menu
Topo

Política

Meirelles ataca Bolsonaro - e sua violência contra mulheres - em vídeo

Juliana Linhares

da Universa, em São Paulo

27/06/2018 10h55

O pré-candidato do PMDB à presidência da República Henrique Meirelles lança hoje um vídeo de campanha em que ataca os dois primeiros homens colocados na disputa presidencial, Jair Bolsonaro e Ciro Gomes. O principal alvo, no entanto, é Bolsonaro. 

A equipe de marketing de Meirelles, ainda um nanico na disputa, com apenas 2% das intenções de voto, centra fogo no que é considerada umas das principais fragilidades de Bolsonaro: cenas de violência explícita contra mulheres. O vídeo traz de volta o episódio de 2013, em que ele chama a hoje deputada Maria do Rosário (PT-RS) de "vagabunda" e mostra também o político, intitulando uma jornalista de "idiota" e "analfabeta".

Veja também

Pesquisas internas do PMDB dão conta que a intenção de voto feminino em Bolsonaro é metade da intenção do masculino. "Ele tem um cenário complicado entre as mulheres. E, por isso, acreditamos que elas podem ser as porta-vozes anti-Bolsonaro. Especialmente as jovens, que foram para a universidade e formam opinião dentro de casa", diz um dos estrategistas da campanha.

O vídeo, que ataca também Ciro Gomes (mostra o pré-candidato falando "Lula é um merda") é uma tentativa de dar rápida visibilidade a Meirelles. As pesquisas do partido mostram que ele é conhecido por apenas 5% da população e que de 30 a 35% dela ouviu falar em seu nome mas não sabe quem ele é. Para a equipe do ex-diretor do Banco Central na gestão Lula e ex-ministro da Fazenda de Temer até abril deste ano, quem vota em Meirelles é da classe A/B, de centros urbanos.

Meirelles, cuja vida privada é ainda menos conhecida, é casado com uma psiquiatra alemã, e não tem filhos.

A expectativa é de que a campanha do pmdbista deve subir ainda mais o tom em outros vídeos, previstos para serem lançados até a última semana de agosto, quando começa a campanha na televisão.