menu
Topo

Violência contra a mulher


Suspeito de matar mulher e enteada teria se passado por vítima no Facebook

Reprodução/Facebook
Mariza e Larissa Borges Imagem: Reprodução/Facebook

Mariana Gonzalez

Da Universa, em São Paulo

13/02/2019 16h05

Resumo da notícia

  • A faxineira Mariza Barreto Borges e sua filha de 18 anos, Larissa, foram baleadas em casa, na cidade de São Carlos (SP)
  • O principal suspeito, Renato Natura do Carmo, era casado com a faxineira havia nove anos
  • O crime só foi descoberto uma semana depois, quando os corpos foram encontrados em avançado estado de decomposição

Na terça-feira (12), Renato Natura do Carmo foi preso após confessar ter matado a esposa, Mariza Barreto Borges, de 40 anos, e a enteada Larissa Borges, de 18 anos. Segundo Adriana Strozzi, que trabalhava com Mariza em uma empresa farmacêutica, a faxineira planejava se separar e, um dia antes de ser morta, pediu ajuda para encontrar "uma casa baratinha para viver em paz com as filhas". 

De acordo com informações do "Estadão Conteúdo", o crime, que está sendo apurado como feminicídio, só foi descoberto uma semana depois que Mariza e Larissa foram baleadas dentro de casa, em São Carlos, no interior de São Paulo. Neste período, Renato teria se passado pela vítima, usando suas redes sociais para despistar pessoas próximas. 

Adriana recebeu uma mensagem do perfil de Mariza no Facebook na terça-feira (5), dizendo que tinha um atestado médico para ficar em casa até sexta-feira (8). A mensagem foi reforçada no dia seguinte por meio do WhatsApp. "No dia seguinte, quando perguntei se ela estava melhor, ele repetiu a mesma coisa, dizendo que Mariza só voltaria a trabalhar na segunda-feira", contou Adriana, que compartilhou com Universa trechos da conversa: 

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

De acordo com Adriana, Renato sustentou esta versão outras vezes, inclusive ligando na empresa em que Mariza trabalhava para tentar sacar o pagamento dela. No Facebook, há uma série de publicações religiosas compartilhadas após a morte da vítima, que teriam sido feitas pelo marido. 

Embora soubesse que o casamento com Ricardo não ia bem, Adriana não imaginava que ele seria capaz de matar a esposa e a enteada. 

"Ela contava que ele estava desempregado e que a relação estava difícil, mas negou que ele já tivesse feito alguma agressão. Na segunda (4), quando a vi pela última vez, ela disse que teve uma briga feia com o Renato e que não dava mais", contou Adriana. 

Além de Larissa, Mariza também era mãe de uma menina de 7 anos, do casamento com Renato, que durava havia nove anos.

Segundo Adriana, Larissa incentivava a mãe a separar de Renato. "O que a gente só ficou sabendo no enterro [que aconteceu na manhã desta quarta-feira, 13], conversando com a família, é que ele é usuário de drogas e, há algum tempo, estava vendendo as coisas de casa para sustentar o vício". 

O crime

De acordo com o "Estadão Conteúdo", Renato deixou a filha mais nova na casa de sua mãe no dia do crime, justificando que ele e Mariza estavam discutindo muito e não gostaria que a menina visse as brigas.

As mortes só vieram à tona na terça-feira (5), quando a avó da criança foi à casa do casal para pegar roupas para a neta e, quando notou que seria descoberto, Renato se viu obrigado a confessar os assassinatos. Ele foi denunciado pela mãe à polícia. 

Renato Natura do Carmo deve ser indiciado por duplo homicídio, na modalidade de feminicídio.

Universa tentou localizar o advogado de defesa, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.