menu
Topo

Política

#EleNão: a manifestação histórica liderada por mulheres vista por 4 ângulos

Rodrigo Ferraz/Zimel/Folhapress
Atos contra Jair Bolsonaro aconteceram em 140 cidades no Brasil e no mundo Imagem: Rodrigo Ferraz/Zimel/Folhapress

Amanda Rossi, Julia Dias Carneiro e Juliana Gragnani

BBC News Brasil em São Paulo, Rio de Janeiro e Londres

30/09/2018 19h59

A manifestação #EleNão em repúdio ao candidato a presidente Jair Bolsonaro, que se espalhou por cidades brasileiras neste sábado, foi a maior manifestação de mulheres na história do Brasil. Foi também uma das maiores manifestações contra um candidato, independentemente das mulheres. As afirmações são de Céli Regina Jardim Pinto, autora do livro "Uma história do feminismo no Brasil" e professora do Departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O número total de pessoas que participaram das manifestações é incerto - a Polícia Militar não divulgou estimativas de público nas principais cidades, como costumava fazer durante as manifestações pró e contra impeachment de Dilma Rousseff.

Veja também:

Segundo o G1, 114 cidades em 10 estados tiveram manifestações contrárias a Bolsonaro. Também houve atos em diferentes cidades do mundo, como Nova York, Lisboa, Paris e Londres. As maiores manifestações aconteceram em São Paulo e no Rio de Janeiro. Usando imagens aéreas dos atos, a BBC News Brasil calculou a área ocupada pelos manifestantes e fez estimativas conservadoras do número de presentes: 100 mil pessoas no Largo da Batata, em São Paulo, e 25 mil na Cinelândia, no Rio, no momento de pico.


Não se sabe se a manifestação terá impacto nas eleições. Bolsonaro lidera as pesquisas de intenção de voto, com 28%. Desde o início da campanha, o candidato teve trajetória de crescimento. Tinha 20% no final de agosto, foi para 22%, então 26% - dados do Ibope. Em 18 de setembro, chegou aos 28%, onde estacionou. Também no sábado, ocorreram manifestações de apoio a Bolsonaro, mas em menor escala. Neste domingo, 30, manifestantes a favor do candidato do PSL se reúnem na avenida Paulista, em São Paulo.
A BBC News Brasil destaca abaixo quatro ângulos importantes para entender o #EleNão.

1) A maior manifestação de mulheres da história do Brasil

Céli Regina Jardim Pinto, professora do Departamento de História da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, se debruçou sobre a história do feminismo no Brasil e afirma que o #EleNão de 29 de setembro foi a maior manifestação de mulheres da história do Brasil.

"O feminismo da minha geração era formado por mulheres acadêmicas ou de movimentos sociais. Teve muita influência na Constituição de 1988, mas era muito fechado em um grupo. Ainda por cima, era muito mal visto tanto pela sociedade mais conservadora como pela própria esquerda", explica.

"O que aconteceu agora foi uma popularização do feminismo. Está espraiado na sociedade. Ninguém mais pode dizer que é contra os direitos das mulheres".
Além disso, o movimento de sábado abraçou pautas que vão muito além do feminismo. "#EleNão virou um significante cheio de significados. Isso é muito importante na luta política. Começou pelas mulheres, porque Bolsonaro disse frases de baixo nível em relação a mulher, e foi englobando muita coisa, como a defesa da democracia e dos direitos humanos", continua Céli.

Sob a liderança das mulheres, homens também aderiram ao movimento. A estilista Daniela Sabbag, que participou da manifestação no Rio de Janeiro, explica as pautas do #EleNão: "O movimento não é só das mulheres. É um movimento humanitário. A causa é contra o fascismo, o racismo, o esquecimento do que aconteceu na ditadura militar. É a favor da diferença".

"Nunca houve uma manifestação dessa envergadura contra um candidato. Na história, houve grandes comícios antes das eleições, mas sempre a favor de alguém. É surpreendente como o #EleNão conseguiu juntar tanta gente para se manifestar contra um candidato", diz Céli.

2) Mulheres e homens votam diferente pela primeira vez na história

Os números ajudam a entender o movimento das mulheres nas ruas. Essas são as eleições presidenciais em que homens e mulheres votam de forma mais diferente.

Se dependesse dos homens, Bolsonaro sairia do primeiro turno isolado no primeiro lugar. O ex-capitão do Exército tem 37% da intenção de voto deles. Já se dependesse das mulheres, Bolsonaro terminaria empatado com Fernando Haddad. Entre elas, o militar tem 21%, contra 22% do candidato do PT. Os dados são da última pesquisa Datafolha, divulgada na noite de sexta-feira (28).
Segundo dados levantados pela BBC News Brasil desde o fim da ditadura militar, nunca houve uma diferença tão grande no voto de homens e mulheres.

Além de ter menos votos de mulheres, Bolsonaro é mais rejeitado por elas. Ainda segundo o Datafolha, 52% das mulheres dizem que não votam no ex-capitão do Exército de jeito nenhum. Entre os homens, o percentual é de 38%.

