menu
Topo

Autoestima


Preta Gil: "Já quis uma roupa que não tinha meu número e mandei fazer"

Manuela Scarpa/Brazil News
Imagem: Manuela Scarpa/Brazil News

Carolina Martins

Colaboração para Universa

12/02/2019 20h26

Nesta terça-feira (12), Preta Gil marcou presença no lançamento da colaboração entre a marca Hering e Guaraná Antártica, em São Paulo, onde conversou com a Universa sobre moda e militância.

No bate-papo, a cantora, de 44, conhecida por sempre inspirar autoestima em outras mulheres por meio de suas publicações no Instagram, relembrou sobre a época em que vestia o número 48 e teve dificuldades para se vestir.

"Muitas vezes já quis uma roupa que não tinha meu número e mandei fazer. As modelagens do tamanho que eu uso, que é o G, são mais generosas. Quando eu vesti 48, não tinha como comprar roupa em loja. Só mandando fazer. Aí copiei muitos modelos de revista. Agora, a moda evoluiu e a consciência das marcas cresce. Mesmo que seja no grito! A gente está aqui para isso", afirma.

Cuidados com o cabelo

Ainda sobre o selfcare, Preta revelou ter um salão de beleza em casa e ter cuidado diário com os fios.

"Tenho um salão dentro de casa. Uso máscaras e faço hidratação. Mais ou menos de 3 em 3 dias. É bom, maravilhoso. Agora que eu clareio o cabelo, preciso de mais cuidado ainda. Gosto de me transformar toda hora. No Carnaval, já estou pensando nisso", contou.

Militância em rede nacional

Em meio a polêmicas sobre os participantes do BBB, que já envolveram desde homofobia até racismo, Preta falou sobre o espaço que está se abrindo para discussões como essas.

"Que as pessoas sejam elas e a partir disso a gente possa discutir. As pessoas que tem essas atitudes precisam de informação, o que tem muita gente fazendo lá. E querer evoluir, claro. Eu não tenho como julgar as pessoas pois estamos falando de sentimento. Pode bater de um jeito de mim e outro em você. Cada um tem sua vivência. Que todos tenhamos espaço para falar. Receber critica faz parte do crescimento de qualquer um. A gente tem que aproveitar isso como uma maneira de discutir assuntos delicados para evoluir. "