Topo

Sexo


Sexo

O que fazer com um parceiro sexual egoísta?

iStock
Dirigir o parceiro durante a relação sexual pode ajudar ambas as partes a se entenderem e se divertirem mais Imagem: iStock

Heloísa Noronha

Colaboração para Universa

2019-06-21T04:00:00

21/06/2019 04h00

Parceiro que adora receber sexo oral, mas não faz; que vira e dorme depois do sexo; que não presta atenção no que a mulher comenta que quer experimentar; que sempre quer fazer do jeito dele e por aí vai. Esse tipo de atitude egoísta pode minar a mais promissora das relações.

Ainda que o casal se dê bem fora da cama, ter as vontades ignoradas na hora da transa pode levar o relacionamento ao fim. Se você vem passando por essa situação, antes de tomar a decisão de cair fora, que tal tentar colocar em prática as sugestões a seguir?

Tente se colocar no lugar da pessoa

Em alguns casos, alguma atitude percebida como sinal de egoísmo ou descaso é tida como algo absolutamente normal para a outra pessoa. Um exemplo clássico é o do homem que terminou de transar e vai direto tomar banho ou vira para o lado e cai no sono. Muitas mulheres se sentem usadas com esse tipo de reação, mas é preciso entender que as consequências do orgasmo são diferentes para os dois. Ambos relaxam, mas elas ficam acesas e eles precisam de um tempo para se recompor. E, quando estão cansados, aí é que dormem mesmo!

Exponha o que incomoda sem criticar

O diálogo é fundamental para uma vida sexual plena. Muitas coisas ficam só no plano do desejo e da fantasia simplesmente porque as pessoas têm vergonha de abrir o jogo sobre o que querem. Se você não pedir, dificilmente vai conseguir o que almeja, pois o parceiro não tem condições de adivinhar o que se passa na sua cabeça. Se acha que ele, de alguma forma, poderia melhorar na cama, diga. Em vez de criticar ou julgar a performance dele, porém, apresente a ideia como algo que pode melhorar ainda mais os momentos maravilhosos que costumam compartilhar.

Entenda que a pessoa pode não se perceber egoísta

Todo o mundo tem suas crenças, principalmente sobre sexo. A educação e as experiências anteriores de cada um acabam moldando suas preferências --e nem sempre elas coincidem. Talvez seu par aja como um egocêntrico na cama porque aprendeu que "homem age assim". Não se trata de desprezar ou ignorar os seus desejos de forma proposital, mas de um repertório aprendido e consolidado ao longo da vida. Olhar para a história de cada um com respeito e carinho é um fator decisivo para o casal se dar bem.

Apresente vantagens

Alguns parceiros têm o péssimo hábito de acreditar que o jeito que eles sabem fazer certas coisas é único e não deve ser contestado. Mais do que propor novidades, o ideal é apresentar as vantagens sobre tentar determinada posição ou prática e mostrar o que isso pode trazer para os dois. Outra sugestão é questionar --mais uma vez, sem tom de crítica ou julgamento-- a razão pela qual o parceiro gosta tanto de fazer determinada coisa de um certo jeito. A partir do que ele falar, indique alternativas que a fariam ficar ainda mais excitada e a sentir prazer extra.

Getty Images
Ajude o companheiro a entender como você gosta de ser estimulada Imagem: Getty Images

Crie a estratégia reversa: elogie!

Elogiar algo que não está nada bom? Como assim? Sim, isso mesmo. Se vocês estão juntos há um certo tempo, provavelmente o parceiro já mandou bem mais de uma vez na cama em situações específicas. Puxe esses momentos da memória e se lembre do que ele fez para que sentisse tanto prazer na ocasião. Diga a ele, então, que gostaria de uma sessão "flashback", descrevendo exatamente o que é necessário para ter um orgasmo alucinante novamente.

Assuma o controle da situação

Para isso, você precisa ter um bom conhecimento sobre o próprio corpo. A masturbação é a melhor ferramenta para isso, pois permite identificar quais são os seus pontos sensíveis e de qual maneira prefere ser estimulada. A partir daí, diga exatamente como você gosta e peça a ele que faça. Ao dar um tom lúdico à transa --brincando, por exemplo, de exploração do mapa do prazer--, é possível envolver melhor o outro na situação.