menu
Topo

Sexo


Sexo

Novo estudo afirma que a maconha pode melhorar o orgasmo para as mulheres

Getty Images
Imagem: Getty Images

Da Universa

2019-04-12T18:18:08

12/04/2019 18h18

Um estudo publicado na revista norte-americana Sexual Medicine descobriu que o uso de maconha antes do sexo aumenta os desejos e melhoram os orgasmos das mulheres.

De acordo com a pesquisa, as pessoas do sexo feminino que consumiram maconha estavam duas vezes mais propensas a ter orgasmos "satisfatórios" do que as que não usaram.

Os pesquisadores observam que há uma escassez de pesquisas que analisam o impacto da droga na saúde sexual -- apesar do fato de que a cannabis atua sobre o receptor canabinóide no cérebro, que está envolvido na função sexual.

A maconha tem sido associada há muito tempo a um aumento da atividade sexual entre adolescentes -- da mesma forma que o álcool e as drogas recreativas também têm. Pesquisas anteriores também vincularam a maconha a sexo sem camisinha e a taxas mais altas de doenças sexualmente transmissíveis.

Mas este estudo, conduzido pela Dra. Becky Lynn, da Faculdade de Medicina da Universidade de Saint Louis, e seus colegas, enfocou a ligação entre a maconha e a satisfação das mulheres com sua vida sexual, desejo sexual, orgasmos, lubrificação e dor durante a relação sexual.

No total, 197 mulheres no estudo, ou cerca de 52%, não usaram cannabis. Outras 49 mulheres, ou 13%, usaram a droga, mas não o fizeram antes de fazer sexo.

"O que há de novo neste estudo é que a maconha é enquadrada como algo útil para o sexo. Normalmente, as drogas são investigadas como fatores de risco para o sexo. Eu acho que este artigo significa que os tempos estão mudando", disse Joseph Palamar, pesquisador de saúde da população do NYU Langone Medical Center, em Nova York, que não estava envolvido no estudo.

O estudo descobriu que as mulheres que usaram maconha antes do sexo pareciam ter mais lubrificação e menos dor durante a relação sexual do que as mulheres que não usaram. No entanto, as diferenças eram pequenas demais para descartar a possibilidade de mero "acaso".