menu
Topo

Diversidade


Casa 1, que acolhe jovens LGBTs expulsos de casa em SP, fechará as portas

Mariana Gonzalez

Da Universa

2019-03-12T16:41:29

12/03/2019 16h41

Desde que nasceu, há pouco mais de três anos, a Casa 1 foi lar de mais de 200 pessoas LGBTs que foram expulsas de casa por suas orientações sexuais ou identidade de gênero, especialmente negras e vindas da periferia. Nesta segunda-feira (11), no entanto, Iran Giusti, fundador e organizador, anunciou que o local fechará as portas.

"Não dá mais", diz o anúncio oficial, publicado no Facebook. "A Casa 1 acaba em dezembro de 2019".

A república de acolhida e centro cultural, que fica na região central da cidade, atualmente abriga 20 pessoas de 18 a 25 anos e atende cerca de 300 alunos em oficinas de inglês, espanhol, costura, ioga, entre outras. A Casa também oferece refeições para moradores de rua, clínica social de psicoterapia e atividades para crianças, tudo gratuito.

embed

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

O custo de tudo isso? Mais de R$ 40 mil mensais -- valor que é arrecadado por meio de um financiamento coletivo recorrente, de doações e parcerias com a iniciativa privada.

As contas

O relações públicas, de 30 anos, conta que, desde 2016, quando abriu as portas, a Casa nunca conseguiu fechar as contas com tranquilidade. "O que fazemos é malabarismo: cobre daqui e descobre dali, como a maioria das casas brasileiras né?"

Os últimos meses, no entanto, têm sido ainda mais difíceis por dois motivos: queda nas doações e afastamento de empresas que antes eram parceiras. "Quando o novo presidente foi eleito, a relação estremeceu", lamenta Iran Giusti.

Folhapress
Imagem: Folhapress

"Produtos de higiene, por exemplo, nunca foram contemplados nas contas porque sempre recebemos doações. Mas este mês [fevereiro] tivemos um gasto de R$ 350 em desodorante e xampu, afinal, são 20 pessoas morando", conta. No Facebook, ele disse que faltou até arroz com feijão.

Quando a Casa 1 começou, Iran acreditava que dentro de um ano conseguiria fazer o projeto andar com os próprios pés.

"Eu imaginava que, a esta altura, a gestão fosse mais coletiva. Mas, mesmo fazendo algumas chamadas, nunca conseguimos criar um conselho gestor, o que pesa muito porque acabamos ficando com uma equipe muito reduzida sobrecarregada", explica.

O futuro dos moradores

"Seguiremos ao longo do ano tentando editais, projetos com empresas e incentivando as doações de pessoas físicas, mas tendo em vista os últimos cinco meses, não prevemos muito êxito", informa a organização, no comunicado.

À Universa, Giusti explica que há duas formas de manter a Casa 1 funcionando: bater a meta do financiamento recorrente e estabelecer novas parcerias com a iniciativa privada. "Em tempos de sucateamento das políticas públicas, a ajuda do estado a um projeto LGBT é praticamente impossível". Por isso, a ajuda da iniciativa privada é tão importante.

Melina Resende/Casa 1
Cena do casamento coletivo LGBT organizado no Galpão da Casa 1, em dezembro de 2018 Imagem: Melina Resende/Casa 1

Como a Casa 1 foi pensada para ser um centro de acolhida e não um lar definitivo, o tempo de permanência previsto é de quatro meses.

"Os atuais moradores estão tranquilos", diz. Ele prevê que o impacto maior ficará com aqueles que contam com serviços como as aulas, a clínica e os atendimentos à população de rua.

Nos últimos três anos, Iran deixou seu apartamento e o mercado de trabalho formal para se dedicar integralmente à Casa 1. Se a previsão se confirmar e o local de fato encerrar as atividades, ele não sabe o que fará em 2020. "Essa é a pergunta de um milhão de dólares", brinca.