Direitos da mulher

Elas são evangélicas e querem a legalização do aborto

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Thais Carvalho Diniz

Da Universa

27/03/2018 04h00

Cansadas de verem a bancada evangélica como a principal barreira contra a legalização do aborto no STF (Supremo Tribunal Federal), 15 mulheres fundaram a Frente Evangélica pela Legalização do Aborto. Cristãs e seguidoras da religião que dá nome à organização, elas acreditam que a criminalização é um "atentado ao direito e à vida da mulher" e se sentem indignadas ao verem líderes políticos usarem a bíblia para justificar a defesa de tal ideia.

"É bastante pretensioso falarem em nome de todos os evangélicos, como se toda a comunidade pensasse da mesma forma. Para nós, enquanto cristãs, causa um nível de incomodo absurdo ver esses homens no Congresso, pois eles mancham a memória do Cristo que a gente acredita", fala a estudante Camila Mantovani, uma das idealizadoras.

Veja também:

Ao lado de outras articulações religiosas, como a Aliança de Batistas do Brasil, a ideia é montar uma argumentação teológica para apoiar ADPF 442, ação proposta pelo PSOL que pede a descriminalização da interrupção da gravidez até a 12ª semana, e rebater a PEC-81, que proíbe a prática em qualquer situação. Segundo a representante, esta última representa o "controle dos corpos femininos e o poder político".

Arquivo pessoal
Camila Mantovani, da Frente Evangélica pela Legalização do Aborto Imagem: Arquivo pessoal

"Estamos no desafio de fazer uma leitura da Bíblia da perspectiva da dignidade humana. Não encontramos até agora nos estudos que estamos fazendo nada que justifique o aborto ser ou não realizado".

De acordo com Camila, os trechos evocados pelos líderes no Congresso que falam sobre a preservação da vida não justificam a criminalização.

"Se não existe um sistema capaz de reduzir os números de abortos mas que, pelo contrário, coopera para a morte das mulheres, é inadmissível que a igreja continue concordando com isso. É contra a vida e de muita má-fé o que essa liderança religiosa faz. Eles defendem um sistema que mata duas vezes."

A Bíblia pode ser usada para legitimar a morte e a vida. A bancada evangélica decidiu usar para fundamentar o massacre das mulheres

Estruturada no Rio de Janeiro, a FELA conta com mais de 4.000 seguidores nas redes sociais e o apoio da Católicas pelo Direito de Decidir, organizações não governamentais, hoje, em 12 países e referência para as novatas. Além disso, Camila contou à Universa que os movimentos feministas acolheram bem a iniciativa, assim como mulheres de outras religiões.

"Temos um papel muito mais amplo, que é conversar com mulheres evangélicas, levar o debate para diversas comunidades. Em algumas igrejas mais conservadoras é mais complicado, mas estamos nesse trabalho. É um processo de reestruturação."

E elas já incomodaram. No mesmo mês de fundação, em outubro, quando ainda nem haviam se manifestado nas redes sociais, o pastor e líder político Silas Malafaia criticou a iniciativa em seu canal no YouTube. Em um vídeo com o título "Frente evangélica em favor do aborto. Piada!", considerou influência de "esquerdopatas".

"Esses políticos não são pastores. Nem ouso dizer que são cristãos. Para mim, são coronéis da fé. Usam a fé do povo para ganhar poder, algo contraditório do ponto de vista da narrativa cristã."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
EFE
EFE
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
BBC
ANSA
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Estadão Conteúdo
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
do UOL
BBC
EFE
EFE
Estadão Conteúdo
do UOL
Opiniões

Opiniões

O verbo SER: nenhum ser humano essencialmente bom pode não ser feminista

Eu sou Feminista. Tu és Feminista? Ele é Feminista! Ela não é Feminista?? Nós somos Feministas! Vós sois Feministas? Eles são Feministas! Elas não são Feministas?? Eu não sou Feminista?!? Sou sim, mas sei que preciso ser mais e melhor... Tu és Feminista. Apenas não sabes... Ele não é Feminista? Poderia ser sim, aliás, deveria, ainda que por empatia... Ela é Feminista! E ainda bem que tem consciência de que o é... Nós não somos Feministas? Claro que somos, ainda que disso não falemos o tempo todo... Vós sois Feministas. E fazem muito bem em o ser... Eles não são Feministas? Mas deveriam, pois todos os seres humanos deveriam ser, uns por essência e outros por empatia. E fato é que todos deveriam ser... Elas são Feministas. Sim, são, aliás, feministas convictas. E apesar de toda a ignorante discriminação que sofrem... E você? é ou não é? Sabes afinal o que é ser feminista? Sabes de verdade? Sem preconceitos? Ser feminista é ser simplesmente a favor da igualdade de direitos entre homens e mulheres e a favor do respeito à condição feminina. Ser feminista, portanto, é lutar contra os preconceitos que aprisionam, intimidam e limitam as mulheres nas empresas, nos espaços públicos, nas escolas e nas universidades, nas casas e nas famílias, nos jardins, nas ruas e nas praças da nação e deste mundo, impedindo-as de irem mais longe e de serem mais naturalmente felizes. Ser feminista é lutar pelo reconhecimento dos direitos civis e humanos de todas as mulheres; é lutar para que tais direitos não sejam nem menores e nem menos importantes de que os de quaisquer outros seres humanos. Ser feminista é não aceitar que uma mulher seja morta neste país a cada hora e meia apenas e tão somente porque ela é mulher. Ser feminista é perceber que é um absurdo sermos um dos países do mundo em que há menos mulheres no Legislativo e na cúpula dos Poderes Instituídos do Estado, fatos esses que enfraquecem e desqualificam o ambiente da democracia brasileira. Ser feminista é saber que enquanto não tivermos mulheres ocupando isonomicamente todos os espaços, especialmente os espaços de poder e decisão, que são os espaços em que são tomadas as decisões mais relevantes e impactantes para o presente e para o futuro da nação brasileira e de toda a nossa sociedade, não teremos um país justo, equilibrado, contemporâneo e nem será o nosso país um país melhor. Ser feminista é ter consciência da absoluta e profunda importância da mulher para o desenvolvimento e para o aprimoramento otimizado da humanidade e dos países contemporaneamente. Ser feminista é apenas querer que todas as mulheres possam andar tranquilamente pelas ruas deste país sem correrem o risco de serem assediadas, desrespeitadas, diminuídas, estupradas ou atacadas. Portanto, tenho certeza de que você é feminista, pois nenhum ser humano essencialmente bom pode não ser feminista. Você só não sabia ou não tinha consciência de que era, como eu mesma um dia não tive consciência de que era. Mas isso foi há muitos e muitos anos... Desde então, eu lutei para ser um ser humano melhor e penso que, pelo menos, amadureci e, por decorrência, pude perceber e reconhecer que eu sou Feminista sim e é ótimo assim ser. E, aliás, sempre é tempo para ser e se reconhecer como um ser humano melhor... E você? Não quer ser um ser humano melhor?

Direitos da mulher
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Topo