Topo

Violência contra a mulher


Jovem queimada pelo namorado em SP falava que ele era "perfeito", diz amiga

Reprodução/Facebook
Isabela Miranda de Oliveira, morta aos 19 anos Imagem: Reprodução/Facebook

Mariana Gonzalez

Da Universa, em São Paulo

2019-03-08T18:32:34

08/03/2019 18h32

Estuprada pelo cunhado e queimada pelo namorado durante um churrasco em Franco da Rocha, na Grande São Paulo, no domingo (3), a universitária Isabela Miranda de Oliveira mantinha o relacionamento com William Felipe de Oliveira Alves havia cerca de um ano. "Ele pediu a mão dela em casa, na frente da nossa família e dos pais dele", conta à Universa a tia da vítima, a assistente financeiro Luana Oliveira. 

A tia lembra que, na época, achou bacana a atitude de William -- "hoje não existem mais essas coisas" -- mas conta que começou a duvidar do rapaz, segundo ela, apenas por intuição. "Sabe quando você não sente segurança?" 

Um episódio de machismo deixou a tia de Isabela desconfiada: William não gostava que a namorada usasse salto alto.

"Ela comentou isso com a mãe dela [minha cunhada] e fiquei sabendo. Disse a Isabela que isso não tinha nada a ver, era machismo e, mesmo que ele fosse mais baixo, ela tinha de usar o que quisesse. Aquilo me deixou incomodada", conta. "Mas a gente respeitava, afinal, era uma escolha dela."

"Ela estava no melhor momento da vida"

A estudante Thais Silva, que era amiga de Isabela havia cinco anos, conta que, fora o episódio do salto, não se lembra de ouvir a amiga reclamar do relacionamento ou mencionar qualquer tipo de abuso por parte do namorado. Apenas momentos de ciúmes, "mas nada que desse sinais que ele viria a fazer o que fez". 

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

Reprodução/Facebook
Imagem: Reprodução/Facebook

"Ela estava no melhor momento da vida. Tinha em um emprego que amava, ia terminar a faculdade de Administração e dizia que o William era um namorado perfeito e um ótimo pai [ele tinha um filho de três anos, de um relacionamento anterior]", disse, à Universa

A felicidade de Isabela é corroborada por Luana. Ela conta que neste ano a sobrinha comemorava não só a contratação em uma multinacional como estava orgulhosa por estar se tornando fluente em inglês e por estar comprando o primeiro carro. "Estávamos muito orgulhosos dela. Ela era uma menina doce, esforçada. Ia à missa todo domingo com os pais." 

Isabela completaria 20 anos no domingo (10). "De presente, entregaram ela dentro de um caixão", lamenta a amiga.

O crime 

De acordo com o "Estadão Conteúdo", a polícia (e a maioria das manchetes de jornais do país) dizem que William matou Isabela depois de flagrar a namorada com o seu cunhado, o namorado de sua irmã, Leonardo, de 23 anos. 

Segundo a família da vítima, ela teria sido estuprada por Leonardo enquanto descansava em um dos quartos da casa, depois de ingerir muita bebida alcoólica.

Thais -- que não estava no churrasco mas diz que passou boa parte da festa conversando com Isabela --  conta que a amiga não tinha o costume de beber, mas ingeriu algumas doses de tequila durante uma brincadeira em que, quem errasse determinadas perguntas, deveria beber um "shot". 

"Tequila é uma bebida muito forte. Quem estava ali sabia que ela não estava acostumada e que isso derrubaria ela fácil", acredita. 

De acordo com testemunhas ouvidas pela polícia, Isabela teria passado mal após o consumo de álcool e sido levada para se recuperar em um dos quartos, onde foi deitada sobre uma cama só de biquíni, que era o traje do evento. Ali, teria sido estuprada. 

"Eu não sei dizer se foi de propósito, mas ele [o cunhado] se aproveitou da situação. Pegou ela bêbada, frágil, vulnerável, sem poder reagir", diz Thais. 

Segundo o "Estadão Conteúdo", testemunhas disseram que William viu a cena, achou que o ato era consensual, espancou Isabela e, por fim, incendiou o cômodo com a menina dentro, embriagada e machucada. 

A SSP (Secretaria de Segurança Pública) informou que a estudante teve mais de 80% do corpo queimado e foi socorrida ao Hospital Estadual Francisco Morato, assim como o cunhado. A jovem não resistiu aos ferimentos e morreu na quinta-feira (7).

"A gente tem certeza de que ela sofreu abuso. Descobri que o Leonardo estava no mesmo hospital e avisei a polícia, por que ele estava sem documentos, registrado como desconhecido. Minha sobrinha era uma pessoa decente, com boa índole, e estava apaixonada pelo William. Ela não teria um caso nem um ato sexual com o Leonardo, de maneira nenhuma. Foi violentada, sim. Ela não estava em condições, por causa da bebida. Não estava acostumada a beber e naquele dia tinha bebido tequila. Ficou muito vulnerável", diz Luana, tia da vítima.

O namorado, William, está preso de forma preventiva. Já o cunhado, Leonardo, e a cunhada, Kathlein, que moravam juntos, estão foragidos. Isabela foi enterrada às 10h desta sexta-feira (8), no Cemitério Municipal Orlando Mollo, em Caieiras, município da Grande São Paulo.