menu
Topo

Direitos da mulher


Corredora britânica perde título no livro dos recordes por critério sexista

Jessica Anderson/Reprodução Instagram
Anderson na Maratona de Londres Imagem: Jessica Anderson/Reprodução Instagram

Da Universa

2019-05-06T11:28:11

06/05/2019 11h28

A britânica Jessica Anderson treinou para a Maratona de Londres com um objetivo em mente: ser a primeira mulher a completar uma corrida vestida como enfermeira. Apesar de ter alcançado sua meta, a corredora foi impedida de conquistar seu espaço no livro dos recordes Guinness World por causa do uniforme que estava utilizando.

Enfermeira há sete anos no Royal London Hospital, Anderson enviou sua candidatura para o livro dos recordes com as imagens de sua roupa em fevereiro. Para a ocasião, a corredora vestia uma calça e blusa azul, uniforme muito utilizado em clínicas e hospitais. Entretanto, sua conquista acabou sendo rejeitada pelo livro por não se encaixar nos critérios, que definiam que a mulher a atingir o feito deveria estar utilizando "um vestido branco ou azul, avental e touca branca".

"Isso não pareceu certo para mim", conta a corredora ao "The Washington Post". "Depois disso, era tarde demais para reenviar, mas eu não queria mudar minha roupa de qualquer maneira".

Em carta aos oficiais do Guinness, Anderson expressou seu descontentamento pela situação afirmando que o critério para o recorde o critério era "desatualizado e francamente bastante machista".

"Este é o meu uniforme de enfermagem que eu uso para trabalhar, e me deixa perplexo que não se qualifique como uma fantasia para uma tentativa de 'maratona mais rápida em um uniforme de enfermeira'", escreveu.

Dois dias depois, Anderson recebeu uma resposta dos oficiais do Guinness afirmando que seu traje tinha muitas semelhanças com os requisitos para "a maratona mais rápida vestida de médico", que incluía aventais, um jaleco branco e estetoscópio. Sem o "traje antiquado e estereotipado", o Guinness temia que a roupa da enfermeira pudesse não ser adequadamente diferenciada da do médico.

Além disso, os oficiais ainda afirmaram que o requisito de vestuário de enfermeira era o mesmo para homens e mulheres que quisessem competir como enfermeiros na maratona.

"Eu certamente nunca vi um enfermeiro vestindo um vestido para trabalhar", disse ela em entrevista ao Runner's World, acrescentando que a maioria das enfermeiras em seu hospital usa roupas, túnicas ou calças.

Anderson pediu que Guinness reconsiderasse sua inscrição e foi negada uma segunda vez. Ainda assim, ela correu a maratona com a roupa no dia 28 de abril e quebrou o recorde.

Embora Guinness não tenha dado a Anderson o título de mulher mais rápida, a publicação comprometeu-se a reavaliar seus critérios para não reforçar estereótipos de gênero.

"Inclusão e respeito são valores muito queridos pelo Guinness World Records e, embora sempre precisemos garantir que podemos diferenciar as categorias, está claro que esse título está muito atrasado devido e vamos conduzir uma revisão como prioridade nos próximos anos. dias ", disse o Guinness World Records em um comunicado fornecido ao "The Post".

Apesar de não ter alcançado o título desejado, Anderson afirmou estar feliz por ter iniciado esta discussão, mas que credita as mudanças ao grande público que a apoiou durante a jornada. "Desde enfermeiras estudantis até chefes de enfermagem aderiram. Eles fizeram um selfie usando o uniforme com a hashtag #whatnurseswear (o que [uma enfermeira veste]".