Violência contra a mulher

O escândalo sexual que levou Academia Sueca a desistir do Nobel deste ano

Getty Images
Em 1936, o vencedor não foi anunciado: o americano Eugene O'Neill, autor de Longa Jornada Noite Adentro, ganhou o Nobel no ano seguinte Imagem: Getty Images

da BBC

04/05/2018 08h11

A Academia Sueca, organização que escolhe os agraciados pelo Nobel de Literatura, disse que não anunciará o ganhador de 2018 neste ano por causa de um escândalo de abuso sexual que atingiu a instituição.

Em um comunicado, a academia diz que a decisão foi tomada por causa do estado atual "reduzido" da Academia e da "perda de confiança pública" na casa. Diz ainda que precisa rever seus estatutos e práticas e questões de conflito de interesses.

Veja também

No centro da decisão está um escândalo sexual que começou a vir à tona há seis meses, quando surgiram denúncias de agressão sexual, feitas por 18 mulheres, contra um fotógrafo francês, Jean-Claude Arnault, que dirige um projeto financiado pela Academia Sueca e era um dos homens mais influentes da cena cultural de Estocolmo.

Entre as autoras das denúncias estão integrantes da academia (o equivalente sueco à Academia Brasileira de Letras) e mulheres de integrantes. Arnault é casado com a poeta e escritora Katarina Frostenson, também da Academia Sueca.

Várias das supostas vítimas disseram que foram vítimas de agressão sexual em instalações da própria Academia.

Jonas Ekstromer/Via Reuters
A secretária permanente da Academia Sueca, Sara Danius, anunciou que deixaria o cargo em abril de 2018 Imagem: Jonas Ekstromer/Via Reuters

Seus integrantes votaram contra a expulsão de Frostenson; isso, juntamente com acusações de conflito de interesse, acabou dividindo o comitê que escolhe o Nobel de Literatura.

A divisão fez com que sete membros renunciassem - entre eles, Frostenson e a secretária permanente do órgão, Sara Danius.

A Academia ficou com apenas 11 membros; o estatuto exige um quórum de 12 membros para aprovar novos integrantes.

Tecnicamente, os membros da academia ocupam posições vitalícias e não podem renunciar, mas podem optar por não participar de suas reuniões e decisões. O patrono da Academia, o rei Carlos 16 Gustavo da Suécia, já disse que pretende mudar as regras para permitir a renúncia formal.

Mesmo com número reduzido, a decisão de adiar a entrega do prêmio não foi unânime. Alguns membros defendiam manter a tradição e outros argumentavam que o momento não é propício para conceder prêmios.

Acredita-se que a campanha #MeToo (#eutambpem), iniciada após o escândalo sexual envolvendo o produtor de Hollywood Harvey Weinstein e que que conseguiu unir milhares de mulheres assediadas, teve um peso na votação final.

Em outro comunicado divulgado nesta sexta-feira, a Fundação Nobel informou que é "séria" a crise na Academia Sueca, que concede a premiação. Esclareceu ainda que a decisão de adiar o anúncio foi tomada para manter a reputação do prêmio, que já foi distribuído 110 vezes a 114 pessoas entre 1901 e 2017. E disse também que as outras categorias não serão afetadas.

O que acontece agora?

O ganhador de 2018 será anunciado juntamente com o de 2019, no ano que vem. Não será a primeira vez que isso acontece. Nenhum prêmio foi anunciado em 1936, mas o vencedor daquele ano foi concedido em 1937 ao dramaturgo americano Eugene O'Neill, autor de Longa Jornada Noite Adentro. E o ganhador de 1937 foi o francês Roger Martin du Gard.

Até hoje, o Nobel de Literatura não foi entregue em sete ocasiões, sem que tivessem sido divulgadas as razões. Seis delas em anos das Guerras Mundiais (1914, 1918, 1940-1943) e o de 1935.

O Prêmio Nobel

  • O cientista e inventor sueco Alfred Nobel criou o prêmio em 1885.
  • Inicialmente, eram cinco as áreas agraciadas: Química, Literatura, Paz, Física e Medicina.
  • O Nobel de Economia foi criado em 1968, em homenagem a Alfred Nobel.
  • O Nobel da Paz é o único escolhido por um comitê norueguês; os demais são selecionados por pessoas ligadas à Academia Sueca.
  • Os vencedores do Nobel de Literatura ganham uma medalha de ouro, um diploma e dinheiro. Eles também são convidados a dar uma palestra, seguida por um baquete e a cerimônia de premiação.
  • Em 2017, o Nobel de Literatura foi entregue ao autor britânico-japonês Kazuo Ishiguro e, em 2016, ao cantor e compositor americano Bob Dylan.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Estadão Conteúdo
Blog da Regina
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC Brasil
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
BBC
Da Universa
AFP
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
DW
EFE
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
ANSA
Da Universa
Da Universa
Topo