Topo

Diversidade


'Novo' emoji anti-LGBT gera revolta e debate sobre homofobia nas redes

da Universae, em São Paulo

2019-02-20T11:20:59

20/02/2019 11h20

Um novo emoji, com iconografia anti-LGBT, provocou revolta ao chegar às redes sociais na segunda-feira (18).

A bandeira com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade, sobreposta a um símbolo de proibido tem sido compartilhada por usuários do Twitter que questionam como uma imagem que pode potencialmente incentivar a homofobia se tornou acessível ao grande público.

Segundo a revista "Out", especializada na cobertura dos direitos LGBTs, a imagem não foi criada pela Unicode, responsável pela concepção dos emojis, ou disponibilizada pela Apple -- que até então não se posicionou publicamente sobre o caso.

O novo emoji anti-LGBT seria, na verdade, uma falha já categorizada pela Emojipedia, apontou a "Fast Company": ao se postar o 'unicode' do símbolo de proibido ao lado de um emoji convencional, o resultado é a sobreposição das imagens.

O usuário Mitchell (@miogg) afirmou à "Out" que se deparou com a possibilidade de criar a imagem há um mês. "Eu fiquei chocado, não deveria ser possível. Eu venho usando, mas é perigoso que outras pessoas o usem de maneira odiosa."

Outros internautas, desde então, manifestaram preocupações semelhantes: 

"Por que há um emoji anti-LGBT? É repugnante."

"[Olhem] a reação de homofóbicos e homossexuais quando descobriram o emoji".

O próprio Twitter confirmou a existência do erro e quais são as medidas cabíveis em caso de violência contra LGBTs na rede social:

"A maneira com que este emoji aparece é devido a apresentação do Unicode no iOS e, por si só, não é uma violação de nossas regras", afirmou um representante da plataforma à "Paper Magazine".

"No entanto, se um usuário for atacado com este tipo de emoji e nós tivermos o contexto de que a intenção é envergonhar, degradar ou agredir com base no pertencimento (ou impressão de pertencimento) a uma categoria que é protegida, nós vamos tomar providências baseadas nas nossas medidas contra Condutas de Ódio", esclareceu ainda.