menu
Topo

Direitos da mulher


Fundadora diz que Me Too "não é um movimento de mulheres"

AFP
Imagem: AFP

Da Universa

2019-04-26T10:18:41

26/04/2019 10h18

Após mais de uma década de seu surgimento e um ano após sua popularização, o Me Too não sai das rodas de conversa. Na última terça (23) foi a vez de uma de suas fundadoras, Tarana Burke, declarar que o movimento não é "de mulheres" e que deseja que ele inclua pessoas de todos os gêneros.

Em um debate promovido pela revista Time em celebração à lista das 100 pessoas mais influentes de 2019, a ativista assume que foram as mulheres que lideraram as primeiras denúncias de assédio e também foram elas que deram voz às vítimas de Harvey Weinstein, porém "o papel dos homens também é de sobreviventes".

Tarana também alerta para a necessidade de analisar o comportamento de assédio do dia a dia e não somente de "monstros" como Weinstein e R.Kelly, por exemplo. "Temos que reexaminar todas as nossas condutas e vai ser desconfortável", disse.