menu
Topo

Sexo


Sexo

Sexo: 9 coisas que todo casal precisa fazer pelo menos uma vez na vida

iStock Images
Cada casal sabe o que curte na cama, mas tentar coisas novas pode dar uma apimentada Imagem: iStock Images

Priscila Rodrigues

Colaboração com Universa

2019-02-10T04:00:00

10/02/2019 04h00

Cada casal conhece --ou pelo menos se diverte muito tentando conhecer!-- o que funciona ou não na cama. Testar ideias ou situações diferentes, porém, pode render momentos e experiências incríveis. Aqui listamos algumas sugestões para colocar em prática pelo menos uma vez:

Transar num lugar insólito

Por "insólito" entende-se um local que fuja aos cenários habituais aos quais o casal está acostumado --e também o nível de aventura que cada um se dispõe a correr, certo? Para os que não desejam correr riscos, as suítes de motéis temáticos podem cumprir bem esse objetivo, já que permitem dar vazão às fantasias e até inventar jeitos diferentes de fazer sexo.

Ter uma rapidinha com emoção

É aquela em que há o risco de serem pegos em flagrantes e, portanto, a urgência torna o momento mais quente e excitante. Exemplos? No banheiro da festa que você está dando em casa.

Gozar ao mesmo tempo

Embora seja, obviamente, o objetivo principal do sexo, o orgasmo não precisa ser uma preocupação constante nem se tornar uma obsessão --afinal de contas, é o caminho até ele que torna a transa mais interessante e gostosa. Porém, atingir o clímax juntos é uma experiência importante na vida de todo casal e "treinar" bastante para alcançá-la pode ser algo benéfico à relação. Dica: o sexo tântrico é uma boa tática.

Fingir serem outras pessoas

Interpretar personagens na cama, com figurino específico ou não para essa finalidade, faz com que homens e mulheres se relacionem de forma diferente. O caráter lúdico da experiência permite que os envolvidos se soltem mais, já que, pelo menos em teoria, são outras pessoas, e, portanto, tenham liberdade para sair da rotina e agir de formas inéditas.

Imitar a cena de um filme

Seja a sequência de um pornô ou uma passagem erótica de algum romance, se inspirar na ficção é um "sintoma" de que o casal sabe que para ampliar seu repertório sexual é preciso buscar várias fontes e alternativas. Mesmo que, na prática, a realidade não corresponda nem de longe à expectativa, a tentativa já é um modo de aumentar a intimidade e o vínculo entre os dois.

Matar o trabalho em nome do prazer

Perder a hora de manhã ou até mesmo um dia inteiro de expediente por causa de uma viagem romântica, uma noitada no motel ou por pura preguiça de sair da cama depois de um sexo matinal é a típica travessura do mundo dos adultos que eleva a cumplicidade a outro nível.

Incluir uma dose de fetiche

Algemas, vendas, chicotes, roupas de couro, cordas, sapatos de salto alto, coleiras... A lista de elementos considerados fetichistas é vasta --a maioria tem uma pegada BDSM (sigla para Bondage, Disciplina, Dominação, Submissão, Sadismo e Masoquismo)-- e conduz o casal a vivenciar e alternar papéis de submissão e dominação. 

Mapear as zonas erógenas um do outro

Com as mãos, a língua ou com o auxílio de sex toys, identificar e explorar os pontos de prazer um do outro é o ponto-chave para tirar o melhor proveito possível de preliminares e posições.

Quebrar um tabu

Cada pessoa sabe --ou pelo menos deveria saber-- até onde pode e quer ir em se tratando de sexo. Isso não impede, entretanto, o surgimento de fantasias e vontades. Conversar sobre isso com o par pode levar o casal a, pelo menos, identificar se há algo nunca antes experimentado que poderiam e gostariam de fazer juntos.

FONTES:
Fernanda Pauliv, consultora e palestrante de sensualidade, de Curitiba (PR); Juliana Baltazar, coach sexual, de São Paulo (SP), Rejane Sbrissa, psicóloga clínica de São Paulo (SP), e Tatiana Presser, psicóloga, sexóloga e autora do livro "Vem Transar Comigo" (Ed. Rocco)