Topo

Relacionamentos


Relacionamentos

Quer abrir a relação? 5 atrações da Netflix para entender como funciona

Elisa Soupin

Colaboração para Universa

2019-06-03T04:00:00

03/06/2019 04h00

Relacionamentos não-monogâmicos são cada vez mais comuns.

Ou, talvez, eles sempre tenham existido na mesma frequência e agora as pessoas apenas estejam falando mais sobre o assunto e assumindo as outras formas de amar.

Seja como for, o tema ainda é um tabu e traz dúvidas e questionamentos. Universa preparou uma lista de títulos espalhados pela Netflix para refletir sobre poliamor e relacionamentos abertos. Tem filme, série, documentário, drama, comédia. Se joga!


Newness

Divulgação
Imagem: Divulgação

Martin (Nicholas Hoult) e Gabi (Laia Costa) são dois millenials que se conhecem em um aplicativo e a relação casual vai amadurecendo quando os dois se apaixonam e eles vão morar juntos. Logo, eles decidem manter a relação aberta e esse arranjo traz à tona as pendências emocionais, inseguranças, questionamentos e padrões de relacionamento que os dois precisam entender, juntos e individualmente.


Wanderlust - Navegar é preciso

Divulgação
Imagem: Divulgação

Essa produção inglesa é especialmente interessante por tratar de uma relação aberta entre pessoas maduras, ao contrário da maioria das tramas com essa temática. Na série, acompanhamos o professor Alan (Steven Mackintosh) e a terapeuta Joy (Toni Colette), casados há mais de 20 anos e pais de três filhos. Eles são amigos e parceiros, mas o apetite sexual já não é o mesmo. Por entenderem que o sexo é importante, começam a conversar sobre abrir a relação. Em seus seis episódios, a série acompanha os erros e acertos do casal tentando viver o novo acordo e preservar o casamento, inclusive contando para os filhos sobre o novo arranjo. O grande destaque vai para os diálogos densos e intensos, que fazem o telespectador mergulhar nos personagens. A interpretação dos protagonistas também dá show.

Eu, tu e ela

Divulgação
Imagem: Divulgação

A série conta a história do casal Emma (Rachel Blanchard) e Jack (Greg Poehler) que tem uma relação sólida, mas está passando por um momento morno. Uma estudante, Izzy (Priscilla Faia) oferece aos dois um serviço de acompanhante. Ambos acabam se apaixonando por ela, e são correspondidos. Assim, se forma o trisal da trama, que aborda com humor e leveza a relação entre três pessoas, com seus percalços, lados positivos, dificuldades e sexualidade. Como, por exemplo, quando um está mais afim de sexo com um determinado parceiro do que com o utro ou como é um término quando se namora a três.


Easy

Divulgação
Imagem: Divulgação

A série é uma antologia, ou seja, cada episódio tem núcleos e personagens independentes entre si, e cada temporada acompanha a evolução dessas tramas. Ambientada em Chicago, as três temporadas logo viraram um sucesso indie por tratarem com destreza de temas como amor, relacionamentos, dinheiro, família, sonhos e autoimagem. Duas dessas tramas falam de relacionamentos abertos. O episódio seis da primeira temporada se chama Utopia e mostra o casal Lucy (Malin åkerman) e (Tom) Orlando Bloom, que decide explorar o Tinder e acaba dando match com a professora de música de sua filha neném. Explora, principalmente, o momento inicial em que o casal começa se abrir à ideia de um envolvimento sexual com uma terceira pessoa. O outro caso é o casamento de Andi (Elizabeth Reaser) e Kyle (Michael Chernus), que, ao longo das temporadas, moda de monogâmico para aberto e mostra as questões que surgem com o novo arranjo, as novas relações, como lidam com os filhos, ciúmes, paixões e inseguranças. As interpretações são um ponto alto. Para acompanhar, anota aí:

Primeira temporada: episódio 1 (A p**ra do estudo)
Segunda temporada: episódio 2 (Casamento aberto)
Terceira temporada: episódios 1 (Deslize para a direita) e 5 (Deslize para a esquerda)


Explicando - Monogamia

Divulgação
Imagem: Divulgação

Explicando se trata de uma série de documentários com temas independentes. O episódio de número três trata de monogamia, mas não se deixe enganar pelo título. Ao longo de seus 18 minutos, o programa faz uma reflexão biológica, histórica, cultural e econômica sobre a monogamia e faz pensar sobre como o modelo monogâmico não é o natural para a nossa espécie e sim uma construção que serve aos mais diferentes propósitos. Imperdível.