menu
Topo

Violência contra a mulher


Mulher esquartejada pelo namorado em SC queria terminar relação, diz irmã

Reprodução/Facebook
Neomar da Rosa, de 25 anos Imagem: Reprodução/Facebook

Mariana Gonzalez

Da Universa, em São Paulo

30/01/2019 15h45

Dias antes de ser morta e esquartejada no último domingo (20), Neomar da Rosa, de 25 anos, disse à irmã Noemy que pretendia terminar o relacionamento e deixar a casa do namorado Alexandre Backes, de 33, com quem vivia há cerca de de quatro meses.

Backes, que foi preso de forma preventiva logo após o crime, confessou ter assassinado Neomar com golpes de martelo na cabeça e, para se livrar das provas, dividiu seu corpo em várias partes, que foram espalhadas por diferentes cidades vizinhas a Ituporanga (SC), onde moravam.

"Todo casal tem suas brigas, eles também tinham. Mas ele parecia um homem bom, não dava sinais de ser agressivo ou muito ciumento. Mesmo assim, ela dizia que queria terminar o relacionamento, sair da casa dele e viver sozinha, ter liberdade", disse Noemy da Rosa à Universa.

Neomar e Alexandre se conheceram pelas redes sociais em 2018, enquanto ela vivia em Blumenau e ele em Ituporanga -- cidades catarinenses separadas por cerca de 120 quilômetros. Segundo Noemy, o réu confesso convidou a vítima para morar com ele um mês após o primeiro contato. Como estava desempregada, decidiu aceitar a oferta.

O que a família descobriu apenas após a morte de Neomar é que Alexandre tem duas passagens por violência doméstica -- em uma delas, chegou a ameaçar a ex-companheira com um facão. 

Quando confessou o crime, na terça-feira (29), o réu disse que ele e a namorada foram juntos a uma festa, até que começaram a discutir e ele decidiu voltar para casa, deixando Neomar no local. Ainda segundo sua versão, ela teria se envolvido com outro homem durante a festa e voltado para casa com ele -- o que teria motivado o crime.

Noemy, no entanto, duvida da história. "Não acredito nesta versão. Minha irmã era muito fiel a ele e, mesmo que quisesse terminar o relacionamento, não teria coragem de fazer isso", acredita. "De toda forma, ela não merecia acabar desse jeito monstruoso".

Por meio da assessoria de imprensa da Polícia Civil de Santa Catarina, o delegado responsável pelo caso, Bruno Augusto Reis, disse que está fazendo buscas junto ao Corpo de Bombeiros para encontrar partes do corpo de Neomar que ainda não foram identificadas. O IGP (Instituto Geral de Perícias) fez a reconstituição do crime na noite de segunda-feira (28) em frente à casa do casal, onde a vítima teria sido morta, e em todo o caminho que Alexandre disse ter percorrido para espalhar o corpo.

O réu confesso foi encaminhado para o Presídio Regional de Rio do Sul na terça-feira (29), onde deve permanecer até o julgamento. Backes foi indiciado por homicídio qualificado com os seguintes agravantes: feminicídio, impossibilidade de defesa da vítima e motivo torpe.