Topo

Diversidade

Ser LGBT e cristão é possível? Pastor gay diz que é, apesar do preconceito

Divulgação
À direita o pastor LGBT Gregory Rodrigues com seu esposo à esquerda Imagem: Divulgação

Léo Marques

Colaboração para Universa

12/07/2018 04h00

Para Gregory Rodrigues, 26 anos, pastor, gay e autor do livro “A Bíblia Fora do Armário”, sobre a relação entre cristianismo e homossexualidade, é possível sim ser LGBT e cristão. Ele alerta, porém, que manter a compatibilidade não é tarefa fácil.

Lidar com cristãos tradicionais, segundo o pastor, requer esforços. “Sempre haverá gente com outras interpretações, defendendo pregações condenatórias, como as que tratam LGBT como pessoas possuídas por demônios ou que precisam ser curadas”, lamenta. Do outro lado, alguns LGBT, de tanto ouvirem discursos preconceituosos, acabam acreditando que toda igreja é igual e desconhecem as igrejas inclusivas – que são mais liberais e acolhem a diversidade. “As igrejas inclusivas não buscam cercear sua liberdade de vida”, explica.

Veja também

Um gay que sempre teve contato com a Bíblia

De acordo com o pastor Gregory, que é fundador da igreja evangélica inclusiva “Benção e Vida”, em Belo Horizonte, Minas Gerais, seu contato com as escrituras sagradas vem desde o berço. “Eu fui criado e alinhado dentro da vida cristã, era membro de uma igreja batista. Meu pai estudou para ser padre e só desistiu do sacerdócio para se casar com minha mãe”, explica.


Foi por causa da igreja que Gregory frequentava que veio sua “libertação”, mas de uma maneira incomum. “Eu costumo dizer que não me assumi homossexual, fui descoberto”, brinca. Quando adolescente, o então jovem cristão, que queria estar no altar e se preparava para um chamado pastoral, se apaixonou por um filho de pastor e a atração foi recíproca. “Nós passamos a nos relacionar, até que em um Dia dos Namorados me viram com o garoto no shopping”, relembra.

Divulgação
Momento da Santa Ceia ministrado pelo pastor Gregory e seu esposo Imagem: Divulgação

A “cura gay” quase terminou em suicídio

Após o flagrante, não demorou muito para as lideranças da igreja e a família de Gregory intervirem. “Ofereceram-me ‘tratamentos’ espirituais e um acompanhamento com uma psicóloga ‘cristã’, que relatava aos outros tudo o que eu contava para ela”, explica. O pastor desabafa que esta foi sua pior fase, pois se não bastasse ter sua privacidade violada, passou por grandes conflitos internos envolvendo sua sexualidade e a criação religiosa, além de ter sido agredido por seu pai e obrigado a se afastar de todos. “Eu quase cometi suicídio. Não compreendia se Deus me aceitaria da maneira que eu sou e que não há como mudar”, diz.

Deus não faz acepção de pessoas

Foi então que Gregory, aos 17 anos, conheceu em Belo Horizonte a Igreja da Comunidade Metropolitana, presente em mais de 30 países, de vertente protestante, e caracterizada por aceitar e acolher fiéis LGBT. “A igreja me amparou, cuidou de mim e me apresentou a teologia inclusiva e esse amor de Deus que não diferencia pessoas”, comenta.

Fortalecido mental e espiritualmente, Gregory voltou a frequentar os cultos, a estudar e pregar sobre a Bíblia, e hoje, além de pastor, é teólogo, historiador, defensor LGBT e pregador da teologia inclusiva em programas de TV e no YouTube (@canalgreggtv).

“O evangelho é inclusivo e não pode ser tratado como peça exclusiva de um seguimento da sociedade. Então, eu conscientizo e prego para todos, porque Jesus fez isso”, explica o pastor.

Tem dado certo. Hoje, o convívio em família e a vida pessoal de Gregory estão muito melhores. “Eu tive que me impor, mostrar para os outros que ser LGBT não é bagunça. Então, não significa que por ser homossexual não se possa viver um relacionamento baseado em respeito e em fidelidade. Não significa que por ser gay não se tenha o desejo de constituir família. Hoje, meus familiares me respeitam por isso. Me casei, meu esposo também é cristão, e todos nós convivemos bem”, comenta.

“Jesus é top, o que estraga é o fã-clube”

O pastor Gregory afirma que muitos homossexuais, principalmente os que cresceram em lares cristãos, desejam viver um cristianismo pleno, mas são desencorajados por pregadores de igrejas tradicionais. “Você escuta que Deus não te aceita como é, e por isso sua fé esfria.” E vai além: “a culpa pelo grande afastamento das pessoas do convívio em uma igreja é da própria instituição, que, em muitos casos, tem espantando os fiéis devido à insistência gritante em tematizar preconceitos carregados de ódio e de mágoa e de manipular o evangelho”, comenta.

O pastor Gregory também relembra que gays e lésbicas sempre existiram e que Jesus, além de nunca tê-los condenado, se atenta mesmo às ações humanas. “Jesus é top, o que estraga é o fã-clube. Ele nunca tratou ninguém com preconceito, ou com desdém. Muito pelo contrário, sempre chamou todo tipo de pessoa para dentro de seu círculo de convivência. Não está na pauta de Jesus com quem eu me deito, mas como eu vivo, se eu amo e respeito a Deus, se eu amparo e ajudo o próximo, o pobre, o necessitado, é isso que importa. O ser sagrado não tem preconceito. Quem tem preconceito é quem prega sobre Ele. Então, não é por isso que nós temos que deixar de ter experiências espirituais maravilhosas, baseadas no evangelho, numa vida cristã. Devemos é procurar igrejas que amparem e acolham a diversidade”, conclui.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!