menu
Topo

Transforma

Mulheres protagonizam um mundo em evolução

5 provas de que Bruna Marquezine nunca precisou de Neymar para ser um ícone

Reprodução/Instagram/@pepperpaulo
Imagem: Reprodução/Instagram/@pepperpaulo

Da Universa

19/10/2018 19h50

Desde que anunciou o término com Neymar na quinta-feira (18), Bruna Marquezine viu seu Instagram ser tomado por comentários com o nome do jogador. "Por que vocês terminaram?" e "eu adorava vocês dois juntos" foram alguns deles.

Enquanto alguns lamentam o fim do relacionamento, outros insistiram em vincular o nome da atriz ao do ex-namorado, como se fossem uma pessoa só. Com essas declarações, muita gente acaba se esquecendo da relevância que Marquezine tem, desde que começou sua carreira em 2002, aos 7 anos de idade.

Veja também

Reunimos 5 provas de que ela é um verdadeiro ícone -- e não precisa de Neymar para isso.

1. Popularidade internacional

Bruna é a brasileira mais seguida no Instagram, alcance importante para a geração millennial, que usa as redes sociais não só pra se divertir, mas também como plataforma para dar voz a debates.

Lá, a estrela, com 32,2 milhões de seguidores, aparece na frente de brasileiras renomadas mundo afora, tais como Anitta, considerada a maior cantora pop brasileira atualmente, e Gisele Bündchen. Você quer fama, @?

Agora, fora do “mundo virtual”, a atriz já tem seu nome consolidado como atriz, graças aos seus trabalhos nas tramas da TV Globo. E no exterior seu nome já não é mais tão “anônimo” quanto há alguns anos. Sua presença em eventos internacionais, como o Festival de Cannes, atraindo os flashes de vários fotógrafos, é prova disso.

Segura só todos estes closes em sequência:

2. Ícone fashion

Presença ilustre nas semanas de moda de Paris e Milão, Marquezine dita tendências entre as brasileiras, por meio dos looks escolhidos para desfilar nos tapetes vermelhos ou para suas publicações nas redes sociais.

Além disso, a atriz, embaixadora da Puma no Brasil, é a queridinha de grifes internacionais, tais como Alberta Ferretti, Jaeger-LeCoultre, Dior, Miu Miu, Dolce & Gabbana, entre outras. Tá bom pra você?

Ou seja, se Bruna Marquezine usou pode ter certeza que muita gente por aí vai tentar reproduzir. Atenta.

3. Visibilidade 

Com as recentes eleições, muito se discutiu sobre a importância de artistas manifestarem suas ideias e opiniões publicamente -- já que são eles quem conseguem fazer com que milhares de outras pessoas os ouçam, por idolatria ou relevância midiática. Ela se encaixa nesses dois aspectos. 

Por meio de suas redes sociais, Marquezine já usou sua visibilidade, como mulher, para defender causas importantes. Como o combate ao assédio, durante a campanha “Mexeu com uma, mexeu com todas”.

A autoaceitação com corpo foi outra delas, como quando revelou ter sofrido de distúrbio de imagem -- sendo essa mensagem de desabafo responsável por inspirar diversas outras jovens que ainda manifestam solidariedade e empatia à atriz nas redes por ter aberto sua história.

4. Atuação

Iniciar a carreira na infância é uma faca de dois gumes: ou você se consolida ou seu trabalho cai no esquecimento ao longo do tempo. E Marquezine alcançou a primeira opção. Ícone faz assim!

Foi graças à Salete, na novela “Mulheres Apaixonadas”, exibida em 2003, que ela ganhou o carinho do público, e isso foi se perpetuando cada vez mais por meio dos trabalhos protagonizados por ela na TV brasileira, até chegar em Catarina, em “Deus Salve o Rei”.

Criticada amplamente nas redes sociais no início da novela pela sua atuação, Marquezine surpreendeu o púbico ao se reinventar ao longo da trama para se destacar. A última cena da sua personagem, que morre enforcada, protagonizou a grande e definitiva reviravolta da opinião do público.

5. Bruna e Neymar são pessoas independentes

Mesmo que “shippar” casais seja uma diversão na internet, é importante ressaltar que os dois são pessoas diferentes e cada um tem sua relevância em seus campos de atuação. Certo?

Comentários sobre Bruna Marquezine se “escorar” ou “depender” de Neymar para ser famosa só perpetuam pensamentos machistas de que ela, como mulher, é dependente de um homem para ter e fazer sucesso. É, e os quatro itens anteriores provam que isso não é e nunca vai ser verdade.

Mais Transforma