menu
Topo

Violência contra a mulher


Presidente da Warner Bros. deixa o cargo após acusações de assédio sexual

Getty Images
Kevin Tsujihara Imagem: Getty Images

da Universa, em São Paulo

2019-03-19T09:09:05

19/03/2019 09h09

O presidente da Warner Bros, Kevin Tsujihara, renunciou ao seu cargo nesta segunda-feira (18), informou o grupo WarnerMedia, após acusações publicadas pelo "The Hollywood Reporter" de que ele teria oferecido apoio à carreira da atriz Charlotte Kirk em troca de relações sexuais.

"É do maior interesse da WarnerMedia, da Warner Bros., dos nossos funcionários e dos acionistas que Kevin renuncie como CEO da Warner Bros", escreveu o diretor geral da WarnerMedia, John Stankey.

"Kevin reconhece que seus erros são incompatíveis com as expectativas de liderança da companhia e podem afetar sua capacidade de desenvolvimento no futuro", declarou Stankey, sem abordar diretamente os detalhes do caso.

Ainda de acordo com a matéria do "The Hollywood Reporter", publicada em 6 de março, centenas de mensagens de texto entre o agora ex-presidente, a atriz, o diretor Brett Ratner, acusado de violência sexual em 2017 por atrizes ao "Los Angeles Times" e processado na justiça americana, além do empresário australiano James Packer teriam evidências de que os três homens estavam envolvidos em "acusações de extorsão" em relação às audições da atriz por papéis.

Após Charlotte se tornar inquieta, segundo o texto, e cobrar Kevin por trabalhos, Brett Ratner teria ainda, através do advogado Marty Singer, oferecido um acordo à Charlotte que garantiria a ela algumas audições e um papel em um filme dirigido por ele. No entanto, a atriz não teria assinado o documento.

Após as denúncias, Kevin Tsujihara pediu desculpas, em comunicado, "pelos erros cometidos em sua vida pessoal". Ao saber da saída do executivo de seu cargo na Warner, Charlotte Kirk saiu em sua defesa ao "Deadline":

"Eu estou muito triste em ouvir a notícia de que Kevin Tsujihara está saindo da Warner Bros. Nossa relação acabou há muitos anos. A matéria publicada pelo 'The Hollywood Reporter' não teve nada a ver comigo. Na realidade, eu tentei impedi-la. Quaisquer diferenças que tivemos no passado foram esquecidas há muito tempo. Eu só desejo o melhor para ele em futuros trabalhos", disse a atriz.

A atriz participou de dois filmes produzidos pela Warner Bros, "Como Ser Solteira" (2016) e "Oito Mulheres e Um Segredo" (2018), em ambos os casos em papéis coadjuvantes. Os advogados de Kevin negaram formalmente uma intervenção da parte dele nas escalações de elenco desses filmes.

As acusações são alvo de uma investigação interna da Warner, que ainda não anunciou o nome que irá substituir o executivo.

*Com informações da AFP