Diversidade

"Não é fácil ser mulher", diz Carol Marra após cirurgia de redesignação

Manuela Scarpa/Brazil News?
Imagem: Manuela Scarpa/Brazil News?

Carolina Martins

Colaboração para Universa

05/04/2018 08h17

Em maio, fará um ano que a modelo e atriz Carol Marra optou pela cirurgia de resignação sexual. “Trinta e quatro anos depois, posso dizer que agora sou eu de verdade”, disse ela, com um sorriso no rosto, ao Universa, durante a inauguração da primeira loja do estilista Vitor Zerbinato, nessa terça-feira (3), em São Paulo (SP).

Mas nem tudo são flores. A atriz disse estar sentindo na pele os sintomas dos hormônios femininos tanto na questão psicológica quanto na física.

Veja também

“Tem coisas da mulher que vieram no pacote e eu não sabia: tenho TPM, sempre fui magra e agora como um pão e já sinto ele crescer na minha barriga. Comecei a acumular gordura, começou a aparecer uma celulite aqui, outra ali, estou com crise de calor, tenho vontade de fazer xixi toda hora, vontade de comer doce desesperada. Não é fácil ser mulher. Meu manequim era 36 e hoje é 40. Então é uma luta diária contra a balança”, analisou a atriz. 

Mesmo com as descobertas efervescentes do que é ser mulher, Carol está desfrutando cada momento como se fosse único.

“Me olho no espelho e não me causa mais um constrangimento pessoal. Já fui massacrada por outras trans, que dizem que temos uma flor diferente entre as pernas e nem por isso deixamos de ser mulheres. Mas eu não me sentia mulher daquela forma. Deus foi muito generoso de permitir mudar a forma que originalmente ele pensou e criou pra mim, então eu me sinto plena e completa sim. Antes me faltava alguma coisa”

Realizada pessoalmente, Carol sabe que ainda tem muito chão pela frente. Atriz e jornalista por formação, seu pontapé inicial para estar nos holofotes.

Carol chegou às telinhas atuando em séries de canais fechados e com uma participação especial na novela Boogie Oogie, da TV Globo. Mas ela não se contenta somente com papéis de gênero. “Posso fazer papéis femininos e masculinos. Fico triste só por me darem papéis trans”, desabafou.

"É meio hipócrita, porque tem tanto ator homossexual que faz papel de galã e atrizes lésbicas que fazem papéis de mocinhas. Falta olhar, oportunidade”, analisa. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
ANSA
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog da Morango
Blog Flávia Durante
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Blog da Morango
Da Universa
Blog Flávia Durante
Blog da Morango
Da Universa
AFP
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Blog da Morango
Da Universa
DW
Da Universa
Blog da Morango
Blog da Morango
Da Universa
Da Universa
BBC
Blog da Morango
do UOL
Da Redação
Da Universa
EFE
Bloomberg
Da Universa
DW
Blog Flávia Durante
Da Universa
Diversidade
Blog da Morango
do UOL
Blog da Morango
Redação
do UOL
do UOL
Blog Flávia Durante
Topo