Topo

Relacionamentos


Relacionamentos

O meme "Fé nas malucas" fez a internet discutir ciúme excessivo na relação

Getty Images/iStockphoto
O que começou como uma brincadeira na internet se tornou "justificativa" para ciúme e insegurança Imagem: Getty Images/iStockphoto

Jacqueline Elise

Da Universa

2019-06-03T04:00:00

03/06/2019 04h00

Uma expressão tomou o Twitter novamente nas últimas semanas: "Fé nas malucas". Desde 2018 saíram músicas com a frase, com homens cantando sobre suas namoradas que eles chamam de "surtadas" e "ciumentas" por elas desconfiarem da fidelidade deles --e que eles as amam desta forma.

Dizer que a companheira é "surtada" pode passar um estereótipo machista sobre as mulheres, mas teve gente que abraçou o meme e "assumiu" a pecha de louca.

O problema é que a coisa passou dos limites e expôs situações que podem ser reconhecidas até como ciúme excessivo: quando um implica que o outro colocou senha no celular, que ele não deixou ler suas mensagens de texto ou quando passa a controlar com quem a pessoa sai e quem curte as postagens dela nas redes sociais, por exemplo.

Apesar de ter começado como uma brincadeira, algumas pessoas acharam que o "fé nas malucas" deu margem para que o ciúme e a insegurança fossem romantizados nas relações, especialmente naquelas entre homens e mulheres --por isso o "malucas" está no feminino. Além disso, trata o sentimento como se fosse exclusivamente feminino --o que, claro, não é verdade.

Ao mesmo tempo, tem quem acredite que os homens deram motivos para que as mulheres ficassem tão inseguras nos relacionamentos ao traí-las e descreditarem qualquer suspeita da parceira.

Mas, afinal, o "fé nas malucas" tem razão para existir ou o pessoal está passando dos limites e tentando justificar o injustificável?

Insegurança gera ciúme, mas é coisa de mulher?

Ciúme é um sentimento comum do ser humano e que não escolhe gênero, mas mulheres são constantemente vistas como naturalmente ciumentas e tidas como "malucas" por se sentirem assim. Ellen Moraes Senra, psicóloga e especialista em Terapia Cognitivo Comportamental, explica que as redes sociais viraram ferramentas para alimentar o ciúme alheio, mas que estereótipos de gênero também influenciam nas relações e faz com que algumas mulheres se sintam inseguras em um relacionamento com um homem.

"Ainda existe uma grande defesa da sociedade machista de que 'homem trai mesmo, faz parte', isso influencia na sensação de insegurança. Com as redes sociais as coisas ficam mais escancaradas, uma delas é a traição. Então o que antes era feito por baixo dos panos fica exposto para todos saberem, e não é uma exposição só para ele, é para ela também", explica.

Marina Vasconcellos, psicóloga, psicodramatista e terapeuta familiar pela PUC-SP, também afirma que existem pessoas manipuladoras, que tentam convencer o outro de que ele não fez nada e que é tudo invenção --o famoso gaslighting--, quando na verdade está tentando esconder algo. "Você pode ter razão de duvidar de alguém, mas aí a pessoa vai inverter a situação e fazer a outra se sentir culpada por pensar assim, fazendo-a parecer louca e culpada", diz.

Quando o ciúme se torna doentio?

Apesar desses fatores, o ciúme não pode se tornar obsessão nem ser justificado como "prova de amor". Marina afirma que, se não houver limites, o ciúme pode se tornar preocupante.

"O ciúme passa a ser considerado patológico quando você não tem motivo específico para tê-lo. Tem a ver com o fato de a pessoa não confiar nela mesma, quando ela controla o outro, seja olhando as redes sociais do parceiro o tempo todo e perseguindo quem curtiu o que o outro postou, quer ver o WhatsApp e ler as conversas pessoais dele".

Ela explica que a origem deste comportamento pode estar atrelada a eventos marcantes no passado, como exemplos pouco saudáveis de relacionamentos na família ou uma traição passada que resultou em trauma.

Como se livrar desse comportamento

As especialistas aconselham que o assunto seja tratado em terapia, tanto para saber de onde vem tanta insegurança quanto para encontrar formas de aliviar o ciúme. Marina recomenda que a pessoa ciumenta escute mais o parceiro e amigos, para receber um "feedback" de como as atitudes dela afetam suas relações.

Ellen também afirma que é preciso trabalhar a autoestima e a autossuficiência. "A gente precisa entender que não comanda o outro. Não adianta querer fuçar o telefone, ligar de cinco em cinco minutos para saber onde o outro está. Não dá para achar que a pessoa está fazendo um favor para ficar com você, porque isso leva a comportamentos obsessivos, faz com que você deixe de viver sua própria vida".

É preciso, também, perceber os sinais de um relacionamento tóxico. Se a pessoa não te fazer bem e ainda faz você pensar que é "maluca", cuidado: há grandes indícios de que há abusos nessa relação.