menu
Topo

Autoestima


Pela 1ª vez, Miss EUA, Miss America e Miss Teen EUA são mulheres negras

Montagem/UOL
Cheslie Cryst foi coroada Miss USA 2019 nesta quinta-feira (2); Kaliegh Garris recebeu a faixa de Miss Teen USA no domingo (28); Nia Imani Franklin é a atual Miss America Imagem: Montagem/UOL

Da Universa

2019-05-04T11:30:58

04/05/2019 11h30

Quando Cheslie Kryst foi coroada Miss EUA na última quinta-feira (2), a advogada estava ajudando a comunidade afro-americana a ganhar um lugar de destaque na história dos concursos de beleza. Pela primeira vez na trajetória das competições nos EUA, os três principais concursos do país, Miss USA, Miss America e Miss Teen USA, elegeram mulheres negras como as mais bonitas.

Kryst representou o estado da Carolina do Norte na final do Miss EUA. Ela faz trabalho pro-bono para presidiários que não têm condições de pagar um advogado para defender seus casos. Ela ganhou a coroa após responder uma pergunta sobre se os movimentos MeToo e Time's Up, que denunciou casos de assédio sexual e moral no ambiente corporativo, foram longe demais. "Eu não acho que eles tenham ido além", respondeu a candidata. "O que o MeToo e o Time's Up estão fazendo é garantir que estaremos seguras inclusive nos nossos ambientes de trabalho. Como advogada, isto é exatamente o que quero para o meu país."

A vitória de Cheslie fechou a tríplice de coroas que começou a ser formada no domingo (28), quando a estudante do ensino médio Kaliegh Garris levou a faixa de Miss Teen USA 2019. A garota já havia sido elogiada por usar o cabelo natural em cima do palco. "Algumas pessoas disseram: 'Você fica melhor com o cabelo liso' ou 'Você deveria colocar extensões e alisar o seu cabelo'", contou a jovem para o site "Refinery 29". "Eu me sinto mais confiante e confortável com o meu cabelo natural".

Antes disso, as mulheres negras tinham ganhado coroas de concursos de beleza simultaneamente em 2012, quando Nana Merjweather levou a faixa de Miss USA e Logan West ficou com o título de Miss Teen USA. O cargo de Miss America naquele ano foi, no entanto, para Laura Kaeppeler.