Diversidade

As fotos de Camila Falcão e as possibilidades do feminino nos corpos trans

Camila Falcão
Na série "Abaixa Que é Tiro" , Camila já fotografou 35 mulheres Imagem: Camila Falcão

Natacha Cortêz

Da Universa

23/04/2018 04h00

“Uma mulher transgênero não precisa colocar silicone, tirar a barba ou sequer tomar hormônio para ser considerada mulher; basta que ela se diga mulher --ou pelo menos deveria bastar.” A frase é da fotógrafa paulistana Camila Falcão, que, há pouco mais de um ano, se propôs a retratar mulheres trans e travestis a fim de explorar a pluralidade de seus corpos e identidades.

Assim como existe diversidade entre os corpos das mulheres cisgêneros [que se identificam com o gênero que lhes foi determinado no nascimento], existe no das mulheres que transicionaram de gênero.

Veja também

Camila Falcão
Lyz Imagem: Camila Falcão

Camila, que tem 40 anos e fotografa há 17, “desde a faculdade de Artes Plásticas” é fã da norte-americana Nan Goldin, também fotógrafa, conhecida por registrar a comunidade LGBTQ em seu trabalho. Foi nas imagens de Goldin, e nos filmes de Pedro Almodóvar, que a paulistana se inspirou para a série “Abaixa Que é Tiro”, que até então conta com 35 fotografadas entre 16 e 34 anos, de diferentes profissões e origens.

“Tem menina prostituta, mas também tem Doutora e artista. Tem menina do Sudeste e do Norte do país. Isso faz parte da diversidade que quero mostrar.” Até o fim deste ano, Camila pretende fechar a série em 50 mulheres. 

Camila Falcão
Magô Imagem: Camila Falcão

“Quero colaborar com uma percepção mais realista dessas mulheres e menos caricata e pejorativa. As pessoas, principalmente no Brasil, têm um estereótipo errado delas. Aquela ideia de que travesti é apenas a mulher que trabalha na rua, que fez um monte de cirurgia plástica e busca uma super passabilidade [esse é um termo usado para o quanto uma mulher trans pode se passar, esteticamente, por uma cis] não pode ser encarada como padrão."

Camila fala em "passabilidade", essa palavra que aprendeu ao fotografar “Abaixa Que é Tiro”, porque o termo importa de verdade para a comunidade transgênero. “Quanto mais 'passável' é uma mulher trans, mais tranquilidade de andar na rua ela tem. Ela não vai receber tantos olhares preconceituosos, nem ser alvo de violência. Então, hoje, como as coisas estão, a passabilidade pode ser até uma proteção para elas. Gostaria que minha série ajudasse na desconstrução dessa ideia, que todas pudessem ir e vir, da forma que quiserem ser, sem sofrer”, explica.

Camila Falcão
Alice e Âmbar Imagem: Camila Falcão

O primeiro contato de Camila com a comunidade trans foi em um trabalho voluntário no Centro de Referência e Defesa da Diversidade, uma ONG em São Paulo que dá apoio a mulheres trans e travestis. Isso foi em maio de 2016, quando ela documentou uma ação de distribuição de preservativos e lubrificantes para as mulheres que trabalham na rua à noite.

Camila Falcão
Lua e Rafaelly Imagem: Camila Falcão

Sobre as mulheres do ensaio aqui mostrado, Camila conheceu algumas pela internet e outras em eventos ou debates sobre gênero. Foi assim com Onika (foto abaixo). "Brinco que quando a vi pela primeira vez ouvi violinos tocarem de tão encantada que fiquei", lembra a fotógrafa que encontrou sua modelo em um sarau. Onika acabou entrando para a série, mas também ganhou um espaço próprio no portfólio da artista, que passou a registrar cada passo da transição de gênero de sua personagem. Você pode acompanhar essas imagens neste link.

Camila Falcão
Onika Imagem: Camila Falcão

Amara Moira, importante ativista transgênero e autora do livro "E se eu fosse puta", também foi clicada para a "Abaixa Que é Tiro", que a partir de 14 maio será exposta no Museu Histórico do Estado do Pará, em Belém.

Camila Falcão
Amara Imagem: Camila Falcão

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Estadão Conteúdo
Da Universa
Da Universa
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog Flávia Durante
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Universa
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
BBC
Blog da Morango
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Blog do Paulo Sampaio
Da Universa
Blog da Morango
ANSA
Estadão Conteúdo
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog da Morango
EFE
Topo