menu
Topo

SPFW


SPFW

Jojo Todynho abre jogo sobre autoestima: "Sofri quando meus peitos caíram"

Universa
Imagem: Universa

Carolina Martins

Colaboração para Universa

2019-04-24T21:21:17

24/04/2019 21h21

Na última sexta-feira (19), Jojo Todynho passou por uma cirurgia para retirar 1,8 kg dos seios e colocar mais de 1 litro de silicone, processo doloroso compartilhado por ela em seu Instagram e à Universa nesta quarta-feira (24) durante a São Paulo Fashion Week.

Liberada pelo médico para fazer seu primeiro desfile no evento, a funkeira se queixou das dores que está sentindo pelas noites mal dormidas após o procedimento médico.

"Eu não sinto dor da cirurgia, mas do desconforto de dormir sentada. É horrível! Mas estou me sentindo por desfilar no SPFW pela primeira vez (risos). Por mais que tenha muita dor nas costas, meu médico me autorizou vir aqui, nem tem como viajar sem o médico liberar", conta.

E o sexo?

No momento, Jojo nem considera fazer sexo com o namorado, mas já está programada a recuperação do tempo perdido depois da liberação médica.

"A gente nem pensa em sexo nessas horas porque a dor é tanta! Quando eu estiver liberada para transar, vou transar tudo que eu tenho direito", ri.

Cuidando da própria saúde

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

A funkeira falou ainda sobre as críticas de que estaria fazendo as intervenções por vaidade, pontuando ter colocado em primeiro lugar a sua saúde.

"Eu não estou emagrecendo por estética, mas por saúde. Foram seis horas de cirurgia. Meu peito foi até para a análise. Ele estava virando até as costas. Com essa redução de peso meu peito foi cedendo, porque minha barriga era o que sustentava. Eu nunca imaginei que um dia na vida eu poderia ter uma falta de autoestima. Tive quando meu peito cedeu, porque ele é tudo para mim. Meu glorioso. Meu peito me dá uma sensação de poder. Quem chega primeiro? O peito da Jojo", brinca.

Autoestima e aceitação

Jojo embarcou no assunto para falar sobre a bandeira de auto aceitação que sempre levanta sobre o próprio corpo e aconselhou: "é preciso cuidar de si mesma antes de cuidar dos outros".

"A aceitação não tem nada a ver com o corpo. Aceitação é aceitar quem você é. Seja magra, gorda. O que for! Eu acredito que em qualquer patamar da minha vida, eu vou continuar sendo do jeito que eu sou. As pessoas só sabem atacar, mas não sabem do interior. O teu empoderamento e aceitação começa na cabeça, não no corpo. Antes de passar algo para alguém, tem que trabalhar sua mente e seu psicológico".

"Primeiro você cuida de você para depois cuidar do mundo. Tem horas que a gente precisa ser egoísta. A gente não pode entrar de peito aberto porque quem leva chumbo é você. Você acaba absorvendo o problema dos outros e adoece. Eu magra, gorda, em qualquer estado, vou continuar sendo quem eu sou. A desconstrução foi trabalhada comigo mesma desde a minha infância. Sempre tive acompanhamento psicológico, apoio da família. Primeiro você mostra seu eu para depois ouvir o do outro", conclui.