Retratos

Instantâneos de realidade do Brasil e do mundo

Mulheres e drag queens chegam à chefia de baterias universitárias

Marcelo Justo
Julia Thayna Bet, comanda a bateria formada por 80 alunos da Universidade Federal do ABC (UFABC) Imagem: Marcelo Justo

Letícia Dauer

Colaboração para a Universa

26/05/2018 04h00

Mulheres e membros da comunidade LGBTQ estão fazendo mais barulho do que nunca em faculdades de São Paulo: ao menos dentro das baterias universitárias, que ganham suas primeiras presidentes e líderes, rompendo a hegemonia masculina.

A presidente Gabriela Cesaro, 23, e a mestre Julia Thayna Bet, 21, são mulheres e comandam a Infanteria, bateria formada por 80 alunos da Universidade Federal do ABC (UFABC), por mais que 70% dos ritmistas da trupe ainda sejam homens.

Veja também:

Desde sua fundação em 2009, é o primeiro ano que a Infanteria tem uma mestre do sexo feminino. "Os ensaios ainda não começaram e estou nervosa em ser a primeira mulher a liderar a bateria, pois há muitos ritmistas que são mais velhos do que eu e ex-alunos. Não sei qual será a reação deles ao ver uma mulher à frente", diz Bet vestindo uma camiseta verde e preta, cores oficiais da bateria, enquanto ajeita os cabelos cacheados.

Bet é responsável pelos ensaios da "Infanteria Show", que faz apresentações em casamentos e cervejadas da universidade, principal meio de arrecadação da bateria. Diferente do repertório em torneios dominado pelo samba, esses shows têm músicas com ritmos de funk, MPB e até rap. 

Há três anos na bateria, Cesaro é a segunda mulher a ocupar a presidência e conta que nunca se sentiu desrespeitada no cargo. “Muitos meninos entram machistas e conservadores, porém vão se desconstruindo com a ajuda dos amigos e das entidades que frequentam, como a bateria", afirma a presidente da Infanteria, que leva uma hora e meia para ir da sua casa, no Brooklin, na zona sul de São Paulo, até a UFABC em Santo André. Sob a sua batuta, a bateria venceu o Interbatuc 2017, torneio nacional de baterias universitárias.

Arquivo pessoal
Guilherme Felício nas horas vagas é diretor de criação na Bateria do Pucão, da PUC-SP Imagem: Arquivo pessoal

Drag no samba

Guilherme Felício, 19, é estudante de publicidade e propaganda e nas horas vagas é diretor de criação na Bateria do Pucão, do curso de Comunicação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), porém isso não é tudo. O jovem também se divide em Samira Felicious. A drag queen conseguiu nascer e se desenvolver graças ao espaço acolhedor da bateria, na qual metade dos integrantes são LGBTQ.

O ritmista relembra que logo em sua primeira apresentação estava usando salto alto e não parou mais. Sua primeira criação foi a Puqueleza, uma personagem com características caninas influenciado pelo Pucão, o cachorro que é mascote da bateria. Em seguida, inspirado pela drag youtuber Lorelay Fox, começou a se montar e se maquiar até o nascimento da Samira Felicious.

Assim como a cantora Pabllo Vittar, durante suas montações, Felício se descobriu não-binário, ou seja, se identifica tanto com o gênero masculino quanto o feminino. "Eu comecei a me auto-afirmar nos espaços que eu frequentava, e que eram completamente heterossexuais. Então eu me senti forte o suficiente para me reencontrar. Hoje não me importo em ser chamada de ele ou ela",

Como não-binário e drag queen, ele espera inspirar outros estudantes a assumirem sua sexualidade e participarem das entidades da universidade. "Eu gosto da bateria e da atlética, porque hoje eles são abertos a entender o que eu digo e me respeitam. É importante também desvincular a imagem machista e conservadora das gestões passadas", diz Felício que apesar de usar óculos de grau não esconde as sobrancelhas perfeitamente desenhadas.

Uma bateria feminina

A Bateria Cásper Líbero é dominada pela força feminina, sendo mulheres 40 dos 57 ritmistas. Além disso, em 20 anos, essa é a segunda vez que uma mulher ocupa o cargo de diretora de modalidade, correspondente ao de presidente. Manuela Barbosa, 19, conta que o ambiente da bateria é muito livre. "O repinique [um tambor pequeno com pele em ambos os lados], por exemplo, é um instrumento considerado masculino e normalmente só tem um por bateria. Entretanto nós temos seis mulheres tocando repiniques e eu sou uma delas".

Como diretora de modalidade, Barbosa é responsável pela comunicação entre a bateria e a atlética. Apesar da predominância feminina, durante as reuniões com os representantes das outras entidades, ela relata que não é ouvida ou recebida da mesma maneira que seu vice-diretor. "Quando assumi esse cargo, eu sabia que teria dificuldades por ser mulher, mas é algo que vale a pena. Sou apaixonada pela bateria desde a apresentação no dia do meu vestibular".

Em 2016, a apresentação da Bateria Cásper Líbero no Balatucada, um dos maiores torneios de baterias universitárias do Brasil, foi a prova que o samba também é símbolo de resistência feminina. No episódio, todas as mulheres tocaram um breque, enquanto os homens levantaram uma faixa na qual estava escrito "respeita as minas".

De baixa estatura, cabelos curtos e piercing no nariz, Barbosa conta que aproveitaram o torneio para fazer essa manifestação, porque o Balatucada é um grande evento que reúne as 30 baterias mais expressivas do país. "Levantamos a bandeira do feminismo para mostrar que também temos voz. As mulheres são a maioria na Cásper, por que não levantar essa pauta?"

Sem instrumento de mulher

Uma bateria se divide entre cozinha, que concentra os instrumentos de som mais grave e pesados, e a frente, de som mais agudo e leves. Basta assistir a uma apresentação para perceber a divisão de gênero. Normalmente as mulheres tocam agogô, tamborim, chocalho, enquanto os homens tocam surdo, caixa, repinique. 

O estigma da fraqueza ainda persegue as mulheres, inclusive no mundo do samba. A presidente da Infanteria, Gabriela Cesaro, diz que, de maneira inconsciente, muitos ritmistas ainda compactuam com essa divisão dos instrumentos a partir do gênero. "Eu toco chocalho que é um instrumento considerado de menina por ser mais leve. Eu não lembro, por exemplo, de ter visto um menino heterossexual tocando esse instrumento", afirma Cesaro com a voz cansada, após conversar mais de uma hora com a reportagem.

Para Dominick Gonche de Oliveira, 23, presidente da Liga Nacional de Baterias Universitárias (LNBU), a coordenação motora, o ritmo e a capacidade cognitiva são mais importantes para a composição ou reprodução de uma música. Tocar um instrumento é diferente de fazer um exercício, por isso não depende da força física. "O homem não dá a possibilidade para as mulheres tocarem o que quiserem, porque não acreditam que elas sejam capazes e na minha bateria não é diferente". 

Oliveira também é ritmista da bateria Bandida da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (Each), que reúne cerca de 100 estudantes. Ela sorri quando fala, mesmo de assuntos como o degrau que as mulheres ainda têm de subir para chegar à igualdade nas baterias. "Os alunos, quando entram, não sabem que uma mulher é capaz de ser mestre tanto quanto um homem. Não sabem que homens e mulheres são capazes de tocar qualquer instrumento independente do peso".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário da Universa. É grátis!

Da Universa
BBC
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
AFP
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
Da Universa
BBC
do UOL
Redação
do UOL
do UOL
Topo