Topo

Mês do Orgulho LGBTQ+


Tudo em nome do close: eles não descem do salto nem na Parada LGBTQ+

Natália Eiras

Da Universa

2019-06-23T18:03:21

23/06/2019 18h03

O trajeto da Parada LGBTQ+, que acontece nesse domingo (23), em São Paulo (SP), tem, da avenida Paulista até o Vale do Anhangabaú, 3,5km de extensão, com direito a declives e ruas esburacadas. Isso sem falar que, pelo caminho, há milhares de latinhas de cerveja e muito aperto atrás do trio. Uma jornada e tanto para ser feita, ainda que com tênis. No entanto, os "closeiros" subiram em seus sapatos de salto alto.de 10 cm de altura e fizeram bonito.

Juliana Joy, 22, curtiu a parada em uma sandália esmeralda de salto fino. Ela admite que é difícil ficar em cima dele, e diz que o segredo é se manter animada.

"E cachaça, porque aí a gente fica soltinha e nem sente o pé doer", grita, enquanto desfila pela Paulista.

Matheus Pariz, 20, ainda está aprendendo a se equilibrar nas sandálias, porque é drag queen há apenas três meses. "Eu treinei bastante em casa, mas é preciso ter muita força e vontade para aguentar". A dica que ele dá é a prática. "Só usando sempre para calejar os pés."

Talco e sapato anatômico

A drag queen Melissa Vittar almoçou descalça para dar um descanso ao corpo. E ela ensina um truque: "Passo talco. Dá uma protegida no pé e evita o suor. Diminuindo o atrito com a pele, fica mais difícil criar bolhas. "Vou cansar, mas não vou sentir dor", diz Melissa.

Outra dica é poupar os pés um dia antes de dar close no saltão. "Eu os deixo de molho para ficarem relaxados."

Já Kleber Vigeta, 24, toma cuidado de escolher modelos mais anatômicos. "Uso esses com meia pata, porque dá mais apoio", fala. Ele também procura tamanhos corretos. "Não adianta nada comprar um sapato pequeno porque ele é lindo se você vai morrer toda vez que usar."

Samantha Albuquerque, 39, se monta desde os 15 anos. A experiência reflete no salto mais baixo, mas, ainda assim, glamoroso. "Já estou acostumada a ficar em cima deles. Não sinto mais nada", afirma.

"Estou lindíssima, quero ir até o final", completa Melissa.

Mais Mês do Orgulho LGBTQ+