menu
Topo

Mães e filhos


Mães e filhos

Mulher que nasceu sem útero é a primeira nos EUA a engravidar

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Da Universa

2019-05-10T12:49:48

10/05/2019 12h49

Uma mulher que nasceu sem o aparelho reprodutor conseguiu engravidar dois anos após ter se submetido a um transplante de útero. A canadense Kayla Edwards, de 27 anos, foi diagnosticada aos 16 com uma doença rara, conhecida como Síndrome de Rokitansky ou MRKH. A condição afeta 1 em cada 4.500 mulheres e apesar de não haver alterações no desenvolvimento, pessoas com a doença não menstruam e nem podem engravidar.

De acordo com o jornal inglês "Daily Mail", em 2017 a jovem se submeteu a um transplante raro na Universidade Médica Baylor, no Texas. Por três vezes desde então os médicos tentaram, sem sucesso, inseminar o novo útero.

Em janeiro de 2019, Kayla Edwards se tornou a primeira mulher na história dos Estados Unidos a conseguir engravidar. Antes disso o procedimento havia sido realizado com sucesso na Suécia, que foi a pioneira, na China, na Alemanha e na Turquia.

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Segundo o site "Bologna Today" o procedimento teria custado cerca de 58 mil dólares -- o equivalente a 229 mil reais. Para realizar o sonho de engravidar, Kayla Edwards e o marido se mudaram de Vancouver, no Canadá, para os Estados Unidos.

"Foi muito difícil porque toda a nossa família está lá. Não conhecemos ninguém no Texas. Mas quando surgiu essa oportunidade, sabíamos que não dava para deixar a chance passar sem ao menos tentar", contou a jovem, que demorou um ano para encontrar um doador.

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

"Nós deitamos na cama e sonhamos com o seu rostinho e ficamos imaginando com quem ela vai se parecer. É muito empolgante. É um sonho que se realizou", afirmou Kayla Edwards, que espera uma menina. A canadense também deseja que a sua história possa inspirar outras mulheres com a mesma síndrome que perderam as esperanças de engravidar.

"A razão pela qual eu estou fazendo isso é para dizer que eu também fiquei assustada em falar do assunto. Infertilidade ainda é um tabu para muitas mulheres que preferem não falar disso. Agora elas podem olhar para mim e terem esperança."