tela e coleira, ele chamava bastante atenção na rua enquanto fazia fotos para esta reportagem. Pessoas encaravam e motoristas faziam piadas de dentro dos carros. "Por isso costumo sair mais à noite", afirma. Quando precisa ir ao banco ou resolver questões mais burocráticas, Gama deixa a máscara em casa. "Para não passar raiva", fala. No entanto, ele garante que o assédio nunca foi às vias de fato. "Como ando com muitas correntes, os agressores pensam que vou dar trabalho", ri.

Porém, se adultos torcem o nariz, crianças adoram o performer. "Eles pedem para fazer carinho, perguntam se sou o lobisomem ou o que como", comenta. Por sinal, Gama diz que às vezes acorda com vontade de alimentar-se de carne crua. "Mas faz tempo que não como".

De outro mundo

Arquivo Pessoal
A multiartista TransÄlien, 22, adotou identidade alienígena por se sentir "estrangeira nesse mundo" Imagem: Arquivo Pessoal

Mas não é só de animais que vivem os transespécies. A multiartista de Recife (PE) Ana Giselle, 22, diz se sentir tão deslocada na sociedade que é "como se fosse uma estrangeira no mundo". Por isso, assumiu a alcunha TRANSÄLIEN em suas performances. "Sempre fui a mais estranha do meu círculo social. Não teve uma época da minha vida que eu não conheci a violência e a discriminação, então este mundo não faz sentido para mim", diz a artista.

Assim como Raio Gama, Ana Giza usa as máscaras para confrontar a normatividade. Ela também não se identifica com a sua forma humana, por isso passa a maior parte do tempo com as várias máscaras alienígenas que têm. "Nem sei quantas são, nunca parei para contar porque sempre estão me presenteando com novas", ri. Residente de São Paulo (SP) há dois anos, a artista diz que, por isso, há pessoas que a conhecem que nunca viram o rosto dela. "O pessoal já está acostumado a chegar na minha casa e eu estar usando a máscara".

No entanto, nem Gama nem a TransÄlien pensam em fazer qualquer tipo de intervenção cirúrgica. "Não temos tecnologia para isso e a minha luta já está muito ativa assim", afirma Raio. No caso de Ana, ela quer continuar com a possibilidade de se transformar e mutar-se em vários seres de outros planetas. "Eu não quero ter nada definitivo".