Violência contra a mulher

Procurador-geral de NY se demite após acusação de violência contra mulheres

Getty Images
Eric Schneiderman, procurador-geral de Nova York acusado de abuso sexual e ameaças Imagem: Getty Images

da AFP, em Nova York

08/05/2018 08h31

O procurador-geral do estado de Nova York, Eric Schneiderman, anunciou sua demissão nesta segunda-feira, horas após a publicação de um artigo no qual várias ex-companheiras o acusam de condutas violentas e ameaças, o que ele nega.

Schneiderman avaliou que as acusações, que não estão relacionadas com sua atividade profissional, o impedem de "dirigir a procuradoria neste período crítico", e anunciou sua demissão, que será efetiva na noite desta terça-feira.

Veja também

"Nas últimas horas fizeram denúncias sérias contra mim, que contestei com firmeza", declarou Schneiderman.

Em um artigo publicado no site da revista New Yorker, duas mulheres denunciaram abertamente Schneiderman, e outras duas fizeram acusações sob anonimato.

Mannig Barish, uma das supostas vítimas, garantiu ter mantido uma relação com Schneiderman entre o verão (boreal) de 2013 e o final de 2015, enquanto outra mulher, identificada no artigo como Tany Selvaratnam, revelou um relacionamento com o procurador entre o verão de 2016 e o outono de 2017.

As duas mulheres afirmam que foram agredidas por Schneiderman em várias ocasiões quando ele estava sob o efeito de bebidas alcoólicas, incluindo estrangulamentos, no que entenderam como uma tentativa de dominá-las física e psicologicamente.

Schneiderman, segundo as denunciantes, as ameaçava de morte caso abandonassem a relação.

"Na intimidade de relações privadas, participei de jogos e outras atividades sexuais consentidas (...) mas não agredi ninguém e jamais mantive relações sexuais não consentidas", declarou Schneiderman em um comunicado.

Procurador desde 2010, Schneiderman se tornou um dos oponentes mais ativos do presidente Donald Trump e promoveu numerosas ações legais contra medidas da administração federal ligadas ao clima, à imigração e à neutralidade na Web.

Um dos autores do artigo na New Yorker é o jornalista e escritor Ronan Farrow, filho de Mia Farrow e Woody Allen, e recente ganhador do prêmio Pulitzer por sua matéria sobre o produtor de Hollywood Harvey Weinstein.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Estadão Conteúdo
Blog da Regina
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC Brasil
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
BBC
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
ANSA
Da Universa
Da Universa
DW
EFE
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Bloomberg
ANSA
Da Universa
Da Universa
Topo