Topo

Política


Elas podem ser presidente dos EUA: 6 mulheres que querem a cadeira de Trump

Fernanda Ezabella

Colaboração para a Universa de Los Angeles

2019-04-10T04:00:00

10/04/2019 04h00

Não é só Selina Meyer que quer a presidência dos EUA, de novo. A personagem de Julia Louis-Dreyfus (a Elaine de "Seinfeld") voltou à programação da HBO nesta semana com a última temporada de "Veep", trazendo um alívio cômico às disputas políticas do país.

De fato, um número nunca antes visto de mulheres está em campanha a pleno vapor, arrecadando doações milionárias para conseguir a indicação do Partido Democrata para as eleições presidenciais em novembro de 2020.

Quatro senadoras, uma deputada e uma guru espiritual anunciaram suas pré-candidaturas neste ano. A escolha final do partido sai em meados de 2020.

Elas enfrentam fortes candidatos da ala masculina, como o senador de 77 anos Bernie Sanders, que perdeu as eleições primárias do partido em 2016 para Hillary Clinton, e o texano boa pinta Beto O'Rourke, que concorreu a uma vaga ao Senado contra o republicano Ted Cruz, em 2018, mas perdeu por uma pequena diferença.

Conheça talvez, quem sabe, a futura presidente dos EUA:

Justin Sullivan/Getty Images/AFP
Elizabeth Warren, senadora democrata pelo Estado de Massachussetts Imagem: Justin Sullivan/Getty Images/AFP

Senadora Elizabeth Warren - Paladina da classe média

Nasceu: 22 de junho de 1949 (69 anos), em Oklahoma City, Oklahoma

Senadora de Massachusetts desde 2013, Warren é a paladina da família trabalhadora americana. Conhecida por atacar Wall Street após a crise financeira de 2008, ela promete também acabar com o monopólio das gigantes da internet.

Campeã dos torneios de debate na escola, virou professora de direito e lecionou entre 1995 e 2012 na Harvard Law School. Especialista em direito do consumidor e recuperação judicial, foi conselheira do presidente Barack Obama. Warren é casada pela segunda vez e tem dois filhos.

O presidente Donald Trump a chamou de Pocahontas num evento com Navajos porque Warren dizia ter ancestrais nativos (ela se registrou no exame de advogados como "minoria" nos anos 1980). Em 2018, um teste de DNA provou sua ancestralidade, embora tenha traços majoritariamente europeus.

AFP
Kamala Harris é senadora pelo Estado da Califórnia Imagem: AFP

Senadora Kamala Harris - Defensora das minorias

Nasceu: 20 de outubro de 1964 (54 anos), em Oakland, Califórnia.

Filha de imigrantes da Jamaica e da Índia, Harris é a segunda mulher negra eleita para o Senado dos EUA. Está em seu primeiro mandato pela Califórnia, após uma carreira combativa como procuradora geral do estado entre 2011 e 2016.

Ganhou apoio dos ativistas progressistas graças ao seu duro questionamento de funcionários do governo Donald Trump, como o indicado para a Suprema Corte Brett Cavanaugh, durante sessões no Senado. Como candidata, defende um sistema de saúde para todos, mudanças nas políticas de imigração e justiça criminal, além de prometer grande redução de impostos para a classe média. Formada em direito, ela é casada e tem dois enteados.

Ao prometer legalizar maconha em âmbito federal, apesar de já ter sido contra no passado, Harris comentou que já havia fumado na adolescência e disse: "Minha família é metade jamaicana", brincou. Seu pai, jamaicano professor de economia da Stanford University, reclamou publicamente do comentário.

Getty Images
Kirsten Gillibrand Imagem: Getty Images

Senadora Kirsten Gillibrand - A Feminista

Nasceu: 9 de dezembro de 1966 (52 anos), em Albany, Nova York.

Outra advogada e senadora que promete sistema de saúde universal e redução de impostos para a classe média. Sua plataforma principal, no entanto, é igualdade de gênero: anos antes do movimento #MeToo, ela ficou conhecida no Congresso por combater sexismo e ataques sexuais no Exército e nas universidades.

