menu
Topo

Direitos da mulher


Advogada é demitida por se recusar a servir bolo durante festa de empresa

iStock
Advogada é demitida de empresa por não servir bolo durante festa Imagem: iStock

Da Universa

2019-05-06T15:41:18

06/05/2019 15h41

Com mais de duas décadas de experiência, a advogada Nancy Saltzman alega ter sido demitida da empresa norte-americana ExlService Holdings após se recusar a servir bolo durante uma festa. Conselheira Geral da companhia, e com extenso currículo, Nancy teria sido dispensada após a comemoração de 19 anos da empresa. A advogada entrou com uma queixa na segunda-feira (27) em um processo de US$ 20 milhões (cerca de R$ 79 milhões) nomeando a empresa, o CEO Rohit Kapoor e outros executivos.

De acordo com o "The Washington Post", dos mais de 20 funcionários presentes, apenas quatro eram mulheres. A acusação disse que Kapoor "pessoalmente orientou que a Sra. Saltzman", como uma das "senhoras" na sala, servisse "bolo aos funcionários do sexo masculino".

"Humilhada, a Sra. Saltzman foi forçada a atravessar a sala para cortar e servir fatias de bolo para os empregados do sexo masculino da companhia", descrevem os documentos enviados ao tribunal, alegando inclusive que "a grande maioria era subordinada a ela".

Logo após uma reunião em que Kapoor acusou Nancy de ser "muito emocional" -- uma crítica que ela considera ser "baseada em estereótipos sexistas" --, a advogada relatou a discriminação de gênero a dois executivos. Ela pediu à empresa que formasse um plano para remediar a situação.

Temendo retaliação do CEO, a advogada também pediu expressamente que lhe dissessem se ele fosse informado da queixa e planejou tomar medidas de proteção diante da situação.

Entretanto, o conselho decidiu por autorizar o desligamento dela da empresa por Kapoor, que afirmou entender a acusação de Nancy como uma renúncia ao cargo -- algo que a advogada nega ter feito.

De acordo com o processo, Kapoor "tomou medidas para exclui-la das oportunidades de carreira e progresso, submeteu-a a um exame minucioso e a gerenciou mal", de maneira diferente daquela aplicada a homens que eram pares dela na empresa.

A falta de diversidade entre as lideranças da Exl foi "surpreendente", de acordo com Russell Kornblith, que está representando Nancy Saltzman no tribunal. A cultura do local de trabalho exibiu "exemplos gritantes de estereótipos de gênero" sob uma equipe de gerenciamento que era "incrivelmente surda".

"Nancy Saltzman fez tudo certo", disse Kornblith ao "The Washington Post". "Ela se tornou alguém que muitas mulheres na empresa admiravam", conta.

Ao "The Post", a advogada expressou em um comunicado que foi motivada pelo número de jovens que a procuraram para orientação e viram sua indicação como um símbolo de oportunidade.

"A mudança significativa depende das mulheres que estão dispostas a falar e dos conselhos corporativos que irão ouvi-las e levá-las a sério. Líderes corporativos devem se concentrar em promover a diversidade, e não silenciar aqueles que se queixam de discriminação", afirmou.

Ainda, de acordo com o processo, servir o bolo durante a festa da empresa não foi a única discriminação de gênero presente dentro da empresa. Kapoor teria recusado a solicitação de viagem de Nancy Saltzman para um "importante evento anual", a que todos executivos teriam comparecido, por "não ter interação suficiente com os clientes.

Além disso, o CEO foi acusado de negar uma iniciativa de diversidade da advogada, que foi a primeira e única mulher a participar do comitê executivo da empresa, e também teria negado o pedido de Nancy Saltzman de designar o evento de forma colaborativa, instalando o vice-presidente da empresa para o trabalho, a que "propôs distribuir gravatas masculinas como um presente de diversidade."

De acordo com a publicação, desde a acusação na última semana, Kornblith afirmou que outras mulheres entraram em contato com ele e sua cliente, revelando experiências semelhantes com as pessoas citadas na denúncia. Até agora, os advogados da Exl resolveram não se manifestar sobre o caso.