menu
Topo

Violência contra a mulher


Mulher narra agressões no Villa Mix: "Fingi desmaio para parar de apanhar"

Arquivo pessoal
Taynara Diniz Imagem: Arquivo pessoal

Elisa Soupin

Colaboração para Universa

2019-05-07T14:33:34

07/05/2019 14h33

Uma mulher de 29 anos afirma ter sido agredida por seguranças na boate Villa Mix, na Vila Olímpia, zona sul de São Paulo, na madrugada de domingo (5).

A empresária Taynara Diniz relata que chegou à casa por volta de 3h de domingo, com uma amiga carioca, que ela havia levado para conhecer o local. Um homem desconhecido, então, sem razão ou motivo aparente, teria jogado um copo de álcool no rosto dela, que jogou o próprio copo de volta. Assim, toda a confusão teria começado e só parado, segundo ela, quando Taynara fingiu um desmaio para cessar as agressões.

"Eu cheguei lá quase 3h com minha amiga e um cara me jogou um copo com bebida na cara. Acho que era gim. Meu olho ardeu muito, eu nem consegui ver o rosto do homem que fez isso comigo. Minha amiga foi tirar satisfação com ele e, nisso fomos arrastadas por seguranças homens para uma salinha, eles queriam impedir que a gente tirasse satisfação com o cara, que continuou na pista. Não sei se ele é alguém importante na casa", contou ela.

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Ela conta que foi agredida por cinco seguranças mulheres, enquanto um segurança homem ficava na porta, e um outro funcionário da casa, careca, entrava e saía da sala, para onde, de acordo com o relato, só ela foi levada: a amiga teria sido mandada embora da boate.

"Eu estava muito nervosa, tremendo, e tentando explicar que tinham me jogado bebida, queria sair dali e um segurança homem me segurando com força. Eu tava me debatendo porque ele estava me machucando e falei: 'Você está me machucando, eu vou chamar a polícia'. Então, tiraram meu telefone de mim e as seguranças mulheres, todas altas e fortes, me imobilizaram e me jogaram no chão. Recebi muitos socos na cabeça e pelo corpo. Tenho 1,55m e 53 kg, foi muita covardia", conta ela, que divulgou fotos em que aparece com roxos por todo o corpo.

Com medo do que poderia acontecer se as agressões continuassem, Taynara teria fingido um desmaio. "Fingi ter apagado para que elas saíssem de cima de mim. Quando saíram, corri para uma porta corta-fogo que tinha ali e gritei muito. Mas ainda havia uma grade verde ali, imensa, que é o que eu acredito ser o acesso para ambulâncias. Minha amiga que estava lá fora e um casal, que ia pegar o Uber para ir embora, ouviu meus gritos e começou a gritar de volta: 'Solta ela, a polícia está vindo'. E estava mesmo, minha amiga já havia acionado os policiais", relembra.

O pai da jovem e a polícia teriam chegado ao local em seguida e o celular de Taynara que, de acordo com ela, havia sido tomado, reapareceu. "Meu pai foi buscar no app onde meu celular estava e ele tinha sido achado no lixo por um faxineiro do local. Quem joga um celular no lixo? Até parece, eles tiraram de mim!", conta.

A polícia levou Taynara para o hospital Santa Paula, no Brooklin, também na Zona Sul, onde ela realizou exames. Depois, foi para a 27ª DP (Campo Belo) onde registrou o caso junto à amiga e ao casal que testemunhou os gritos.

Outro lado

A polícia informou, em nota, que está apurando o que aconteceu: "O caso é investigado por meio de inquérito policial instaurado pelo 96º DP. No momento do registro da ocorrência os envolvidos foram ouvidos e a vítima foi convocada a comparecer à unidade para prestar mais informações que possam auxiliar nas investigações", disseram.

O episódio de agressão não é o primeiro na história da Villa Mix, nem a única polêmica envolvendo a casa. Há inclusive denúncias no Ministério Público que acusam a boate de impedir a entrada de negros. A justiça também condenou a indenizar em R$ 60 mil reais uma ex-funcionária negra, que era direcionada a barrar negros na porta do local.

Procurada pela Universa, a Villa Mix informou que se posicionaria via redes sociais. Na tarde de terça (7), às 17h, soltou o seguinte comunicado:

São Paulo, 07 de maio de 2019. A "JHLS lanchonete e choperia", licenciada da marca Villa Mix, vem por meio desta nota esclarecer os acontecimentos do último dia 05/05/2019 sobre as acusações de uma jovem, que teria sido vítima dentro da casa "Villa Mix" de São Paulo. Na data referida, a jovem acusadora, conforme ela mesmo admite, teve um desentendimento com outro cliente gerando tumulto capaz de colocar em risco a integridade física dos envolvidos e de terceiros. Nesse momento, a equipe de segurança, composta de colaboradores de empresa terceirizada e especializada em eventos/casas noturnas, foi acionada para resolver a situação. A equipe feminina de colaboradas da empresa de segurança relata que, ao abordarem a jovem acusadora, conforme restou relatado perante a autoridade policial (Boletim de Ocorrência número 4029-2019), a mesma se mostrava descontrolada, em razão da discussão que teve com o outro cliente, inclusive teria agredido física e moralmente os colaboradores. A empresa informa que está acompanhando a apuração dos fatos e colaborará com as autoridades policiais para a responsabilização pelo lamentável acontecimento e determinou à empresa de segurança terceirizada o afastamento imediato dos seguranças envolvidos até que os procedimentos oficiais de apuração sejam concluídos. Por fim, a empresa reitera que repudia qualquer tipo de violência, discriminação, racismo e qualquer tipo de agressão à mulher ou prática oposta à sua finalidade: proporcionar momentos de alegria e descontração. Diretoria JHLS Lanchonete e Choperia

Uma publicação compartilhada por Villa Mix São Paulo (@villamixsp) em

Na conta de Instagram da casa noturna, muitos seguidores cobravam um posicionamento sobre o caso. Normalmente abertos ao público, os comentários das publicações foram desativados na tarde de terça (7).

"Depois que publiquei meu relato, parece que outras pessoas se sentiram à vontade para contar as próprias experiências. Recebi de um monte de gente denúncias de agressão e também de práticas absurdas adotadas pelos funcionários", disse Taynara. A empresária segue com muita dor. "Meu corpo todo dói, como apanhei muito na cabeça, está muito ruim para mastigar. Espero que meu caso siga de alerta para o que pode acontecer Ninguém de lá me procurou ou falou nada até agora", conclui.