Gillibran é senadora por Nova York desde 2009. É casada e tem dois filhos. Ao anunciar sua candidatura, afirmou: "Quero ser presidente porque, como jovem mãe, vou lutar pelos filhos das outras pessoas da mesma maneira dura como luto pelos meus próprios filhos".

Gillibrand trabalhou na campanha de Hillary Clinton ao Senado em 2000 e ficou com a vaga da ex-primeira-dama quando ela deixou o cargo para virar secretária de Estado do presidente Barack Obama. Gillibrand foi descrita pelo comentarista conservador Ben Shapiro como uma "versão mini-me" de Clinton.

Erin Schaff/The New York Times
A senadora Amy Klobuchar conversa com repórteres a caminho de uma votação no Capitólio em Washington Imagem: Erin Schaff/The New York Times

Senadora Amy Klobuchar - Durona do Meio Oeste

Nasceu: em 25 de maio de 1960 (58 anos), em Plymouth, Minnesota.

Em seu terceiro mandato como senadora pelo estado de Minnesota, Klobuchar faz sucesso no Meio Oeste americano. Com votos dos eleitores rurais, a advogada pode ajudar os democratas a ganhar estados hoje republicanos. Em março, sua campanha divulgou um plano para gastar US $ 1 trilhão em infraestrutura no país.

Klobuchar entrou para a política após dar à luz sua única filha. Ela foi forçada a deixar o hospital 24 horas depois do parto, mesmo com a bebê nascendo com uma condição de saúde precária. Ela batalhou por um projeto de lei que garante 48 horas de estadia de hospital para grávidas, aprovado pelo estado e transformado em lei federal.

Neste ano, foi acusada por ex-funcionários de criar um ambiente hostil no trabalho no Senado. Ela se desculpou dizendo que "sempre pode fazer melhor", mas apontou que seu estilo durão seria uma vantagem no cenário mundial político.

Arquivo Pessoal
Mais jovem entre as candidatas, a deputada pelo Havaí é ex-integrante da Guarda Nacional e serviu numa unidade médica no Iraque e no Kuwait nos anos 2000 Imagem: Arquivo Pessoal

Deputada Tulsi Gabbard - Jovem veterana pela paz

Nasceu: 12 de abril de 1981 (37 anos), em Leloaloa, Samoa Americana

Mais jovem entre as candidatas, a deputada pelo Havaí é ex-integrante da Guarda Nacional e serviu numa unidade médica no Iraque e no Kuwait nos anos 2000. Hoje, é contra o intervencionismo americano no Iraque, Líbia e Síria, além de Venezuela.

Ela chamou atenção ao ser contra a retirada por força do ditador sírio Bashar al-Assad, explicando que defende uma solução pacífica. Também criou mal estar ao votar contra direitos dos gays, embora afirme ter mudado de opinião.

Vegetariana e surfista, Gabbard segue a religião hindu e foi professora de artes marciais até 2002, quando entrou para a política. Educada em casa, foi missionária por dois anos nas Filipinas e se formou em ciência. Ela é casada pela segunda vez.

Reuters
Marianne Williamson Imagem: Reuters

Escritora Marianne Williamson - Guru da auto-ajuda

Nasceu: 8 de julho de 1952 (66 anos), em Houston, Texas.

Guru espiritual de celebridades e autora de mais de dez livros de auto-ajuda, Williamson é a azarona da corrida presidencial. Sua plataforma é reforma econômica para acabar com a "podridão moral e espiritual" do país.

Além dos best-sellers e das amizades com Oprah Winfrey e outros hollywoodianos, a autora fundou e trabalhou em diversos projetos elogiados ao longo da vida, como um centro para pacientes com HIV em Nova York e Los Angeles e um serviço voluntário de entrega de comida para doentes.

Após estudar teatro e filosofia por dois anos, ela largou a faculdade para virar cantora em Nova York. Seu primeiro livro saiu em 1992. Ela acredita que os EUA receberam um milagre em 1776 e estão prestes a ver outro acontecer em 2020.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do informado em versão anterior desta matéria, a guru da auto-ajuda da política americana é Marianne Williamson, e não Marianne Williams. A informação foi corrigida.