Assim, as mulheres representam a maior pedra no sapato de Bolsonaro em um possível segundo turno. "Se Bolsonaro conseguir 30% dos votos das mulheres, ele vai precisar de 70% dos votos dos homens para vencer. Fica difícil", exemplificou o cientista político Bruno Wanderley Reis, da Universidade Federal de Minas Gerais, em entrevista para a BBC News Brasil.

A designer Isabela de Oliveira, que também se juntou ao #EleNão no Rio, diz esperar que os protestos de sábado levem mais mulheres a rejeitar Bolsonaro: "Espero que sirva para as pessoas sentirem coragem de lutar contra ele. Porque vejo muitas pessoas pouco politizadas ou resignadas, e vendo essas massas na rua contra ele, espero que possam parar para pensar".

3) Manifestação mais à esquerda, mas que englobou todo o espectro político

Para Céli, o movimento #EleNão reuniu principalmente manifestantes de esquerda ou centro-esquerda. "Mas cabem outras bandeiras", diz ela.

De fato, diferentes grupos ocuparam as ruas no sábado: de anarquistas a torcidas organizadas de futebol, evangélicos e "policiais contra o fascismo" - há fotos e vídeos desse último grupo no Rio, Recife e Natal. Em São Paulo, uma mulher segurava um cartaz que dizia "sou policial e #elenão me representa". Outro cartaz dizia: "Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito. Ele nunca".

No Rio, um grupo denominado "Torcedores Pela Democracia" uniu apoiadores de clubes rivais: Vasco, Flamengo e Fluminense, entre outros.

Houve até quem segurasse um cartaz nos protestos que dizia "sou coxinha, mas não sou fascista #elenão".

No protesto que aconteceu no Rio, a estilista Daniela Sabbag disse ser contrária a Bolsonaro, mas também afirmou não ser eleitora do PT - embora tenha admitido que votará no partido caso tenha que escolher entre Haddad e Bolsonaro no segundo turno.

"O Bolsonaro representa tudo que não quero para o Brasil. Além de falar as besteiras que ele fala, é despreparado, age no feudo dele, não tem representatividade", considera. "O que eu quero é a terceira via. Quero alternância política. Não quero o PT também. Mas não voto nele (Bolsonaro) de jeito nenhum, e voto no PT se tiver que ser."

Dandara Jesuine, mestranda em ciência política que aderiu ao movimento no Rio, ressaltou a presença de movimentos e pessoas com perfis muito diversos no protesto - de artistas da Globo a removidos de favelas cariocas.

Para ela, a adesão a Bolsonaro foi uma reação ao crescente engajamento de minorias e sua mobilização contra o sexismo, racismo e homofobia. "Estamos vendo um terceiro movimento, com esses grupos reagindo porque estão horrorizados com os valores que ele defende", diz. "Isso não é um movimento coeso. Mas as pessoas estão juntas para afirmar que não dá para deixar a extrema-direita crescer."

Céli diz que mesmo com uma composição mais variada de eleitores no #EleNão, o que importa agora é observar como a manifestação vai se refletir na composição dos votos. "Quem foi para a rua não votava no Bolsonaro. A questão é saber como esse movimento refletiu em quem não foi para rua. Tem coisas na política que são bem tradicionais e que pesam muito - primeiro o boca a boca. Qual impacto isso vai ter na intenção de voto?", questiona.

4) Redes sociais foram fundamentais na organização do movimento

O #EleNão saiu das redes sociais para as ruas. A ideia teria surgido no grupo de Facebook Mulheres Unidas Contra Bolsonaro, que tem hoje 3,88 milhões de membros. A partir daí, o movimento se espalhou pelas redes. Mulheres, anônimas e famosas, brasileiras e estrangeiras começaram a postar a hashtag nas redes sociais - entre elas, Madonna. Homens também aderiram.

"As redes sociais foram importantes na popularização do feminismo, principalmente o feminismo jovem", diz Céli.

Essa não foi a primeira vez que as redes sociais impulsionaram movimentos feministas no Brasil. Em março de 2014, surgiu uma das primeiras hashtags feministas nacionais, a #NãoMereçoSerEstuprada. Em 2015, foi a vez de #PrimeiroAssedio e #MeuAmigoSecreto. No final do ano passado, o #MeToo viralizou fora do Brasil e também aportou por aqui.

A diferença é que essas demais campanhas eram movimentos puramente de redes sociais, enquanto o #EleNão convocou protestos em todo o país e foi capaz de reunir mais de 100 mil mulheres.

"Viemos para dizer que estamos aqui, que as mulheres estão unidas. Chegamos a um momento em que todo mundo tem que se unir, independente do partido", disse Aline Jerê, chef de cozinha, que participou do #EleNão no Rio junto com a namorada. "Foi um movimento no qual as mulheres, que historicamente são apagadas, tomaram a frente. Estamos mudando isso", falou a estudante Yuri Rodrigues, uma mulher trans.

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!